Avançar para o conteúdo principal

Estudo: Probióticos e o Transtorno do Défice de Atenção com Hiperactividade

Actualmente estamos bem conscientes da conexão intestino-cérebro, como tal colocou-se a hipótese: 

Será que a suplementação com probióticos pode reduzir o risco de transtornos mentais em crianças, incluindo nas desordens de TDAH e do espectro do autismo?


Há uma quantidade crescente de estudos que indicam que as alterações do tipo de bactérias que vivem no nosso tracto gastrointestinal podem influenciar a função do cérebro, o humor e a saúde mental de forma geral. E este estudo que apresento aqui é o primeiro a demonstrar que a suplementação com probiótico no início da vida pode ser uma forma eficaz de reduzir a crescente onda de distúrbios cerebrais em crianças, tais como o caso do transtorno de hiperactividade, défice de atenção e espectro autista.

A teoria é que níveis baixos de bactérias intestinais benéficas, como a Lactobacillus e a Bifidobacteria nas crianças leva a um aumento das bactérias produtoras de toxinas, tais como espécies de Clostridium.

Para testar a hipótese de que a suplementação com probióticos pode proteger contra o desenvolvimento de TDAH, os pesquisadores na Finlândia olharam mais de perto para um estudo que foi originalmente concebido para testar o efeito da suplementação precoce com probiótico na infância no desenvolvimento de eczema.
O estudo foi desenhado para ser duplo cego e controlado por placebo. Assim, as mães de 159 crianças foram recrutadas e randomizadas.  Foi-lhes dado a tomar 10 bilhões de unidades formadoras de colónias de Lactobacillus rhamnosus ou placebo diariamente durante 4 semanas antes do parto. Após o parto, foi dado o conteúdo da cápsula, às crianças ou às mães que estavam a amamentar, durante um período de 6 meses.

Para avaliar para uma possível ligação entre a suplementação de probiótico e o TDAH, 75 dessas crianças foram avaliadas por um psiquiatra infantil experiente ou neurologista não envolvido no estudo e as crianças foram randomizadas e "cegadas" de modo a não produzirem qualquer estudo viés.

Os resultados mostraram que o TDAH foi diagnosticado em 6/35 (17,1%) das crianças que se encontravam no grupo placebo enquanto que nenhum caso foi diagnosticado no grupo que se encontrava a tomar o probiótico (0/40). A probabilidade de isso acontecer foi de 0,008, indicando que não foi devido ao acaso, mas sim de um efeito claro.

Como as amostras de fezes foram armazenadas, os pesquisadores foram capazes de analisar as crianças pelas bactérias intestinais durante os primeiros seis meses de vida. O que os pesquisadores descobriram foi que o número de bactérias de espécies de Bifidobacterium nas fezes durante os primeiros 6 meses de vida foi menor nas crianças com TDAH em comparação com as crianças saudáveis.

Os pesquisadores concluíram que "a suplementação com probióticos no início da vida pode reduzir o risco de desenvolver este transtorno neuropsiquiátrico mais tarde na infância".
  

As alterações nas bactérias do intestino e/ou da função do trato gastrointestinal pode ser um factor importante no desenvolvimento de transtornos comportamentais na infância.



Fontes:

- Pärtty A, Kalliomäki M, Wacklin P, Salminen S, Isolauri E. A possible link between early probiotic intervention and the risk of neuropsychiatric disorders later in childhood: a randomized trial. Pediatr Res. 2015 Mar 11. doi: 10.1038/pr.2015.51. [www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25760553]

- https://doctormurray.com/new-study-shows-probiotics-may-prevent-adhd-and-autism-spectrum-disorders

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…