Avançar para o conteúdo principal

Inflamação Pélvica


A inflamação pélvica é uma infecção de qualquer um dos órgãos pélvicos da mulher, incluindo o útero, ovários, trompas de Falópio, ou o peritoneu (a membrana que cobre a cavidade abdominal). Um milhão de mulheres são diagnosticadas com inflamação pélvica anualmente nos E.U.A., geralmente como resultado de uma infeção transmitida sexualmente, como a clamídia ou a gonorreia. A inflamação pélvica aguda aparece repentinamente e tem tendência a ser mais severa, enquanto que a Inflamação Pélvica crónica é uma infecção de baixo grau que podem causar dor leve e às vezes dor nas costas. Se não for tratada corretamente, a Inflamação Pélvica pode causar infertilidade e em casos muito raros, a morte.

Sinais e Sintomas:

Inflamação Pélvica Aguda é acompanhada pelos seguintes sinais e sintomas:
  • Dor e sensibilidade na parte inferior do abdómen
  • Corrimento Vaginal
  • Sangramento uterino anormal
  • Febre
  • Náuseas e vómitos

Inflamação Pélvica Crónica é acompanhada pelos seguintes sinais e sintomas:
  • Dor leve e recorrente no abdómen inferior
  • Dor nas costas
  • Período menstrual irregular
  • Dor durante as relações sexuais
  • Infertilidade
  • Corrimento vaginal pesado e com cheiro desagradável

CAUSAS
A inflamação pélvica ocorre quanto bactérias da vagina ou do cérvix/colo do útero infiltram-se nos órgãos pélvicos normalmente estéreis. A Inflamação Pélvica é causada geralmente por doenças transmitidas sexualmente (DTS), como a Chlamydia trachomatis e a Neisseria gonorrhoeae.

GRUPOS DE RISCO
Pessoas com as seguintes condições ou características correm o risco de desenvolver a doença:
  • Encontros sexuais frequentes, múltiplos parceiros
  • Histórico de doenças transmitidas sexualmente ou história anterior de inflamação pélvica
  • Jovens (entre 14 - 25 anos), particularmente no inicio sexual precoce
  • Irrigações Vaginais
  • Episódio anterior de gonococcal
  • Aparelhos intrauterinos podem aumentar o risco de inflamação pélvica durantes os primeiros 20 dias depois da sua inserção.

PREVENÇÃO
Métodos contraceptivos (preservativos, diafragmas, espermicidas vaginais) reduzem o risco de Inflamação Pélvica. Um diagnóstico rápido e um tratamento eficiente das infecções do trato urinário inferior ajudam a prevenir o desenvolvimento da Inflamação Pélvica.

Alterações Nutricionais
·       Eliminar alimentos potencialmente alérgicos, incluindo lacticínios, trigo (glúten), milho, soja, conservantes e aditivos alimentares.
·     Aumentar o consumo de alimentos ricos em cálcio, incluindo leguminosas, amêndoas e vegetais de folha verde escura, como os espinafres.
·       Aumentar o consumo de alimentos antioxidantes, incluindo frutas (arandos, cerejas e tomates) e vegetais como a abóbora e pimentos.
  • Evitar o consumo de alimentos refinados, como pão branco, massas e açúcar. 
  • Evitar o consumo de carnes vermelhas, e aumentar o consumo de tofu (se não houver alergia) ou leguminosas para obter proteína. 
  • Usar óleos de culinária saudáveis, como o azeite. 

  • Reduzir ou eliminar alimentos ácidos gordos hidrogenados encontrados em produtos comercializados como bolachas, bolos, margarinas, alimentos processados.
  • Evitar café e outros estimulantes como o álcool e o tabaco.
  • Beber entre 6 - 8 copos grandes de água filtrada por dia.


PROGNÓSTICO E POSSÍVEIS COMPLICAÇÕES:
Em 85% dos casos, o tratamento inicial é bem sucedido. Em 75% dos casos, os pacientes não experienciam uma infecção recorrente, no entanto, quando ocorre, a probabilidade de infertilidade aumenta em cada episódio de Inflamação Pélvica. Complicações potenciais incluem:
  • Abcessos nos ovários
  • Obstrução das trompas de Falópio, que pode resultar numa gravidez ectópica ou infertilidade.
  • Dor pélvica crónica
  • Disfunção Sexual

Fontes de Pesquisa
Bope: Conn's Current Therapy 2010, 1st ed. Philadelphia, PA: Saunders Elsevier. 2009.
Cabrera C, Artacho R, Gimenez R. Beneficial effects of green tea--a review. J Am Coll Nutr. 2006;25(2):79-99.
Crossman SH. The challenge of pelvic inflammatory disease. Am Fam Physician. 2006;73(5):859-64.
Cvetnic Z, Vladimir-Knezevic S. Antimicrobial activity of grapefruit seed and pulp ethanolic extract. Acta Pharm. 2004;54(3):243-50.
Das M, Sur P, Gomes A, Vedasiromoni JR, Ganguly DK. Inhibition of tumor growth and inflammation by consumption of tea. Phytother Res. 2002;16 Suppl 1:S40-4.
Ferri: Ferri's Clinical Advisor, 2010, 1st ed. Philadelphia, PA: Mosby Elsevier. 2009.
Gonclaves C, Dinis T, Batista MT. Antioxidant properties of proanthocyanidins of Uncaria tomentosa bark decoction: a mechanism for anti-inflammatory activity. Phytochemistry. 2005;66(1):89-98.
Haggerty CL, Ness RB. Epidemiology, pathogenesis and treatment of pelvic inflammatory disease. Expert Rev Anti Infect Ther. 2006;4(2)
Hale LP, Greer PK, Trinh CT, James CL. Proteinase activity and stability of natural bromelain preparations. Int Immunopharmacol. 2005;5(4):783-93.
Heggers JP, Cottingham J, Gussman J, et al. The effectiveness of processed grapefruit-seed extract as an antibacterial agent: II. Mechanism of action and in vitro toxicity. J Altern Complement Med. 2002;8(3):333-40.
Heitzman ME, Neto CC, Winiarz E, Vaisberg AJ, Hammond GB. Ethnobotany, phytochemistry and pharmacology of Uncaria (Rubiaceae). Phytochemistry. 2005;66(1):5-29.
Ibarrola Vidaurre M, Benito J, Azcona B, Zubeldia N. Infectious pathology: vulvovaginitis, sexually transmitted diseases, pelvic inflammatory disease, tubo-ovarian abscesses. An Sist Sanit Navar. 2009;32,Suppl 1: 29-38.
Lareau S, Beigi R. Pelvic Inflammatory Disease and Tubo-ovarian Abscess. Infectious Disease Clinics of North America. 22(4).
Long: Principles and Practice of Pediatric Infectious Diseases, 3rd ed. Philadelphia, PA: Churchill Livingstone, 2008. Ch. 56.
Martinez F, Lopez-Arregui E. Infection risk and intrauterine devices. Acta Obstet Gynecol Scand. 2009;88(3):246-50.
Risser JM, Risser WL. Purulent vaginal and cervical discharge in the diagnosis of pelvic inflammatory disease. Int J STD AIDS. 2009;20(2)
Yoon JH, Baek SJ. Molecular targets of dietary polyphenols with anti-inflammatory properties. Yonsei Med J. 2005;46(5):585-96.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical: