Avançar para o conteúdo principal

Magnésio na prevenção do AVC

O Estudo discute a correlação entre o aumento da ingestão de magnésio e a redução do AVC
(Estudos relevantes de PubMed e EMBASE (Jan 1966-setembro 2011) e referências nesses artigos).



Principais conclusõesPara cada aumento de 100mg na ingestão de magnésio, o risco de acidente vascular cerebral foi reduzido em 8% (combinado RR: 0,92; 95% CI: 0,88, 0,97).
Estas conclusões referem-se ao AVC isquémico (RR: 0,91, IC 95%: 0,87, 0,96), mas não ao hemorrágico intra-cerebral (RR: 0,96; 95% CI: 0,84, 1,10) ou ao sub-aracnóideo (RR: 1,01; 95% CI: 0,90, 1,14 acidente vascular cerebral).


Implicações práticasOs autores defendem que a redução do risco de AVC deve-se ao efeito do magnésio sobre os vários factores de risco inerentes ao AVC, onde já foi comprovada a sua eficácia, entre eles:

    
Hipertensão (1, 2)
    
A síndrome metabólica (3)
    
Diabetes tipo-2 (2, 4)

Os ensaios clínicos randomizados mostraram que a suplementação de magnésio reduz modestamente a pressão arterial diastólica (5), o peptídeo-C (O peptídeo-C é uma molécula produzida e secretada em conjunto com a insulina pelas células beta do pâncreas) e a concentração de insulina.(6)

Estudos realizados em animais mostraram que a ingestão elevada de magnésio tem efeitos favoráveis ​​sobre a glicémia e nas concentrações sanguíneas de lípidos, (7) e que a deficiência de magnésio aumenta a susceptibilidade de peroxidação das lipoproteínas.(8)

Os níveis de magnésio na dieta têm diminuiu gradualmente nos Estados Unidos, onde no ano de 1900 a sua ingestão era de cerca de 500mg/dia e actualmente é cerca de 175-225mg/dia.(9) A National Academy of Sciences determinou que a maioria dos homens americanos obtêm cerca de 80% da dose diária recomendada (DDR) e as mulheres, uma média de 70%.(10)

Existem mais de 325 enzimas dependentes do magnésio no corpo humano que permitem que o magnésio funcione como um co-factor numa ampla gama de reacções metabólicas.(9)



Dada a prevalência de deficiência de magnésio, não se deve assumir que o seu consumo diário é suficiente, logo, devem ser tomadas medidas dietéticas para assegurar a sua correcta ingestão, através de alimentos como os vegetais de folhas verdes, cereais integrais, nozes e sementes.

Referências

 Larsson SC, Orsini N, Wolk A. ingestão de magnésio da dieta eo risco de AVC: uma meta-análise de estudos prospectivos. Am J Clin Nutr. 2012; 95 (2) :362-366.

1. Ma J, Folsom AR, Melnick SL, et al. Associations of serum and dietary magnesium with cardiovascular disease, hypertension, diabetes, insulin, and carotid arterial wall thickness: the ARIC study. Atherosclerosis Risk in Communities Study. J Clin Epidemiol. 1995;48:927-940.
2. Ohira T, Peacock JM, Iso H, Chambless LE, Rosamond WD, Folsom AR. Serum and dietary magnesium and risk of ischemic stroke: the Atherosclerosis Risk in Communities Study. Am J Epidemiol. 2009;169:1437-1444.
3. Song Y, Manson JE, Cook NR, Albert CM, Buring JE, Liu S. Dietary magnesium intake and risk of cardiovascular disease among women. Am J Cardiol. 2005;96:1135-1141.
4. Larsson SC, Wolk A. Magnesium intake and risk of type 2 diabetes: a meta-analysis. J Intern Med. 2007;262:208-214.
5. Dickinson HO, Nicolson DJ, Campbell F, et al. Magnesium supplementation for the management of essential hypertension in adults. Cochrane Database Syst Rev. 2006;3: CD004640.
6. Chacko SA, Sul J, Song Y, et al. Magnesium supplementation, metabolic and inflammatory markers, and global genomic and proteomic profiling: a randomized, doubleblind, controlled, crossover trial in overweight individuals. Am J Clin Nutr. 2011;93:463-473.
7. Soltani N, Keshavarz M, Dehpour AR. Effect of oral magnesium sulfate administration on blood pressure and lipid profile in streptozocin diabetic rat. Eur J Pharmacol. 2007;560:201-205.
8. Rayssiguier Y, Gueux E, Bussière L, Durlach J, Mazur A. Dietary magnesium affects susceptibility of lipoproteins and tissues to peroxidation in rats. J Am Coll Nutr. 1993;12:133-137.
9. Altura BM. Introduction: importance of Mg in physiology and medicine and the need for ion selective electrodes. Scand J Clin Lab Invest. 1994;54(217[Suppl]):5-9.
10. Institute of Medicine, Dietary Reference Intake for Calcium, Phosphorus, Magnesium, Vitamin D, and Fluoride, National Academy Press, Washington DC, 1997.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…