Avançar para o conteúdo principal

Entrevistas PREVENIR com SAÚDE à conversa com Vânia Ribeiro (do blog Made by Choices)

Inspirada pelo projeto “Literacia em Saúde em Portugal” cuja iniciativa parte do Programa Inovar em Saúde da Fundação Calouste Gulbenkian, decidi fazer diversas entrevistas ao longo dos próximos meses a pessoas que mudaram as suas vidas numa perspectiva de melhorar a sua saúde ou pessoas que possam contribuir com dicas e informações de relevo para que as possamos aplicar no nosso dia-a-dia. Porque é isso mesmo que a literacia em saúde é, a  promoção e sustentabilidade de um estilo de vida saudável através do conhecimento, proporcionando capacidades indispensáveis para o autocuidado e autorresponsabilização.

A primeira entrevista que publico é da Vânia Ribeiro, autora do blogue Made byChoices.
Escolhi a Vânia porque ela é um óptimo exemplo do que a alimentação de base vegetal pode trazer para as nossas vidas e como divertida, colorida e saborosa pode ser. A Vânia tem a capacidade de inspirar os leitores com os pratos magníficos que confecciona sem nunca descuidar daquele aspecto fundamental, que é aproveitar o tempo ao máximo com receitas rápidas e nutritivas.  Vamos conhecê-la?!

P: Vânia, fala-nos um pouco de ti. Sei que tens formação em naturopatia. O que te levou
a estudar essa área?
R: A Naturopatia entrou na minha vida no 3º ano do curso de Psicologia. Nessa altura decidi experimentar um pequeno curso de massagem indiana que uma amiga tinha feito. Nessa breve formação de 2 dias tive o primeiro contacto com as terapias complementares e isso despertou em mim uma enorme curiosidade. Depois de muito pesquisar decidi que estava na hora de mudar de curso, sabia que gostava de ajudar outras pessoas, mas não me identificava com o curso que estava a tirar e foi assim muito resumidamente que mudei o rumo da minha vida e conheci a Naturopatia.

P: A criação do teu blogue “Made by Choices” foi algo que aconteceu naturalmente ou houve alguma experiência que te impulsionou a iniciá-lo?
R: O Made by Choices surgiu já depois de terminar o curso de Naturopatia e numa altura em que mudei radicalmente o meu estilo de vida e alimentação.
Inicialmente essa mudança ocorreu por uma necessidade e hoje sei que foi a melhor decisão que podia ter tomado. Made by Choices (em português - feito por escolhas) surgiu para me ajudar a manter motivada e para inspirar e ajudar outras pessoas. Mudar é uma escolha.

P: Sei que és vegetariana. O que te levou a mudar de padrão alimentar?
R: Até aos 28 anos sempre comi carne e carne. Nunca tinha pensado sequer em ser vegetariana. Em 2014 numa consulta de rotina descobri que tinha SOP (Síndrome do Ovário Poliquístico) uma disfunção endócrina. Para a medicina convencional, as causas ainda são pouco evidentes, mas pensa-se que esteja relacionado com a predisposição genética, resistência à insulina ou com o estilo de vida. No meu caso e com os conhecimentos que tinha tornou-se evidente que foi uma patologia adquirida, fruto do meu estilo de vida (stress, ansiedade, falta de exercício físico) e da má nutrição. A alimentação foi a primeira área que decidi mudar, comecei por reduzir o consumo de alimentos processados, açúcares e farinhas refinadas e depois gradualmente deixei de consumir a carne e o peixe.
Hoje assumo este estilo de vida não apenas pela minha saúde, mas pelos animais e pelo planeta.

P: Consideras que os alimentos como a fruta e os vegetais podem contribuir para a prevenção dos sintomas da ansiedade e diminuir a compulsão alimentar de que os portugueses tanto sofrem? Porquê?
R: Sim sem qualquer dúvida. Os vegetais e a fruta deveriam ser a base da nossa alimentação. O que vemos hoje em dia é completamente o oposto. A alimentação dos portugueses é rica em açúcar, cereais refinados, gordura e proteínas de origem animal. O consumo excessivo destes alimentos leva não só ao aumento da propensão de diversas patologias como é pobre em micronutrientes: vitaminas, minerais e fitonutrientes. Micronutrientes fundamentais para o perfeito funcionamento, protecção e desempenho dos órgãos vitais.
A compulsão alimentar e a ansiedade são apenas os sintomas de uma causa que está na sua maioria ligada a factores emocionais, stress e carência nutricional. O consumo de frutas e vegetais, aliado a um estilo de vida saudável, podem sim contribuir para a prevenção desses sintomas.

