Avançar para o conteúdo principal

Folhas de framboesa (Rubus idaeus) para um parto mais suave

Pixabay
A Framboesa (Rubus idaeus) é nativa de várias partes da Europa e do Norte da América e tem sido usada como planta medicinal por conter vários princípios activos benéficos na gravidez, parto e amamentação.

As evidências sugerem que as folhas de Framboesa, ingeridas regularmente durante a gravidez e o trabalho de parto podem:

-       Atenuar os sintomas dos enjoos matinais;
-       Atenuar e previr o sangramento das gengivas que ocorre em muitas grávidas;
-       Auxiliar no nascimento do bebé e na explosão da placenta;
-       Acalmar as cãibras uterinas (Burn & Withell, 1941);
-       São fonte de Ferro, Cálcio, Magnésio e Manganês, contêm vitamina B1, B3 e E. O Magnésio é especialmente útil no alongamento dos músculos uterinos.

As folhas de Framboesa também são usadas para:
-       Aumentar a fertilidade;
-       Promover o aumento de leite materno
-       Ajuda a diminuir o sangramento excessivo após o parto;
-       Tratar a diarreia;
-       Regular o ciclo menstrual e diminuir os períodos com menstruação mais abundante
-       Alivia a garganta inflamada
-       Reduz a febre

O uso desta planta para fins medicinais data do 6º século e os seus benefícios no nascimento têm sido registados como prova na maternidade na maioria dos livros de Fitoterapia.

Têm sido feitas pesquisas sobre o efeito do consumo das folhas de Framboesa em animais e em mulheres na primeira semana pós-parto (Burn&Withell, 1941; Whitehouse, 1941).
Descobriu-se que as folhas de framboesa causam um efeito relaxante no útero. Acredita-se que esse efeito relaxante faz com que as contracções uterinas do parto se tornem mais coordenadas e mais eficientes, encurtando o trabalho de parto.
Também se assume que as mulheres que ingerem folhas de Framboesa durante o parto terão uma melhor 2ª e 3ª fase de parto. Como consequência, acredita-se que reduz o risco de sangramento pós-parto.

Três parteiras do Hospital Westmead em Sydney pesquisaram várias literaturas em busca de estudos acerca do uso das folhas de Framboesa e os seus efeitos no parto, mas não encontraram, assim, decidiram fazer os seus próprios estudos.

O 1º estudo que levaram a cabo foi um estudo observatório em mulheres que já ingeriam folhas de Framboesa na gravidez. Compararam-nas com mulheres que não ingeriam a planta. Eram 108 mulheres a participar no estudo (57 a tomar as folhas de Framboesa e 51 sem a sua ingestão).
Algumas mulheres começaram a ingerir folhas de Framboesa por volta das 8 semanas, e outras às 39 semanas. A maioria, começou entre as 28 e as 34 semanas de gestação.

As conclusões do estudo observatório sugeriu que as folhas de Framboesa podem ser consumidas por mulheres durante a gravidez com o propósito de diminuir o trabalho de parto sem efeitos secundários identificáveis tanto para a mãe como para o bebé. Um achado inesperado neste estudo foi o facto das mulheres no grupo das Folhas de Framboesa terem tido menos probabilidade de requerer uma ruptura das membranas de forma artificial, recorrerem a cesariana, a forcipes ou a ventosas do que as mulheres do grupo controlo.

Duas das Três parteiras originais (Myra Parsons e Michele Simpson) decidiram que o próximo passo seria fazer um estudo aleatório controlado, usando uma amostra maior, para reforçar os achados do estudo anterior.
          
Este 2º Estudo foi concluído no inicio do ano 2000. Parsons (2000) relatou que este 2º estudo demonstrou a segurança das cápsulas de folhas de framboesa (2.4gm/dia) ingerido a partir das 32 semanas de gestação até ao inicio do trabalho de parto. Não ocorreram efeitos adversos identificáveis tanto para a mãe como para o bebé.

A análise dos resultados sugeriu que as cápsulas de folhas de Framboesa encurtaram a 2ª fase do parto por uma média de 10 minutos mas que não houve diferença significativa no tempo de duração da 1ª fase de parto.

As cápsulas das folhas de Framboesa reduziram a incidência da ruptura artificial das membranas, dos forcipes e das ventosas no nascimento. Apesar da incidência reduzida destas intervenções não terem sido estatisticamente significativas, as investigadoras afirmam que os resultados obtidos foram “Clinicamente significativos”.

            ADMINISTRAÇÃO (Elaborado por Parsons (1999):
-       Saquetas de Chá:
1º Trimestre: 1 chávena por dia;
2º Trimestre: 2 chávenas por dia;
3º Trimestre: 4 a 5 chávenas por dia.
-       Folhas de Framboesa: 1 Chávena de água a ferver. Remover do lume e adicionar 1 colher de chá da planta. Tapar e deixar repousar durante 10 minutos.
2 a 3 chávenas por dia;

NOTA: As folhas de Framboesa geralmente são recomendadas por Naturopatas. Consulte um profissional antes da sua utilização.
            Muitos profissionais recomendam a sua ingestão a partir das 32/34 semanas de gestação e continuar durante o nascimento e amamentação.

Referências
  • Burn J. H. & Withell E. R. (1941). A principle in raspberry leaves which relaxes uterine muscle. The Lancet, July 5, pp. 1-3.
  • Thomas. C. L. (ed.). (1985). Taber’s cyclopedic medical dictionary 16th ed. F. A. Davis: Philadelphia.
  • www.botanical.com/botanical/mgmh/r/raspbe05.html
  • www.theholisticchannel.com/Herb/Red_Raspberry.htm (website no longer available).
  • Parsons, M. (1999). Raspberry leaf. Pregnancy, Birth and Beyond Newsletter, 1(2),  pp. 1-2.
  • Parsons, M. (2000). [Raspberry leaf]. Emailed report
  • Queensland Health. (1997). A health start in life: Nutrition for mother and child. Author: Coorparoo.
  • Whitehouse B. (1941). Fragrance: an inhibitor of uterine action. British Medical  Journal, Sept 13, pp. 370-371.
  • Wilson, M. (1993). Herbal tea consumption during pregnancy. Author: Wollongong.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…