Avançar para o conteúdo principal

Doenças Sexualmente Transmissíveis


As patologias sexualmente transmissíveis, são muito contagiosas e passam de ser humano para ser humano por contacto físico com as zonas infectadas ou através da transferência de fluidos, tanto a nível oral, vaginal como anal.
Encontra-se em homens e mulheres de qualquer nível social ou económico, apesar de incidir mais em adolescentes e jovens por serem habitualmente mais promíscuos. Apesar de não ser aconselhável causar alarme social o certo é que hoje existe a convicção errada de que estas estão controladas o que tem feito aumentar notavelmente o numero de pessoas afectadas. De facto, figuram entre as infecções que mais têm aumentado em todo o mundo nos últimos 30 anos, especialmente os casos de sífilis e gonorreia.
Podem ser causadas por diversos microorganismos sendo em alguns casos os sintomas são muito evidentes, mas não assim noutros o que só dificulta a sua detecção e diagnóstico. Embora a classificação das chamadas doenças sexualmente transmissíveis, são frequentemente limitadas a cinco patologias.

Sífilis
Patologia muito contagiosa provocada pela espiroqueta Treponoma pallidum. O período de incubação é de aproximadamente 3 semanas nas quais desenvolve-se uma lesão primaria nos gânglios linfáticos utilizando o sangue como meio de propagação.
A patologia inicia-se com o aparecimento de uma úlcera no local da inoculação. É indolor, mas desprende um liquido altamente contagioso. Este período dura aproximadamente de 8 a 12 semanas e denomina-se estado primário após o qual aparecem erupções cutâneas, úlceras na boca, inflamação dos gânglios linfáticos e sintomas de carácter mais generalizado que afectam diferentes, desde a pele até os ossos; Esta segunda fase pode durar anos. Nesta etapa podem-se produzir lesões no fígado, nos rins e nas meninges. Posteriormente, passa-se para uma fase latente, assintomática, mas ainda contagiosa, que pode durar anos e, inclusive, toda a vida.
Na terceira fase ou fase tardia, já não é contagiosa, mas aparecem sintomas que podem ser leves ou graves e podem afectar o coração e o sistema nervosos central.

Gonorreia
É causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae e frequentemente afecta a mucosa genital, rectal, oral e ocular, mas através do sangue pode infectar outras zonas.
Os seus sintomas são a presença de pus no fluido vaginal ou uretral, dor ao urinar, febre e dor pélvica. Na cavidade oral pode provocar Faringitis gonocócica e nos olhos Conjuntivitis gonorreica. apesar de não ser habitual, também pode comprometer as meninges, o endocárdio, as válvulas cardíacas e o fígado.

Herpes genital
É causada pelos tipos 1 e 2 do vírus herpes simplex. É uma patologia muito frequente e, embora, não seja muito grave, pode ocorrer complicações e servir de vector para outras patologias. A infecção inicia-se com o aparecimento de uma vesícula dolorosa que acaba por ulcerar. Pode aparecer febre e mal estar geral. Apesar dos sintomas e lesões desaparecerem após um período de tempo, o vírus permanece latente no indivíduo por toda a vida, reactivando-se devido a diferentes razões.

Infecção genital pelo Papiloma Vírus Humano
O Papiloma Vírus Humano pode afectar tanto o aparelho genital feminino como o masculino. Existem mas de 100 genótipos dos quais aproximadamente metade podem causar verrugas genitais (condiloma acuminado) ou afectar a estrutura celular do colo do útero (como os genótipos 6, 11, 16 e 18).
Um dos maiores problemas que apresentam, é o facto do seu período de incubação ser muito longo podendo aparecer a partir das seis semanas da inoculação até dois anos mais tarde.

Clamídia
Patologia causada pela bactéria Chlamydia trachomatis. Um dos problemas que apresenta é o facto de poder não apresentar sintomas perceptíveis e passar despercebida.
Se não for tratada pode provocar na mulher o que se chama de Patologia Inflamatória Pélvica (PIP) e esterilidade, e no homem Epididimitis. O seu contagio ocorre através de relações sexuais (anal, vaginal ou oral) mas também pode infectar através dos olhos que tenham estado em contacto com fluidos infectados e provocar uma patologia ocular denominada Tracoma.

Tricomoniasis
É uma infecção produzida por protozoários da espécie Trichomona vaginalis. A maior parte das vezes passa despercebida, principalmente nos homens, porque as suas manifestações clínicas são normalmente muito leves.
As mulheres, que são as mais afectadas, sofrem, por sua vez, de irritação, dor e exudato espumoso de colo verde ou amarelo. Apesar de os homens não apresentam sintomas podem transmitir a infecção.

Cancróide (úlcera mole/cancro mole)
Provocada pelo bacilo Haemophilus ducreyi que produz ulcerações muito dolorosas e adenopatías inguinais igualmente dolorosas e supurativas.
Estas lesões, apesar de serem tratadas, podem levar muito tempo a resolver. Os gânglios linfáticos formam nódulos de grande tamanho - até 5 cm - que acabam por abrir e supurar sendo às vezes muito destrutivos.

Linfogranuloma venéreo
Patologia causada por três subtipos da bactéria Clamydia trachomatis diferentes das que causam doença ocular (Tracoma) e nos genitais (Chlamydia comum). Afecta também os gânglios linfáticos formando nódulos dolorosos e com supuração, desenvolvimento de febre, mal-estar geral, etc.

Existem outras doenças que também devem considerar-se como a Sida – atribuída ao Vírus da Imunodeficiência Humana (VIH) - e a Candidíase. Existem também outras patologias associadas que embora não sejam propriamente doenças sexualmente transmissíveis devem valorizar-se igualmente uma vez que podem provocar e/ou transmitir doenças que podem comprometer seriamente a nossa saúde.
É o caso das doenças intestinais produzidas pelas salmonelas, as giardias e as amebas ou o vírus da hepatite A, mas também podemos apanhar infecções por parasitas de transmissão sexual como os que produzem sarna (Sarcoptes scabiei) e as siris (Pthirus pubis).
Para poder controlar a propagação das doenças de transmissão sexual é necessário educar a população em relação à prática sexual segura, principalmente, promovendo o uso do preservativo.
Obviamente o risco aumenta consideravelmente com a promiscuidade. E esse risco é cada vez mais alto.
Este tipo de patologias têm uma importância vital no “terreno”. Os micróbios patogénicos só podem actuar e desenvolver-se em “terrenos” propícios e isso, é o caso dos ambientes ácidos.

RECOMENDAÇÕES GERAIS

A melhor forma de evitar as doenças sexualmente transmissíveis é a sua prevenção. E o mais eficaz é não ser promíscuo ou, usar preservativos (tanto masculinos, como feminino). Mas deve-se saber que o contacto com verrugas genitais ou feridas também podem levar ao contagio sem necessidade de relações sexuais. De resto: mantenha sempre as mãos e unhas limpas; Depois de ter relações sexuais deve-se vazar a bexiga e lavar os genitais (as mulheres devem limpar-se sempre da frente para trás – o mesmo que ao defecar - para assegurar que não se infecta a uretra ou a vagina).
Devemos evitar tudo o que possa afectar negativamente o sistema imunitário: as radiações electromagnéticas, o tabaco, o álcool, o café, etc., assim como as emoções negativas e o stress; Fazer algum exercício diariamente e descansar suficientemente durante a noite, pois ajuda a estimular a síntese de mediadores imunes como a interleucina e o interferão. Evite roupas feitas com fibras sintéticas e/ou muito justas.

