Avançar para o conteúdo principal

Naturopatia como complemento ao transtorno do déficit de atenção com Hiperactividade (TDAH)

Este artigo foi originalmente escrito para a Associação Semear Saúde, pode ser consultado clicando neste LINK

O Transtorno do Défice de Atenção com Hiperactividade (TDAH) é uma condição física caracterizada pelo débil funcionamento e sub desenvolvimento de certas estruturas do cérebro, como os lobos frontais. Estes, por exemplo, encontram-se menos desenvolvidos e como tal são pouco eficientes na comunicação entre neurónios, no uso do glicogénio e oxigénio e na circulação sanguínea nesta parte do cérebro. E porque é que esta informação é relevante? Porque as principais funções dos lobos frontais prendem-se com a capacidade de estarmos atentos, na tomada de decisões, no planeamento, na organização, na resolução de problemas e no controlo das emoções.
Assim, podemos dizer que o transtorno do déficit de atenção e hiperactividade (TDAH) são condições neurológicas e comportamentais que dificultam a concentração, promovem a impulsividade e o excesso de energia. Para estas crianças (e alguns adultos), o desafio para se concentrarem e ficarem parados é enorme, ao ponto de lhes ser quase literalmente doloroso.
Ao contrário do que se supõe, o TDAH não é recente. As primeiras descrições sobre esta condição transportam-nos ao ano de 1798, quando o médico escocês Sir Alexander Crichton, descreveu um estado mental com as principais características do TDAH - inquietação, problemas de atenção, início precoce - e como isso afectava a capacidade de sucesso escolar.
Hoje em dia, infelizmente o TDAH é a condição psicológica mais diagnosticada nas crianças. O transtorno do déficit de atenção com hiperactividade é mais detectável no sexo masculino do que o feminino mas acredita-se que afecta ambos os sexos de igual forma e estima-se que 7 a 8% das crianças em Portugal num universo de cerca de 100mil crianças, recebam um diagnóstico de hiperactividade. Embora estes números sejam assustadores, as estatísticas também indicam que cerca de 40% das crianças diagnosticadas deixam de ter sintomas na adolescência, teoricamente porque o cérebro ao se desenvolver vai-se reajustando e retornando gradualmente ao padrão “normal” do desenvolvimento.
Quando, por algum motivo, se fala no TDAH é comum surgirem argumentos apontando como exclusivo problema a falta de educação que essas crianças receberam, o que nada mais é do que o fruto de alguma desinformação com uma pitada de algumas avaliações mal executadas que levam a que as crianças obtenham diagnósticos inconsistentes com o seu estado de graça.
A realidade é que a predisposição genética tem uma elevada responsabilidade mas isso não implica que o transtorno do déficit de atenção seja hereditário. O que é herdado é a alteração genética, a susceptibilidade biológica para uma maior dificuldade de atenção e auto-regulação. No entanto, nenhum factor pode, actualmente, ser responsabilizado de forma isolada, pois estamos perante uma condição multifactorial associada à interacção com diversos factores ambientais. Assim, assume-se que dentro deste contexto não existe uma única causa mas sim um conjunto de causas que na sua interacção ditam a manifestação e intensidade da condição clínica.
Alguns dos principais factores ambientais responsáveis pela mutação genética podem dar-se durante o período de gestação ou inicio de vida através de comportamentos de risco como o fumo do tabaco, drogas, álcool, metais pesados, químicos/pesticidas/adubos agrícolas, a exposição constante ao stress, traumas emocionais/físicos e principalmente a nutrição da mãe nos meses anteriores à concepção, durante a gestação e nos primeiros tempos de vida do bebé.
Ainda assim, a severidade dos sintomas pode variar muito de criança para criança, dependendo da dieta e do ambiente onde se encontra. São exemplos padrão a dificuldade de concentração e diminuição do foco, a distracção fácil, o tédio constante, a dificuldade na execução e finalização de tarefas de organização e um comportamento inquieto.

O tratamento actual mais comum para o TDAH é o uso de medicamentos como o Concerta® e a Ritalina® ambos os quais têm sido associados a pensamentos suicidas e alterações de personalidade. A Ritalina® é um estimulante do sistema nervoso central, que pode causar nervosismo, agitação, ansiedade, insónia, vómitos, aumento da frequência cardíaca e até psicose. O Concerta® é uma anfetamina altamente viciante em uso prolongado. Os efeitos colaterais incluem tremores, alucinações, espasmos musculares, batimentos cardíacos irregulares e oscilações de humor.
Com estes efeitos secundários, é fácil perceber o porquê de tantas pessoas procurarem complementos ao tratamento do transtorno do déficit de atenção com hiperactividade. A boa notícia é que a abordagem complementar naturopática a este distúrbio auxilia a vida da criança de forma bastante eficaz e sem efeitos colaterais. Mas como é que isso é possível? Simples!!
O trabalho do naturopata é “limpar o terreno” para auxiliar o corpo a voltar ao equilíbrio e com base nessa premissa, as principais ferramentas a que a naturopatia recorre é à nutrição, suplementação e estilo de vida. E porquê?
Porque o alimento é o combustível do nosso corpo, que ou nos beneficia ou nos prejudica e como é através dele que permanecemos vivos, é necessário identificar aqueles alimentos que condicionam a evolução positiva da criança com TDAH, como por exemplo os aditivos alimentares, dos que auxiliam a sua resolução como os alimentos ricos em vitamina B6 necessária ao corpo para a produção de neurotransmissores essenciais, incluindo a serotonina, a dopamina e a norepinefrina.
Porque a suplementação pode ajudar a suprimir algumas deficiências funcionais que a criança possa estar a evidenciar como a necessidade aumentada de Omega-3, nomeadamente EPA e DHA associados a questões de aprendizagem e comportamento.
Porque as alterações no estilo de vida são fundamentais para que a criança tenha um futuro próspero e essas alterações vão desde mudanças nos hábitos alimentares de forma a suprimir possíveis sensibilidades nutricionais até à implementação de hábitos regulares de exercício físico adequado à capacidade de foco da criança passando também pela higienização dos padrões educacionais dos pais, incentivando a uma abordagem positiva a nível disciplinar, apostando no reforço positivo em detrimento do negativo, que por sua vez aumentará a auto-estima da criança, criará um ambiente que apoia a criatividade, que estimula a aprendizagem e beneficiará o seu desenvolvimento emocional.

Com algumas alterações complementares, a nível da alimentação, suplementação e estilo de vida, a criança começará a abraçar a possibilidade de um dia a dia mais próspero e confiante ao invés de se sentir rejeitada. Mas ATENÇÃO, todas as alterações levam tempo, por isso a disciplina familiar é indispensável.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical: