Avançar para o conteúdo principal

Sabes o que os alimentos processados fazem à inteligência d@ teu filh@?

Existe um impacto visível da nutrição no potencial desenvolvimento da doença de Alzheimer e outros distúrbios cognitivos da 3ª idade.

Também se sabe que verduras, bagas e outros alimentos vegetais reduzem o seu risco enquanto produtos de origem animal e alimentos processados aumentam-no.

No entanto, os efeitos danosos das comidas pouco saudáveis no cérebro ocorrem durante toda a vida. As pesquisas sugerem que a típica alimentação infantil como os hambúrgueres, as massas, as salchichas, a pizza, os nugets, as batatas fritas, os cereais industriais de pequeno-almoço, os doces e as bebidas açucaradas têm um impacto negativo no processo de aprendizagem e na performance escolar.

Nós, como pais, andamos escalfados porque queremos o melhor para os nossos filhos e comprometemo-nos a apoiá-los em todos os seus feitos académicos. Damos das tripas e coração para que tenham uma boa educação, no entanto, será que nos questionamos sériamente acerca da alimentação que lhes fornecemos como tendo impacto no seu desenvolvimento escolar?

O cérebro dos nossos pimpolhos necessita de ferramentas adequadas à aprendizagem logo desde o berço.
A amamentação, por exemplo, providencia uma nutrição rica em DHA para o desenvolvimento cerebral adequado e quando se adicionam alimentos sólidos, a sua qualidade nutritiva é de uma importância crucial para a continuação de um desenvolvimento saudável.

Vários são os estudos que têm demonstrado que os padrões alimentares na infância afectam o QI anos mais tarde. Num dos estudos, o consumo de uma grande quantidade de frutas e vegetais durante a introdução dos alimentos sólidos esteve associado a um maior QI e melhor memória avaliado aos 4 anos de idade ( J. Child Psychology Psychiatry, 2009). Num outro estudo, crianças que regularmente consumiam bolachas, chocolates e outros doces, refrigerantes e batatas fritas durante os primeiros 2 anos de vida apresentaram uma diminuição do QI aos 8 anos quando comparado a crianças que não consumiram esses alimentos. [Eur J. Epidemiol 2012]
A nutrição durante esse período de formação tem um efeito significativo a longo prazo, fornecendo “blocos” para construir o cérebro que está a crescer. O cérebro é muito susceptível ao stress oxidativo por isso uma dieta saudável rica em antioxidantes é especialmente benéfica.

O momento para começares a dar ao teu filho uma alimentação saudável é AGORA. Uma dieta rica em verduras, fruta, vegetais, leguminosas, sementes e oleaginosas é o caminho mais fácil para assegurar que a tua criança recebe todos os fitoquímicos, antioxidantes, ácidos gordos e outros micro e macronutrientes para que suprima adequadamente todas as necessidades fisiológicas para o seu crescimento e aprendizagem constante.

Fontes:
1-     Otsuka M, Yamaguchi K, Ueki A. Similarities and diferences between Alzheim´s disease and vascular dementia from the viewpoint of nutrition. Ann NY Acad Sci 2002; 977:155-161.
2-     Morris MC, Evans DA, Bienias JL, et al. Dietary fats and the risk of incidente Alzheimer disease. Arch Neurol 2003; 60:194-200.
3-     Joseph JA, Shukitt-Hale B, Willis LM. Grape juice, berries and walnuts affect brain aging and behavior. J Nutr
4-     Devore EE, Kang JH, Breteler MM, et al. Dietary intakes of berries and flavonoids in relation to cognitive decline. Ann Neurol 2012.
5- University of Southern california: U.S. education spending and performance vs. The world. (infographic).  http://rossieronline.usc.edu/.edu/u-s-education-versus-the-world-infographic/.
6-     Gale CR, Martyn CN, Marriott LD, et al. Dietary patterns in infancy and cognitive and neuropsychological function in chilhood. J Child Psychol Psychiatry 2009; 50:816-823.
7-     Smithers LG, Golley RK, Mittinty MN, et al. Dietary patterns at 6, 15 and 24 months of age are associated with IQ at 8 years of age. Eur J. Epidemiol 2012; 27:525-535.

                                                     Livro “Nascer e CrescerVegetariano


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical: