Avançar para o conteúdo principal

O leite de vaca contribui para a obesidade infantil?

Créditos - Pixabay
Sabemos que os bebés amamentados encontram-se mais protegidos contra a obesidade numa fase mais tardia da vida - durante mais de 30 anos (J.Pediatr. 1981 Jun) - logo oferecer uma fórmula infantil baseada no leite de vaca a um bebé não é o nutriente mais adequado ao seu desenvolvimento.
O leite de vaca é produzido para aumentar quase 1 kg por dia o bezerro em crescimento, ou seja, cerca de 40 vezes a taxa de crescimento dos bebés humanos (Am J Hum Biol. 2012).

Todos nós sabemos que o alimento perfeito para os seres humanos é o leite materno. Notavelmente, entre todas as espécies de mamíferos, o teor de proteína do leite humano é o que apresenta uma percentagem mais baixa (J Obes. 2012). O teor excessivo de proteína presente na fórmula à base de leite de vaca encontra-se actualmente associado à obesidade na criança mais tarde na vida.
Mais ainda, a criança em vez de ser desmamada do "leite de outra espécie" à medida que cresce, como seria de esperar, continua a beber leite. A questão, portanto, é se o consumo de uma substância promotora de crescimento de outra espécie durante a infância altera fundamentalmente os processos de crescimento e maturação humanos. Um estudo da Universidade de Indiana, por exemplo, encontrou evidências de que um maior consumo de leite de vaca está associado a um maior risco de puberdade prematura (PLoS One. 2011). As raparigas que bebem muito leite começaram a ter os seus períodos mais cedo. Assim, o consumo de leite entre espécies e a sua ingestão na infância pode desencadear consequências não intencionais (e desconhecidas) (Am J Hum Biol. 2012).
Somente o leite humano permite a programação metabólica apropriada e protege contra doenças da civilização mais tarde na vida, enquanto que o consumo do leite de vaca e de outros produtos lácteos durante a adolescência e a idade adulta é um comportamento evolutivamente novo que pode ter efeitos adversos a longo prazo na saúde humana (Nutr J. 2013).

Os adolescentes expostos a proteínas lácteas, como a caseína, leite desnatado ou soro de leite, experimentaram um aumento significativo no IMC (índice de massa corporal) e na circunferência da cintura em comparação com o grupo controle (J Nutr. 2012).
Em contraste, nem um único estudo financiado pela indústria dos laticínios encontrou um resultado desfavorável ao leite (Physiol Behav. 2012). (humm...porque será?)

O chefe do Centro de Prevenção de Obesidade do Hospital Infantil de Boston e presidente do departamento de nutrição de Harvard escreveu ao JAMA’s Pediatrics journal questionando o papel do leite de vaca na nutrição humana (JAMA Pediatr. 2013). Em resposta afirmaram que: os seres humanos não têm necessidade de consumir leite de outros animais. Na verdade, o leite pode até mesmo desempenhar um papel nocivo em determinados tipos de cancro.

Informa-te e toma controlo da tua saúde!!




- Texto original: How Milk May Contribute to Childhood Obesity. http://nutritionfacts.org/2017/03/16/how-milk-may-contribute-to-childhood-obesity
- J Pediatr. 1981 Jun;98(6):883-7. Do breast-feeding and delayed introduction of solid foods protect against subsequent obesity? www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7229789
- Am J Hum Biol. 2012 Mar-Apr;24(2):130-8. doi: 10.1002/ajhb.22201. Epub 2011 Nov 28. Cow milk consumption, insulin-like growth factor-I, and human biology: a life history approach. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22121110
- J Obes. 2012;2012:197653. doi: 10.1155/2012/197653. Epub 2012 Mar 19. Excessive Leucine-mTORC1-Signalling of Cow Milk-Based Infant Formula: The Missing Link to Understand Early Childhood Obesity. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22523661
- PLoS One. 2011 Feb 14;6(2):e14685. doi: 10.1371/journal.pone.0014685. Milk intake and total dairy consumption: associations with early menarche in NHANES 1999-2004. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21347271
- Am J Hum Biol. 2012 Mar-Apr;24(2):130-8. doi: 10.1002/ajhb.22201. Epub 2011 Nov 28. Cow milk consumption, insulin-like growth factor-I, and human biology: a life history approach. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22121110
- Nutr J. 2013; 12: 103. Milk is not just food but most likely a genetic transfection system activating mTORC1 signaling for postnatal growth www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3725179
- J Nutr. 2012 Dec;142(12):2083-90. doi: 10.3945/jn.112.161208. Epub 2012 Oct 17. Skim milk, whey, and casein increase body weight and whey and casein increase the plasma C-peptide concentration in overweight adolescents. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23077192
- Physiol Behav. 2012 Aug 20;107(1):172-5. doi:10.1016/j.physbeh.2012.05.004. Epub 2012 May 11. Relationship between funding sources and outcomes of obesity-related research. www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22583858
- JAMA Pediatr. 2013 Sep;167(9):788-9. doi: 10.1001/jamapediatrics.2013.2408. Three daily servings of reduced-fat milk: an evidence-based recommendation? www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23818041

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

Mercúrio presente no marisco e no peixe aumenta risco para Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Um estudo recente em 518 pessoas constatou que elevados níveis de mercúrio no corpo associado ao consumo de peixe e marisco aumenta o risco de desenvolver a doença de Lou Gehrig (ELA), uma doença neurodegenerativa que leva à paralisia e à morte. Entender os factores de risco da esclerose lateral amiotrófica possibilita-nos realizar alterações no nosso estilo de vida, como por exemplo, evitar o consumo de peixes e moluscos, de forma a prevenir esta doença e diminuir a incidência a longo prazo.
Nota de pesquisa: Pesquisas epidemiológicas como essa podem revelar novos factores comportamentais humanos ou exposições ambientais que nos levam à doença. Estudos a nível da população também podem fornecer uma visão ampla de como a doença se desenvolve em seres humanos que não teria sido prontamente descoberto em estudos animais ou celulares.