Avançar para o conteúdo principal

Arando Vermelho (Vaccinium macrocarpon)



È uma espécie originária da América do norte. Este arbusto baixo habita solos húmidos e pantanosos e produz umas bagas avermelhadas, pequenas, de sabor doce e um pouco ácido.

                Os índios americanos foram os primeiros a utilizá-lo no tratamento de afecções do sistema circulatório, problemas de estômago, perda de apetite e outras doenças. Actualmente, o seu interesse é principalmente nas suas propriedades protectoras do tracto urinário e na sua riqueza em antioxidantes.


                Protector urinário: demonstrou-se que os frutos de arando vermelho exercem uma acção protectora em relação á cistite e outras infecções urinárias. Inicialmente, pensou-se que estes frutos poderiam acidificar o pH da urina, tornando-a teoricamente menos adequada para a proliferação de bactérias, mas entretanto descobriu-se que esta acção protectora deve-se á sua riqueza em proantocianidinas, um tipo de polifenóis. Estas substâncias ajudam a evitar a adesão das bactérias (E. coli, responsável por 90% das infecções urinárias e outras) às paredes celulares do epitélio que cobre a bexiga, dificultando o seu desenvolvimento e favorecendo a sua eliminação com a urina.
                Deste modo, o arando vermelho ajuda a prevenir a infecção urinária e o mal-estar associado (ardor ao urinar, dores abdominais e a constante necessidade de ir á casa de banho)


Modo de utilização:


                - Sumo concentrado de arando, cerca de 2 colheres de sopa ao pequeno-almoço diluídas num copo de água, bebendo cerca de 2 litros de água por dia durante o período da infecção.
                - Comprimidos de arando


                Úlceras: As proantocianidinas do arando vermelho são muito benéficas para as infecções urinárias, mas também se observou, em estudos in-vitro, que têm uma acção protectora em relação às bactérias da boca, prevenindo as cáries.
                Actuam ainda sobre a proliferação da Helicobacter pylori, uma bactéria relacionada com o aparecimento de úlceras gástricas e cancro do estômago.


                Antioxidante: As proantocianidinas, os flavonóides e os carotenos do arando vermelho são excelentes antioxidantes, sendo o seu sumo, uma boa alternativa para combater o efeito do envelhecimento celular que os radicais livres produzem e para proteger a saúde em geral.
                Alem disso, alguns dos princípios activos actuam como a vitamina P, ou seja, protegendo os capilares sanguíneos e ajudando a melhorar a circulação em todo o organismo. Por isso, tomar suplementos de arando é também útil para prevenir as varizes, a fragilidade capilar e outros problemas circulatórios.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

O Mito da Proteína Combinada

Todos os nutrientes vêm do sol ou do solo. Os minerais provêm da terra e as vitaminas das plantas e dos microrganismos que crescem a partir deles.
Dito isto, volta a eterna questão. Onde posso obter a proteína? A proteína é composta por aminoácidos e entre eles existem 20 aminoácidos essenciais, o que significa que o nosso corpo não os consegue produzir, sendo essencial obtê-los a partir da alimentação. Mas os outros animais também não os produzem.
As proteínas provenientes das plantas (e micróbios) têm todos os aminoácidos essenciais.
O conceito de que a proteína vegetal é inferior à proteína animal surgiu devido a estudos realizados em ratos há mais de um século atrás. Os cientistas descobriram que os ratos bebés não tinha um crescimento adequado quando alimentados à base de plantas. Mas os ratos bebés também não crescem bem se forem alimentados com leite materno humano e porquê? Porque o leite do rato tem 10 vezes mais proteína do que o leite humano e porque os ratos têm um crescim…