Avançar para o conteúdo principal

Gordura Visceral...Sabes o perigo que carregas?

A gordura visceral é o acúmulo de tecido adiposo intra-abdominal em excesso, ou seja, é a gordura profunda do tipo gel, que envolve os principais órgãos, incluindo o fígado, o pâncreas e os rins.

Este tipo de gordura é particularmente perigosa porque as células mudam a forma como o corpo funciona aumentando o risco de:
  • Doenças cardiovasculares
  • Cancro
  • Demência
  • Diabetes
  • Depressão
  • Distúrbios de sono
  • Artrite
  • Obesidade
  • Disfunção sexual
Assim, é considerada tóxica porque desencadeia processos inflamatórios que podem interferir com o equilíbrio hormonal do corpo. O próprio tecido da gordura age como órgão de bombear hormonas e substâncias inflamatórias, o que faz com que armazenes o excesso de gordura em torno dos órgãos e com que o teu corpo aumente a produção de substâncias químicas pró-inflamatórias (citoquinas), que levam à inflamação. Ao mesmo tempo, interferem com as hormonas que regulam o apetite, o peso, o estado de espírito e a função cerebral.
Para evitar o acúmulo de gordura perigosa, o teu corpo, através de determinadas substâncias químicas, diz-te quando tens ou não fome. Este sistema de comunicação químico é o responsável por te manter num peso saudável ou tornar-te mais suscetíveis ao aumento de peso e armazenamento de gordura visceral.
O apetite e controlo do humor são equilibrados pela insulina, que por sua vez equilibra os níveis de açúcar no sangue, trazendo-os para baixo depois de comermos uma refeição com elevado teor de açúcares ou hidratos de carbono. Ao mesmo tempo, a insulina também é responsável pelos depósitos de gordura corporal, incluindo a gordura visceral profunda.
Quando há excesso de glicose no sangue e nas células, esta é armazenada como gordura. Isso acontece mais facilmente quando consumimos hidratos de carbono processados e alimentos açucarados, resultando num aumento de peso e de apetite. Isto leva a excessos e, por sua vez, a um ciclo vicioso que faz com que seja difícil parar de comer. Quanto mais vezes e mais tempo os níveis de insulina no sangue permanecerem elevados, maior o acúmulo de gordura corporal.

Mas qual o verdadeiro risco de ter níveis elevados de gordura visceral?

• Torna-se desafiante eliminar o peso: o metabolismo é fortemente regulado pelo nível de gordura armazenada. Esta influencia o nosso apetite e leva-nos a comer demais devido a alterações hormonais que ocorrem. Níveis mais elevados de insulina também promovem a conversão mais eficiente das nossas calorias em gordura corporal, de modo que este ciclo vicioso continua.
Quando comes hidratos de carbono refinados, como farinha branca e açúcar, as hormonas que armazenam gordura são produzidas em excesso, elevando o ponto de harmonia e tornando difícil seguir uma dieta saudável com moderado teor calórico.
• Aumenta os níveis de inflamação no corpo: a gordura visceral produz moléculas hormonais e inflamatórias que são encaminhadas diretamente para o fígado, levando a mais inflamação e reações de desregulação hormonal. A gordura visceral faz mais do que apenas levar à inflamação. Torna-se inflamada, produzindo algo conhecido como interleucina-6, um tipo de molécula inflamatória. Este tipo de gordura armazena glóbulos brancos inflamatórios e dá início a uma série de reações autoimunes. A inflamação é a raiz da maioria das doenças e é por isso que a gordura visceral está interligada ao declínio cognitivo, artrite, diabetes e assim por diante.
• Aumenta a probabilidade de desenvolveres Diabetes: a gordura visceral desempenha um papel importante na resistência à insulina, o que significa que existe um risco aumentado de desenvolver diabetes.
• Aumenta a probabilidade de desenvolveres doenças cardiovasculares: as citocinas inflamatórias produzidas pela gordura, são os principais responsáveis pelas doenças cardiovasculares e outras doenças inflamatórias. Quando o corpo está inflamado, o fígado fica sobrecarregado, o que leva à formação de placas nas artérias. A gordura visceral está, assim, associada ao aumento do risco de marcadores de doenças cardiovasculares, como níveis elevados de triglicerídeos, de pressão arterial e de colesterol.
• Aumenta a probabilidade de desenvolveres demência: existe uma forte relação entre a obesidade, a doença vascular, a inflamação e o declínio cognitivo, incluindo demência. Quanto mais gordura abdominal (relação cintura-anca), maior o impacto negativo sobre o centro de memória do cérebro (hipocampo).
Os resultados de um estudo de 2010 feito pelo Departamento de Cardiologia no Hospital Oita da Cruz Vermelha no Japão, revelaram que os níveis elevados de gordura visceral em pacientes não dementes com diabetes tipo 2 eram caraterizados por (i)alterações anormais no volume do hipocampo e na resistência à insulina.
• Aumenta a probabilidade de desenvolveres depressão e distúrbios de humor: num estudo de 2014 conduzido pela Escola de Medicina da Universidade de Boston encontraram uma associação entre os sintomas (ii)depressivos e a adiposidade visceral em adultos de meia-idade. Os resultados mostraram que, quanto mais elevados os níveis de tecido adiposo visceral armazenados, maior a probabilidade de sofrer depressão.