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES

- O consumo de alimentos crus – frutas e verduras - é vital porque contêm substâncias com actividade antibiótica, imunomoduladora e depurativa.
- Não ingerir leite nem derivados lácteos.
- Não consumir açúcares simples porque diminuem significativamente a capacidade dos leucócitos para eliminar bactérias e vírus.
- Não consumir gorduras animais nem ovos porque contêm ácido araquidónico, precursor directo das prostaglandinas PGE2, de reconhecida actividade inflamatória.
- Não ingerir nem alimentos processados, nem fritos, nem refinados, nem demasiado gordurosos.
- Siga uma dieta variada, rica em fibras e equilibrada. Moderada em proteínas mas mantendo uma proporção necessária para a síntese dos anticorpos.
- Beba muita água, especialmente importante quando a infecção apresenta-se com febre pois as perdas de líquido nesses casos são maiores e a eliminação de resíduos metabólicos realiza-se em melhores condições.
- Verificar os níveis de colesterol, triglicéridos e ácidos gordos livres porque o excesso inibe a actividade imunitária.

ALIMENTOS BENÉFICOS

- Óleos de sementes de primeira pressão a frio: Alguns ácidos gordos essenciais são necessários para a formação de anticorpos mas é preciso recordar que não se deve abusar destes óleos porque são facilmente oxidáveis.
- Acerola: É a fruta mais rica em vitamina C além de conter flavonóides (hesperidina e rutina) e ácidos orgânicos.
- Alho: Grande antibiótico natural graças ao seu conteúdo em óleo essencial cujo componente principal é a aliína, composto sulfurado que se transforma em aliicina. É activo no combate a numerosas bactérias, vírus, fungos e parasitas.
- Alfafa: Rica em minerais e oligoelementos que estimulam a síntese de anticorpos.
- Borragem: É sudorífica pelo que contribui para a eliminação de resíduos orgânicos.
- Cebola: A composição do seu óleo essencial é similar à do alho porque o seu componente principal é um isómero posicional da aliína. Também é muito rica em flavonóides, enzimas, fitoesteróis, etc.
- Açafrão/Cúrcuma: A curcumina tem uma actividade anti-inflamatória.
- Limão: Alimento imunoestimulante e alcalinizante de grande utilidade em todo o tipo de acções depurativas.
- Peixe azul: Está demonstrado que os ácidos gordos essenciais ómega 3 reforçam a imunidade.
- Alho francês: De composição semelhante à do alho tem também uma acção antibiótica mas mais suave.
- Rabanete: É rico em compostos sulfurados entre os quais destaca-se a rafanina, de grande poder antibiótico, antivíral e imunoestimulante. Contem peróxido difenil glioxal, uma substancia com actividade antivíral.
- Shiitake (Lentinus edodes): É um dos mais populares cogumelos orientais, em particular devido às suas propriedades medicinais. Contem vitaminas do grupo B, proteínas e minerais como todos os cogumelos mas têm sido destacados neste em particular algumas substancias com importante acção terapêutica entre as quais, destacam-se o lentinano – um polissacarídeo que estimula a produção de linfócitos - e alguns são indutores do interferão que actuam como antivírais.
- Tomate: Contém carotenóides e minerais de acção imunoestimulante.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

O Mito da Proteína Combinada

Todos os nutrientes vêm do sol ou do solo. Os minerais provêm da terra e as vitaminas das plantas e dos microrganismos que crescem a partir deles.
Dito isto, volta a eterna questão. Onde posso obter a proteína? A proteína é composta por aminoácidos e entre eles existem 20 aminoácidos essenciais, o que significa que o nosso corpo não os consegue produzir, sendo essencial obtê-los a partir da alimentação. Mas os outros animais também não os produzem.
As proteínas provenientes das plantas (e micróbios) têm todos os aminoácidos essenciais.
O conceito de que a proteína vegetal é inferior à proteína animal surgiu devido a estudos realizados em ratos há mais de um século atrás. Os cientistas descobriram que os ratos bebés não tinha um crescimento adequado quando alimentados à base de plantas. Mas os ratos bebés também não crescem bem se forem alimentados com leite materno humano e porquê? Porque o leite do rato tem 10 vezes mais proteína do que o leite humano e porque os ratos têm um crescim…