Avançar para o conteúdo principal

Probiótico oral na redução das infecções de ouvido e garganta em crianças e adultos





Um grupo de investigadores italianos confirmou que uma determinada espécie probiótica oral reduz significativamente as infecções de ouvido e de garganta em crianças e adultos com infecções recorrentes.






Num estudo de 2013, publicado no Journal of Expert Opinion sobre terapia biológica da Informa Healthcare, os pesquisadores estudaram 40 adultos que tinham um historial frequente de infecções de garganta por estreptococo e/ou amigdalite. [Expert Opin Biol Ther. 2013 Mar]

Eles foram divididos em dois grupos de 20 adultos.
Durante 90 dias, um grupo recebeu um suplemento probiótico oral (marca europeia = Bactoblis®) com Streptococcus salivarius K12. O outro grupo não foi tratado.
Os pesquisadores seguiram cada paciente por 6 meses após o período de tratamento de 90 dias.

O produto Bactoblis é um comprimido de libertação lenta com 5 bilhões de CFU (unidades formadoras de colónias) de Streptococcus salivarius K12.

No fim do estudo, o grupo controle não obteve nenhuma alteração, enquanto que o grupo a tomar o probiótico oral apresentou uma diminuição de 80% na faringite estreptocócica e na amigdalite.
Durante os 6 meses após o período de tratamento, o grupo a tomar o probiótico oral teve menos 60% de incidências de infecções de garganta do que o grupo de controlo.

Durante todo o período de investigação não foram observados efeitos secundários nem abandono no grupo de probióticos orais.

Os pesquisadores concluíram que "a administração profilática de Streptococcus salivarius K12 a adultos com história de patologia estreptocócica oral recorrente reduziu o número de episódios de infecções estreptocócicas faríngeas e/ou amigdalites".



Um outro estudo de 2012 publicado no International Journal of General Medicine, estudou a capacidade de prevenção dos probióticos em 82 crianças com idades entre os 4 e os 5 anos. Das 82 crianças, 65 haviam sido recentemente diagnosticados com uma otite média (infecção estreptocócica) e/ou infecções da garganta (estreptococo e/ou amigdalite). [Int J Gen Med. 2012]

Os investigadores deram a 45 das crianças diagnosticadas o probiótico oral Bactoblis, o mesmo com Streptococcus salivarius K12, deixando 20 das crianças diagnosticados sem tratamento e as restantes 17 que não haviam sido diagnosticadas com qualquer infecção como grupo controle adicional.
Cada uma das 45 crianças recebeu um comprimido por dia do produto Bactoblis com Streptococcus salivarius K12 durante 90 dias.

Entre os 45 que iniciaram o estudo, 41 crianças completaram o período de tratamento de 90 dias e o seguimento de 6 meses. As 41 crianças tiveram uma redução de 90% nas infecções de garganta. Entre aquelas com infecções de ouvido recorrentes houve uma redução de 40%.

Os investigadores concluíram que "a administração profilática de S. salivarius K12 a crianças com história de patologia estreptocócica oral recorrente reduziu os episódios de infecções faríngeas estreptocócicas e/ou amigdalites, bem como episódios de otite média aguda".




·   Di Pierro F, Adami T, Rapacioli G, Giardini N, Streitberger C. Clinical evaluation of the oral probiotic Streptococcus salivarius K12 in the prevention of recurrent pharyngitis and/or tonsillitis caused by Streptococcus pyogenes in adults. Expert Opin Biol Ther. 2013 Mar;13(3):339-43.

-->
·   Di Pierro F, Donato G, Fomia F, Adami T, Careddu D, Cassandro C, Albera R. Preliminary pediatric clinical evaluation of the oral probiotic Streptococcus salivarius K12 in preventing recurrent pharyngitis and/or tonsillitis caused by Streptococcus pyogenes and recurrent acute otitis media. Int J Gen Med. 2012;5:991-7.
-->

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…