Avançar para o conteúdo principal

Inflamação Pélvica


A inflamação pélvica é uma infecção de qualquer um dos órgãos pélvicos da mulher, incluindo o útero, ovários, trompas de Falópio, ou o peritoneu (a membrana que cobre a cavidade abdominal). Um milhão de mulheres são diagnosticadas com inflamação pélvica anualmente nos E.U.A., geralmente como resultado de uma infeção transmitida sexualmente, como a clamídia ou a gonorreia. A inflamação pélvica aguda aparece repentinamente e tem tendência a ser mais severa, enquanto que a Inflamação Pélvica crónica é uma infecção de baixo grau que podem causar dor leve e às vezes dor nas costas. Se não for tratada corretamente, a Inflamação Pélvica pode causar infertilidade e em casos muito raros, a morte.

Sinais e Sintomas:

Inflamação Pélvica Aguda é acompanhada pelos seguintes sinais e sintomas:
  • Dor e sensibilidade na parte inferior do abdómen
  • Corrimento Vaginal
  • Sangramento uterino anormal
  • Febre
  • Náuseas e vómitos

Inflamação Pélvica Crónica é acompanhada pelos seguintes sinais e sintomas:
  • Dor leve e recorrente no abdómen inferior
  • Dor nas costas
  • Período menstrual irregular
  • Dor durante as relações sexuais
  • Infertilidade
  • Corrimento vaginal pesado e com cheiro desagradável

CAUSAS
A inflamação pélvica ocorre quanto bactérias da vagina ou do cérvix/colo do útero infiltram-se nos órgãos pélvicos normalmente estéreis. A Inflamação Pélvica é causada geralmente por doenças transmitidas sexualmente (DTS), como a Chlamydia trachomatis e a Neisseria gonorrhoeae.

GRUPOS DE RISCO
Pessoas com as seguintes condições ou características correm o risco de desenvolver a doença:
  • Encontros sexuais frequentes, múltiplos parceiros
  • Histórico de doenças transmitidas sexualmente ou história anterior de inflamação pélvica
  • Jovens (entre 14 - 25 anos), particularmente no inicio sexual precoce
  • Irrigações Vaginais
  • Episódio anterior de gonococcal
  • Aparelhos intrauterinos podem aumentar o risco de inflamação pélvica durantes os primeiros 20 dias depois da sua inserção.

PREVENÇÃO
Métodos contraceptivos (preservativos, diafragmas, espermicidas vaginais) reduzem o risco de Inflamação Pélvica. Um diagnóstico rápido e um tratamento eficiente das infecções do trato urinário inferior ajudam a prevenir o desenvolvimento da Inflamação Pélvica.

Alterações Nutricionais
·       Eliminar alimentos potencialmente alérgicos, incluindo lacticínios, trigo (glúten), milho, soja, conservantes e aditivos alimentares.
·     Aumentar o consumo de alimentos ricos em cálcio, incluindo leguminosas, amêndoas e vegetais de folha verde escura, como os espinafres.
·       Aumentar o consumo de alimentos antioxidantes, incluindo frutas (arandos, cerejas e tomates) e vegetais como a abóbora e pimentos.
  • Evitar o consumo de alimentos refinados, como pão branco, massas e açúcar. 
  • Evitar o consumo de carnes vermelhas, e aumentar o consumo de tofu (se não houver alergia) ou leguminosas para obter proteína. 
  • Usar óleos de culinária saudáveis, como o azeite. 

  • Reduzir ou eliminar alimentos ácidos gordos hidrogenados encontrados em produtos comercializados como bolachas, bolos, margarinas, alimentos processados.
  • Evitar café e outros estimulantes como o álcool e o tabaco.
  • Beber entre 6 - 8 copos grandes de água filtrada por dia.


PROGNÓSTICO E POSSÍVEIS COMPLICAÇÕES:
Em 85% dos casos, o tratamento inicial é bem sucedido. Em 75% dos casos, os pacientes não experienciam uma infecção recorrente, no entanto, quando ocorre, a probabilidade de infertilidade aumenta em cada episódio de Inflamação Pélvica. Complicações potenciais incluem:
  • Abcessos nos ovários
  • Obstrução das trompas de Falópio, que pode resultar numa gravidez ectópica ou infertilidade.
  • Dor pélvica crónica
  • Disfunção Sexual

Fontes de Pesquisa
Bope: Conn's Current Therapy 2010, 1st ed. Philadelphia, PA: Saunders Elsevier. 2009.
Cabrera C, Artacho R, Gimenez R. Beneficial effects of green tea--a review. J Am Coll Nutr. 2006;25(2):79-99.
Crossman SH. The challenge of pelvic inflammatory disease. Am Fam Physician. 2006;73(5):859-64.
Cvetnic Z, Vladimir-Knezevic S. Antimicrobial activity of grapefruit seed and pulp ethanolic extract. Acta Pharm. 2004;54(3):243-50.
Das M, Sur P, Gomes A, Vedasiromoni JR, Ganguly DK. Inhibition of tumor growth and inflammation by consumption of tea. Phytother Res. 2002;16 Suppl 1:S40-4.
Ferri: Ferri's Clinical Advisor, 2010, 1st ed. Philadelphia, PA: Mosby Elsevier. 2009.
Gonclaves C, Dinis T, Batista MT. Antioxidant properties of proanthocyanidins of Uncaria tomentosa bark decoction: a mechanism for anti-inflammatory activity. Phytochemistry. 2005;66(1):89-98.
Haggerty CL, Ness RB. Epidemiology, pathogenesis and treatment of pelvic inflammatory disease. Expert Rev Anti Infect Ther. 2006;4(2)
Hale LP, Greer PK, Trinh CT, James CL. Proteinase activity and stability of natural bromelain preparations. Int Immunopharmacol. 2005;5(4):783-93.
Heggers JP, Cottingham J, Gussman J, et al. The effectiveness of processed grapefruit-seed extract as an antibacterial agent: II. Mechanism of action and in vitro toxicity. J Altern Complement Med. 2002;8(3):333-40.
Heitzman ME, Neto CC, Winiarz E, Vaisberg AJ, Hammond GB. Ethnobotany, phytochemistry and pharmacology of Uncaria (Rubiaceae). Phytochemistry. 2005;66(1):5-29.
Ibarrola Vidaurre M, Benito J, Azcona B, Zubeldia N. Infectious pathology: vulvovaginitis, sexually transmitted diseases, pelvic inflammatory disease, tubo-ovarian abscesses. An Sist Sanit Navar. 2009;32,Suppl 1: 29-38.
Lareau S, Beigi R. Pelvic Inflammatory Disease and Tubo-ovarian Abscess. Infectious Disease Clinics of North America. 22(4).
Long: Principles and Practice of Pediatric Infectious Diseases, 3rd ed. Philadelphia, PA: Churchill Livingstone, 2008. Ch. 56.
Martinez F, Lopez-Arregui E. Infection risk and intrauterine devices. Acta Obstet Gynecol Scand. 2009;88(3):246-50.
Risser JM, Risser WL. Purulent vaginal and cervical discharge in the diagnosis of pelvic inflammatory disease. Int J STD AIDS. 2009;20(2)
Yoon JH, Baek SJ. Molecular targets of dietary polyphenols with anti-inflammatory properties. Yonsei Med J. 2005;46(5):585-96.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…