Avançar para o conteúdo principal

Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes.
Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.

Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis em gordura e geralmente mais abundantes em alimentos gordos, sendo que a sua absorção na corrente sanguínea é reforçada quando são consumidas com gordura.

A vitamina D ou a "vitamina do sol" é produzida pela nossa pele quando exposta à luz solar direta. Uma das principais funções da vitamina D é promover a absorção de cálcio e manter os seus níveis adequados no sangue, como consequência a sua deficiência está associada a perda de massa óssea. Assim, a vitamina D:
Melhora a absorção de cálcio dos alimentos que ingeres (Am J Clin Nutr. 2014 Mar).
Retira o cálcio dos ossos para executar funções necessárias, quando não consomes cálcio suficiente (Bonekey Rep. 2014 Feb). Por isso, manter os níveis adequados de cálcio no sangue é essencial.

A vitamina K encontra-se em abundância nas folhas verdes, nos fermentados, assim como em alguns alimentos de origem animal, como a gema do ovo e o fígado.
Esta vitamina é necessária para a coagulação do sangue e promove o acúmulo de cálcio nos nossos ossos e dentes. A grande diferença entre ambas é que enquanto a vitamina D garante os níveis sanguíneos adequados de cálcio no sangue, a vitamina K controla os locais onde esse cálcio é armazenado. Assim, a vitamina K:
Promove a calcificação do osso, ativando a osteocalcina, uma proteína que promove a acumulação de cálcio nos ossos e dentes (Haemostasis. 1986).
Reduz a calcificação dos tecidos moles, ativando a  matriz  da proteína GLA, o que evita o acúmulo do cálcio nos tecidos moles, como os rins e os vasos sanguíneos (Adv Nutr. 2012 Mar, Z Kardiol. 2001).

Neste momento, poucos são os estudos humanos controlados que têm investigado os efeitos dos suplementos de vitamina K na calcificação dos vasos sanguíneos (Am J Clin Nutr. 2009, Cochrane Database Syst Rev. 2015, Nutrients. 2015). A calcificação de vasos sanguíneos está envolvida no desenvolvimento de doenças crónicas, como doenças cardíacas e renais (- Ann Med. 2012; J Ren Care. 2009; Proc Natl Acad Sci U S A. 2003).

Vitamina K existe de várias formas, sendo tradicionalmente dividida em dois grupos:
Vitamina K1 (filoquinona): A forma mais comum de vitamina K. Encontra-se em plantas, nomeadamente folhas verdes como a couve e o espinafre.
Vitamina K2 (menaquinona): Forma encontrada principalmente em alimentos de origem animal e fermentados como o natto (fornece cerca de 1300mcg por cada 100g). A vitamina K2 é constituída por uma grande família de compostos, incluindo a menaquinona-4 (MK-4) e a menaquinona-7 (MK-7).
MK-4: Encontrado em alimentos de origem animal como fígado, gordura, gema de ovo e queijo.
MK-7: Formado por fermentação bacteriana e encontrado em alimentos fermentados, como natto, miso e chucrute. Também é produzido pelas bactérias intestinais (nutrition jrnl; Haemostasis. 2000).

As recomendações dietéticas atuais não distinguem entre a vitamina K1 e K2. Para as pessoas com 19 anos ou mais, a ingestão recomendada é de 90 mcg para mulheres e 120 mcg para homens (ncbi.nlm.nih.gov).

Em relação à suplementação, apenas recomendo em casos específicos, nomeadamente em casos de osteoporose ou carência de vitamina K, até porque deve-se ter em atenção as interações medicamentosas que a vitamina K, sob a forma de suplemento, tem com determinados medicamentos (Medicine (Baltimore), 2016).

Como podemos ver, ambas trabalham em sinergia para garantir um metabolismo eficaz do cálcio.

E agora? Podes tomar um suplemento de Vitamina D sem vitamina K?

Surgiu a preocupação de que uma elevada ingestão de vitamina D pode promover a calcificação de vasos sanguíneos e doenças cardíacas entre aqueles que possuem níveis baixos de vitamina K, preocupação esta que é parcialmente apoiada por algumas evidências.

Mas simplificando: a toxicidade por vitamina D pode causar calcificação dos vasos sanguíneos, enquanto a vitamina K pode ajudar a impedir que isso aconteça.
Embora estas evidências possam parecer suficientemente favoráveis, ainda há algumas dúvidas, pois apesar de sabermos que doses extremamente elevadas de vitamina D podem levar a perigosos níveis de cálcio e calcificação dos vasos sanguíneos, ainda não é claro se doses mais baixas de vitamina D são igualmente prejudiciais a longo prazo (Nephrol Dial Transplant. 2012; J Clin Endocrinol Metab. 2014).

Não existe nenhuma evidência suficientemente forte que demonstre que quantidades moderadas de vitamina D são prejudiciais sem que haja uma ingestão adequada de vitamina K sob a forma de suplemento. No entanto, as pesquisas estão em curso, e em breve poderemos vir a saber mais.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


O Mito da Proteína Combinada

Todos os nutrientes vêm do sol ou do solo. Os minerais provêm da terra e as vitaminas das plantas e dos microrganismos que crescem a partir deles.
Dito isto, volta a eterna questão. Onde posso obter a proteína? A proteína é composta por aminoácidos e entre eles existem 20 aminoácidos essenciais, o que significa que o nosso corpo não os consegue produzir, sendo essencial obtê-los a partir da alimentação. Mas os outros animais também não os produzem.
As proteínas provenientes das plantas (e micróbios) têm todos os aminoácidos essenciais.
O conceito de que a proteína vegetal é inferior à proteína animal surgiu devido a estudos realizados em ratos há mais de um século atrás. Os cientistas descobriram que os ratos bebés não tinha um crescimento adequado quando alimentados à base de plantas. Mas os ratos bebés também não crescem bem se forem alimentados com leite materno humano e porquê? Porque o leite do rato tem 10 vezes mais proteína do que o leite humano e porque os ratos têm um crescim…