Avançar para o conteúdo principal

COMUNICADO À DGS - LEITE: SUPER ALIMENTO!?



 COMUNICADO 

LEITE: SUPER ALIMENTO!?

PAN exige esclarecimentos à DGS 

No passado dia 03 de Janeiro a Direcção-Geral de Saúde (DGS) emitiu um comunicado onde sugere as 10 medidas alimentares a adoptar pela população em 2013. 


Uma das decisões alimentares a adoptar em 2013, recomendada pela DGS, é o estimulo de consumo de leite e lacticínios: 

“Inclua leite e lacticínios nas pequenas refeições ao longo do dia. Apenas um copo de leite possui cerca de 28 % do cálcio necessário por dia para um adulto, 24 % da Vitamina D, 22% do fósforo...ou seja, o leite é um super alimento de baixo custo e facilmente disponível de manhã ou em qualquer hora do dia.” 

O Partido pelos Animais e pela Natureza (PAN), numa carta dirigida ao Dr. Francisco George (Secretário de Estado da DGS), discorda veemente desta informação veiculada pela DGS que contém enormes erros nutricionais cientificamente comprovados. O simples facto de definir o leite como um super alimento (!), revela uma total desactualização e ignorância em relação aos estudos que têm vindo a ser publicados de forma regular e consistente nas últimas duas décadas. 

Esses mesmos estudos revelam que o cálcio do leite de vaca é basicamente inútil. O leite tem conteúdo insuficiente de magnésio (11% do que seria necessário para a mesma quantidade de cálcio). Ao contrário do senso comum e daquilo que é normalmente informado, o consumo de leite, ao invés de prevenir, ocasiona descalcificação e osteoporose, pois pode levar à deficiência de magnésio, além de acidificar o sangue, fazendo com que o corpo retire cálcio dos ossos, aumentando a sua perda. As nações com mais alto nível de consumo de leite e de lacticínios também têm o maior nível de osteoporose. 


O cálcio que o nosso organismo necessita encontra-se bio-disponível nos alimentos de origem vegetal, pelo que praticando uma alimentação correcta e equilibrada estes aportam o referido mineral da forma correcta e sem consequências. Não nos querendo alongar, a sintetização de vitamina D e o exercício físico são outros dois factores complementares. 

O leite de vaca é um fluido insalubre, que contém uma gama ampla de substâncias inconvenientes. O seu consumo prolongado tem um efeito cumulativo prejudicial. Para além do mito do aporte de cálcio, o consumo de leite poderá estar, segundo vários estudos, na origem de algumas doenças, nomeadamente: 

- O consumo de leite nos primeiros anos de vida, após o período de lactância, aumenta as hipóteses de desenvolvimento de Diabetes do tipo 1; 

- Os lacticínios aumentam a libertação de insulina pelo pâncreas, o que pode causar resistência à insulina, que pode levar à diabetes, hipertensão, obesidade abdominal, síndrome do ovário policístico, cancro de mama, acne, entre outros problemas; 

- Estudos associam o consumo de leite ao surgimento de cancro dos ovários, testículos e próstata, Doença de Parkinson e Doença das Artérias Coronárias; 

- O consumo de leite piora os sintomas da Artrite Reumatóide; 

- Existe uma correlação muito forte entre o consumo de leite e a prevalência de Esclerose Múltipla; 

- O leite neutraliza o meio ácido intestinal, necessário para a absorção de vitaminas e minerais, além de favorecer a fermentação de microrganismos patogénicos; 

- O consumo de lacticínios leva a um aumento de substâncias inflamatórias e de pequenas calcificações; 


- O leite é um alimento congestionante e leva ao aumento da produção de muco no organismo; 

- As vacas leiteiras são mantidas constantemente grávidas, por isso o leite tem quantidades muito grandes de estrógeno e progesterona, podendo levar, por exemplo, à puberdade precoce; 

Sem prejuízo do atrás exposto, a produção de leite tem ainda um elevado impacto ambiental, sendo esta indústria extraordinariamente cruel para os animais que o produzem. 

Centenas de milhões de euros são investidos todo o ano pela Indústria de Lacticínios e pelos processadores de leite em todo o mundo, a que Portugal não é excepção, para assegurar que as pessoas bebam e consumam lacticínios. Invariavelmente, a publicidade dos produtos lácteos envolve sempre imagens que remetem para um conceito saudável, e/ou ambientes naturais idílicos, e/ou vacas leiteiras que sorriem ou vivem felizes. Tudo para adormecer e lavar as nossas consciências perpetuando o consumo destes não-alimentos. 

O PAN lamenta o aparente desconhecimento desta entidade governamental acerca dos malefícios deste “super alimento”, e condena a permeabilidade demonstrada ao perpetuar o discurso hegemónico do poderoso lobby da indústria dos lacticínios, servindo deste modo os seus interesses e não os dos cidadãos. 

Interpelamos assim o Senhor Director da Direcção Geral de Saúde, Dr. Francisco George, solicitando uma explicação pública para esclarecimento da população, sobre o incorrecto teor do ponto 3 e a posterior eliminação do comunicado divulgado no site da DGS. 

Por último, sugerimos uma breve lista com algumas publicações que comprovam os malefícios do consumo do leite e lacticínios: 

- “Devil in the Milk: Illness, Health and the Politics of A1 and A2 Milk”, de Keith Woodford 
- “Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases”, Relatório Técnico nº 916, OMS e FAO 
- “Don't Drink Your Milk! New Frightening Medical Facts About the World's Most Overrated Nutrient”, de Frank A. Oski MD 
- “Dr. Spock’s Baby and Child Care”, de B. Spock e R. Needlman 
- “Dr. Neal Barnard’s Program for Reversing Diabetes: The Scientifically Proven System for Reversing Diabetes Without Drugs”, de Neal Barnard 
- “Food Allergy: Adverse Reactions to Food and Food Additives”, de D. D. Metcalfe e Hugh Sampson 
- Galactolatria: mau deleite, de Sônia T. Felipe 
- “Hold the Cheese Please! A Story for Children About Lactose Intolerance”, de Frank J. Sileo 
- “Leite: alimento ou veneno”, de Robert Cohen 
- “Mad Cows and Milk Gate”, de Virgil M. Hulse

Lisboa, 08 de Janeiro de 2013 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…