Entende que qualquer barriga grande representa um risco e não é saudável. Mulheres com uma cintura superior a 89cm e homens com a cintura maior que 102cm, têm um risco aumentado de desenvolver várias doenças. Como tal, devem reduzir os seus depósitos de gordura. Mas como?

• Reduz o stress: a importância do lazer e da conexão social é muitas vezes subvalorizada quando se trata de eliminar gordura. O stress desencadeia a produção de cortisol e interfere com o controle do apetite, do metabolismo, do sono e dos apetites.
As plantas adaptogénicas, neste caso, são uma grande ajuda quando queremos reduzir o cortisol, assim como outras técnicas que incluem a meditação, a exposição solar, os passeios na natureza, o exercício e a leitura.
• Reduz o açúcar e os hidratos de carbono refinados: consumir açúcar e hidratos de carbono refinados provoca picos de insulina, assim, reduzir a ingestão destes produtos é o primeiro passo para reequilibrar o sistema hormonal e reduzir a gordura.
Usa adoçantes naturais saudáveis (ex. tâmaras, passas, figos secos); consome uma abundância de alimentos fermentados e aumenta as gorduras saudáveis, são soluções que te podem ajudar porque têm efeitos benéficos sobre o equilíbrio da insulina e do sistema hormonal, levando à progressiva eliminação do excesso de peso.
• Dá prioridade ao sono: um bom descanso redefine as nossas hormonas do stress, aumenta o nosso metabolismo e mantém os apetites à distância.
Para obteres um sono mais restaurador, experimenta usar óleos essenciais relaxantes antes de dormir, evita o excesso de cafeína e certifica-te de que estás a dormir num quarto escuro e fresco.




i) www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19683583
ii) www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3748158

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

Mercúrio presente no marisco e no peixe aumenta risco para Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Um estudo recente em 518 pessoas constatou que elevados níveis de mercúrio no corpo associado ao consumo de peixe e marisco aumenta o risco de desenvolver a doença de Lou Gehrig (ELA), uma doença neurodegenerativa que leva à paralisia e à morte. Entender os factores de risco da esclerose lateral amiotrófica possibilita-nos realizar alterações no nosso estilo de vida, como por exemplo, evitar o consumo de peixes e moluscos, de forma a prevenir esta doença e diminuir a incidência a longo prazo.
Nota de pesquisa: Pesquisas epidemiológicas como essa podem revelar novos factores comportamentais humanos ou exposições ambientais que nos levam à doença. Estudos a nível da população também podem fornecer uma visão ampla de como a doença se desenvolve em seres humanos que não teria sido prontamente descoberto em estudos animais ou celulares.