Avançar para o conteúdo principal

As Cores dos Alimentos


As cores na alimentação são essenciais, devemos apostar na ideia de introduzir cor a todas as refeições:

Cor verde:
            Os alimentos de cor verde são bastante ricos em vitaminas antioxidantes, como as A, C e E, que protegem os tecidos e células do organismo, evitando, por exemplo, o envelhecimento precoce. A cor verde vem da clorofila, um pigmento essencial que permite às plantas converter os raios solares em energia e que é comum às folhas verdes. Também está relacionada com a cor verde do azeite, que é muito rico em antioxidantes. Além disso, as folhas verdes são ricas em ferro.
            As folhas e outros alimentos verdes também têm glucosinolatos, que fortalecem a imunidade, ajudando a prevenir o cancro.
            Fontes: Ervilhas, Feijão-verde, Kiwi, Couve, Salsa, Alface, Brócolos, Espinafres, Agriões, Coentros, Couve-de-bruxelas, Repolho, Couve-flor, Nabiças.

Cor Vermelha:
            Indica a presença de uma substância da família dos carotenóides, chamada licopeno. Este pigmento confere a cor a alimentos como o tomate, a melancia e todos os frutos vermelhos e é um dos carotenóides mais activos, particularmente na prevenção do cancro. Outros carotenoides, como o betacaroteno, são encontrados em alimentos como a cenoura, o pêssego, a manga, a abóbora e a papaia.
            Existe uma relação também importante entre um maior nível de carotenóides no tecido adiposo das pessoas e um menor risco de doença coronária.
            Fontes: Tomates, Melancia, Groselha, Pimento, Morango, Cereja, Framboesa.

Cor Laranja e Amarela:
            São ricos em betacaroteno, que é a pro-vitamina A, na forma vegetal de vitamina A. Esta vitamina está relacionada com a capacidade das pessoas para se habituarem à visão nocturna, e a sua falta pode provocar problemas de visão. Mas o betacaroteno actua principalmente junto às defesas naturais do organismo, pelo que protege de doenças que vão desde as mais simples constipações até problemas graves de saúde. Os citrinos, tipicamente amarelos e de cor laranja, são os grandes fornecedores de vitamina C, fundamental para prevenir gripes, estimular a imunidade, melhorar o aproveitamento do ferro de outros alimentos e promove a cicatrização de feridas.
            Fontes: Nectarinas, Papaia, Maracujá, Melão maduro, Tangerina, Laranja, Pêssego, Abóbora, Cenoura, Abacate, Ananás, Milho, Manga.

Cor Branca:
            Os alimentos de cor branca, em particular os frutos cujo interior é branco, são, ao contrário do que se poderia pensar, dos mais ricos em antioxidantes.
            A Maçã e a Pêra, por exemplo, contêm óptimas quantidades de vitamina C e de outros antioxidantes.
            O alho e a cebola têm organosulfidos, que estimulam a imunidade e, ao que tudo indica, reduzem o risco de cancro, porque também exercem uma atividade antioxidante. A alicina do alho é responsável pelas suas propriedades antibióticas.
            Fontes: Maçã, Cebola, Alho, Pêra, Endívia, Cogumelos, Abacate, Pepino com casca.

Cor Violeta/Azuis-escuros:
            Contêm muito boa quantidade de compostos fenólicos ou bioflavonóides, que são dos mais importantes antioxidantes, além do ácido elágico, cujas propriedades anti-radicais livres já foram demonstradas. As uvas são bons exemplos desse grupo de alimentos e, particularmente, a sua pele, que contém substâncias capazes de provocar uma redução dos níveis de colesterol. Os alimentos desta cor são ainda bons fornecedores de alguns minerais, como o magnésio e o ferro, e de outros antioxidantes menos conhecidos, como as antocianinas. Estes últimos compostos são particularmente abundantes nos mirtilos.
            Fontes: Ameixa, Beringela com casca, Uva, Couve-roxa, Beterraba, Mirtilos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…