Avançar para o conteúdo principal

Fibromialgia vs dieta vegetariana

São muitas as mulheres que sofrem de fibromialgia, uma condição caracterizada por meses de dor generalizada, fadiga, distúrbios do sono, depressão, ansiedade, pensamentos confusos, dores de cabeça, dor lombar entre outros sintomas. Esta condição tem um enorme impacto sobre a qualidade de vida de quem dela sofre pois impede a realização das actividades do quotidiano com a mesma leveza de quem não padece de fibromialgia. Para já a sua causa é desconhecida, não havendo de momento nenhum tratamento 100% eficaz mas existem rotinas, hábitos e comportamentos que podem ser adoptados de forma a minimizar os sintomas que tanto debilitam estas mulheres (e alguns homens).

De acordo com uma das últimas revisões sobre fibromialgia e nutrição, a dieta vegetariana pode oferecer alguns efeitos benéficos na manutenção dos sintomas. [Rheumatol Int. 2010] Em 1991, uma pesquisa foi enviada a centenas de pessoas que sofriam de várias condições de dor crónica, incluindo fibromialgia. Nesse questionário procurou-se saber se os pacientes haviam encontrado algum sucesso na redução das dores ao testarem diferentes tipos de dieta [Clin Rheumatol. 1991].

Algumas pessoas mudaram para uma dieta ovo-lacto-vegetariana, outras para um dieta vegetariana estrita entre vários outros tipos de dietas alimentares que as ajudaram no alivio da dor, rigidez e inchaço.
A alimentação vegetariana estrita foi a que conseguiu produzir uma maior redução dos sintomas da doença. O primeiro estudo formal acerca do impacto da alimentação vegetariana nas doenças reumáticas foi em 1993, onde dez pacientes com fibromialgia foram colocados numa dieta vegetariana durante três semanas. Os níveis de oxidação, inflamação e colesterol medidos diminuíram de forma significativa [Plant Foods Hum Nutr. 1993].
Mas o grande interesse de um ponto de vista clínico é o efeito que causa na diminuição da dor na maioria dos pacientes. Sete em cada dez sentiram-se melhor.

No ano 2000, em Helsínquia, os investigadores quiserem estudar o desenvolvimento dos sintomas dos doentes com fibromialgia quando estes faziam uso de uma dieta vegetariana estrita. Para efeitos do estudo, foi fornecido aos participantes uma dieta vegetariana estrita crua. Os pacientes reumáticos afirmaram sentir-se melhor enquanto se alimentavam à base de plantas cruas e piores quando retornavam para os seus padrões alimentares anteriores. [Toxicology. 2000]
O grupo dos pacientes com fibromialgia a consumir uma dieta de base vegetal crua também relatou uma diminuição significativa dos sintomas como melhoria na qualidade do sono, redução da rigidez matinal e melhoria nas medidas de saúde geral, mas que voltaram a agravar assim que retornaram à alimentação anterior ao estudo. [Scand J Rheumatol. 2000]


--> O estudo só durou três meses, mas pode-se concluir que adoptar uma alimentação de base vegetal produz efeitos benéficos sobre os sintomas de fibromialgia, pelo menos no curto prazo.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…