P: Os alimentos biológicos são considerados mais saudáveis, mas o preço é elevado, como tal, quais os alimentos que, na tua opinião, são importantes que sejam de agricultura biológica?
R: Sim os preços são um pouco mais elevados, eu confesso que não compro tudo bio, mas dou preferência a alimentos que são consumidos no seu todo como: maçãs, pera, morangos, tomate, uvas, hortaliças (couves, alface, rúcula..), leguminosas secas e alguns cereais integrais. 

P: Quem quer reeducar a alimentação e melhorar a qualidade de vida o que deve fazer em primeiro lugar?
R: Acho que em primeiro lugar é preciso perceber o que é qualidade de vida.
Todos nós temos conceitos e ideais diferentes. Por exemplo para uma pessoa ter qualidade de vida pode ser viver no campo rodeado pela natureza e para outra pode ser viver num local rodeado de pessoas e com algum nível de stress e agitação. Somos todos diferentes e precisamos de estímulos diferentes.
Em relação à alimentação é começar pela base, e analisar algumas questões:
- Que tipo de alimentos consumo todos os dias?
- Sinto-me com energia ao longo do dia?
- As minhas compras de supermercado são coloridas e de curta validade? Ou são maioritariamente em pacotes e de longa validade?

P: Com esse mesmo objetivo, quais os alimentos que devem ser consumidos com frequência e quais os que apenas devem ser ingeridos em dias de “festa”?
R: Alimentos que devemos consumir diariamente – alimentos que a terra nos dá: vegetais (variados e coloridos), frutas, cereais integrais, leguminosas, alguns frutos secos e sementes.
Alimentos ingeridos em dias de “festa” – os processados 

P: Até que ponto consideras a frase “tu és o que tu come” correta?
R: Considero correcta mas não completa. Sem dúvida que o que comemos se reflecte na nossa saúde física, mas mais do que comer, somos também o que absorvemos (desses alimentos), somos o que pensamos, somos o que acreditamos. Somos um conjunto de vários factores interligados (físico, social, mental e espiritual).

P: Concordas que a abundância de dietas que existe actualmente deixa as pessoas confusas?
R: Completamente. Somos bombardeados diariamente com novos estudos de que alimento x é bom e o y é mau. Amanhã o y já é bom e o x virou o mau. Mais do que fazer dietas, devemos encarar a alimentação como um estilo de vida que conseguimos manter ao longo de vários anos. Se a alimentação que temos nos dá saúde, vitalidade e bem-estar, é talvez um sinal de que estamos no caminho certo e não porque é moda.

P: Vivemos uma época atarefada onde as pessoas fazem mil coisas ao mesmo tempo. Que dicas darias para que comessem melhor mas com o mínimo de tempo na cozinha?
R: Sim vivemos numa época atarefada, mas também é importante priorizar.
Para quem não tem tempo é fundamental o planeamento e a organização. Pensar previamente nas refeições, fazer um menu semanal, ter alguns alimentos já preparados e congelados (como leguminosas cozidas), algumas refeições caseiras congeladas. Cozer arroz integral em maior quantidade e guardar no frigorífico para toda a semana por exemplo.

P: Quais as maiores aprendizagens que te têm surgido no percurso profissional?
R: Somos todos diferentes e temos motivações diferentes. Se conseguirmos trabalhar com essa individualidade conseguimos bons resultados.

P: E os maiores desafios?
R: A Consistência. Mudar hábitos de uma vida não é fácil, mas é possível.

P: Um conselho para quem deseja mudar o seu estilo de vida e com isso alcançar uma melhor saúde?
R: Não o façam pelos outros ou porque é moda. Encontrem dentro de vocês um motivo (forte e verdadeiro) que leve mudar o estilo de vida. A palavra motivação vem de motivo (aquele que vos impulsiona) à ação (aos resultados).

Dá uma espreitadela nas magnificas receitas que a Vânia disponibiliza no seu blog: www.madebychoices.pt


Atreve-te a Mudar e a PREVENIR com SAÚDE

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…