Avançar para o conteúdo principal

A FILOSOFIA DO PAI DA MEDICINA

Segundo Hipócrates, o Pai da Medicina, devemos fazer dos alimentos os nossos remédios. Essa filosofia era a base de toda a medicina grega antiga e ensinava que a boa alimentação é o alicerce da saúde. Contudo, muito mais do que uma técnica alimentar, o sistema de Hipócrates utilizava o poder directo da cura de diversos alimentos, empregando-os tanto na recupera­ção do organismo nas diversas doenças, como na prevenção das mesmas. Na lista dos alimentos-remédios da Grécia, estavam o alho, o gengibre, a cevada, diversas frutas, o azeite, o vinagre de vinho, o próprio vinho, vários tipos de chás, sementes oleaginosas e as pimentas, além de centenas de outros secundários.
Concentrava-se a atenção no efeito específico do alimento e, com base nele, dietas exclusivas — ou concentradas em determinado item — eram prescritas para o tratamento de diversas doenças. Entendia-se que o corpo era formado pela essência dos alimentos ingeridos: se alimentos prejudiciais eram ingeridos, poderiam provocar distúrbios e as doenças classificadas pela medicina; Em caso oposto, os bons alimentos eram considerados como capazes de curar aquilo que os maus produziam. Embora esta visão e experiência não figure como essencial na medicina convencional moderna, as novas correntes de pensamento médico já a resgataram, e temos agora uma outra realidade quanto à importância da alimentação e do poder curativo de determinados alimentos. Actualmente existe o conceito e a classificação de “alimentos funcionais”, que são aqueles considerados capazes de promover a saúde. Com o advento da medicina ortomolecular, temos uma reedição actualizada do pensamento de Hipócrates, pois a ciência já conhece as propriedades medicinais e composições que explicam como os alimentos podem tratar. No grupo dos alimentos funcionais está a soja, a uva, o tomate, o limão, o abacaxi, a cenoura, o arroz integral, entre outros, mas já há lugar de destaque para as pimentas.
O nome pimenta vem da forma latina pigmentum, “matéria corante”, que no espanhol é pimienta, passando depois ao entendimento contemporâneo como “especiaria aromática”.
É importante saber que as pimentas eram utilizadas na medicina e na culinária muito antes de Hipócrates, que viveu por volta do século 5 a.C. Já na antiga medicina tibetana e ayurvédica, médicos sacerdotes, e a própria população, utilizavam os poderes medicinas para tratar as múltiplas enfermidades. Nos livros sagrados da medicina ayurvédica figuram diversas fórmulas em que as pimentas constituem elementos importantes. Segundo o conhecimento da medicina indiana antiga, as plantas pungentes (ardidas) combatem o excesso de mucosidades acumuladas no organismo, eliminam toxinas (ama) e tonificam a energia vital. Mas não apenas na medicina indiana vamos encontrar as pimentas como recursos medicinais. Na medicina chinesa antiga são inúmeros os métodos de tratamento com pimenta, o mesmo acontece na medicina egípcia, mesopotâmica, persa, e depois árabe que, com a expansão do Islão, difundiu a sua avançada medicina por praticamente todo o mundo.
A pimenta figura como um importante recurso medicinal em todos os sistemas médicos conhecidos e em todas as culinárias do planeta. Pela sua capacidade de produzir calor e rubor, sempre foi considerada um excelente afrodisíaco e, como tal, parece ter cumprido a sua missão. Por esse motivo, a utilização da pimenta como condimento foi proibida para monges, sacerdotes, discípulos e religiosos celibatários, de modo a evitar o estímulo do desejo sexual.
Povos que utilizam regularmente a pimenta são conhecidos pela sua fertilidade, como os indianos e os chineses. A região italiana da Calábria, onde um tipo de pimenta semelhante à nossa malagueta é utilizada em grande quantidade na alimentação, os homens possuem quantidades de espermatozóides bem superiores à média mundial. Com base nisso, existe um bom recurso da Medicina Tradicional para combater a esterilidade masculina e a baixa quantidade de espermatozóides: a ingestão de uma a duas pimentas pequenas (tipo malagueta) por dia, às refeições, sem mastigar, como se fossem comprimidos.
Tratados médicos persas antigos, certamente como herança da medicina Ayurvédica, recomendavam a ingestão de pimenta para combater dores musculares e dores de cabeça, o que criou a tradição de se adoptar as pimentas como condimento para combater a enxaqueca, actualmente.
Estudos mostram que a pimenta, pela sua capacidade anti-séptica e protectora, fazia parte das fórmulas para o embalsamamento de múmias no Egipto. Entre os povos pré-colombianos na América (incas, astecas, maias, tupis, guaranis etc.), plantas picantes sempre foram utilizadas como alimento e como remédio.
As pimenteiras do género Capsicum são nativas da América, mas a sua origem exacta é controversa: alguns pesquisadores acreditam que surgiram na Bacia Amazónica, outros afirmam que se originaram na América Central ou ainda no México. Na América, as pimentas parecem ter surgido há 7.000 anos a.C. na região do México Central. As primeiras pimentas consumidas foram recolhidas provavelmente de plantas selvagens, o que coloca as pimentas entre as plantas cultivadas mais antigas das Américas. Os americanos pré-históricos cultivaram a pimenta selvagem piquin, que se multiplicou geneticamente nos vários tipos de pimenta hoje conhecidos.
Alimentos funcionais são aqueles que fazem parte de um grupo de elite dos nutrientes. São assim classificados pelo FDA (Agência que controla os medicamentos e alimentos) nos Estados Unidos e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no Brasil: alimentos que, além de possuir nutrientes, contêm também componentes de acção protectora, medicinal, terapêutica e curativa especial.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…