Avançar para o conteúdo principal

Cacau Cru: Um Super Alimento

Retirada da Web
O Cacau Cru, é considerado por muitos o alimento mais completo do planeta, com uma enorme presença de antioxidantes e flavonoides, muito mais completo do que o vinho tinto ou o chá verde.

A presença do Cacau Cru na civilização é bastante antiga e dada a sua enorme importância para os seres humanos, no tempo dos Maias e dos Astecas era usada como moeda de troca. Iniciando-se nessa altura a sua forte presença na alimentação humana, sendo referenciada muitas vezes como um bem alimentar essencial para uma dieta rica e equilibrada.



De acordo com um estudo publicado no Chemistry Central Journal as sementes de cacau fornecem um valor nutritivo superior à sua composição nutricional. 
Neste estudo, o objectivo foi comparar o cacau em pó e os seus derivados com sumos de frutos considerados também como super alimentos, nomeadamente o açaí, os mirtilos, as amoras e a romã. 
As variáveis analisadas dizem respeito à capacidade antioxidante e conteúdo em polifenóis e flavonóides totais.
Entre os vários frutos que foram testados, o cacau em pó foi a fonte com maior poder antioxidante, teor de polifenóis e flavonóides. 

De destacar também que ao contrário da opinião popular, o cacau é uma fonte pobre de cafeína. A amêndoa de cacau in natura contém aproximadamente vinte vezes menos cafeína do que o café.
Em fevereiro de 2008, o Dr. Gabriel Cousens descobriu, em testes clínicos com pessoas saudáveis, que o cacau natural não eleva o nível de açúcar no sangue, como ocorre com as bebidas contendo cafeína. Na verdade, o Dr. Cousens descobriu que o cacau natural interfere menos nos níveis de açúcar no sangue que qualquer outro alimento.

Existem muitas formas de ingerir o cacau, no entanto na maior parte delas as suas propriedades especiais são destruídas através do seu cozimento, daí que o cacau cru é muito mais aconselhado, pois é ingerido na sua forma natural: cru. 

O cacau cru é fonte dos seguintes nutrientes:

Magnésio: o cacau cru contém mais magnésio do que qualquer outro alimento. O Magnésio é um dos grandes minerais alcalinos. Ele auxilia no funcionamento do coração, cérebro e sistema digestivo. É também importante para o desenvolvimento da estrutura óssea. Provavelmente uma das primeiras razões para o desejo das mulheres durante o ciclo menstrual.
O Magnésio contribui para o balanço químico do cérebro, construção óssea e é associado ao aumento da felicidade.
Mais de 80% da população americana tem deficiência crónica de magnésio. O Cacau tem magnésio suficiente para reverter a ausência deste mineral.

Ferro: o cacau natural contém 314% da dosagem diária de ferro recomendada pelo governo americano (U.S RDA) em cada 28 gramas.

Cromo: Importante mineral que ajuda a equilibrar o açúcar no sangue. Quase 80% dos americanos são deficientes neste oligoelemento. O cacau natural tem cromo suficiente para ajudar a reverter esta deficiência.

Anandamida (n-arachidonoylethanolamina): É uma endorfina que o corpo humano fabrica naturalmente após exercício físico. A Anandamida foi encontrada apenas numa planta: no Cacau.
Anandamida deriva da palavra “ananda” (estado de felicidade perfeita) e é conhecida como “the bliss chemical”, porque é libertada quando nos sentimos entusiasmados.
O Cacau contém enzimas inibidoras que diminuem a capacidade do organismo de quebrar a anandamida, ou seja, quando comemos cacau cru, a anandamida do cacau faz aumentar o tempo de sensação de felicidade.

Theobromina: o cacau cru contém cerca de 1% theobromina. Theobromina é uma substância bactericida, muito eficiente na eliminação do Streptococcus mutans, o principal organismo que provoca cáries dentárias. Theobromina é uma substância química parente da cafeína, mas que não é estimulante do sistema nervoso. A Theobromina dilata o sistema cardiovascular tornando o trabalho mais fácil para o coração.

Antioxidantes: o cacau contém a maior concentração de antioxidantes que qualquer outro alimento. Estes incluem polifenóis antioxidantes, catequinas, e epicatequinas. Em peso, o cacau tem mais antioxidantes do que o vinho tinto, mirtilos, açaí, romã e goji combinados.
Pesquisadores da equipa do Dr. Chang Y. Lee (chairman of the Department of Food Science and Technology at Cornell University's New York State Agricultural Experiment Station in Geneva, N.Y.) concluíram que o cacau, entre todos os outros alimentos, é o líder em termos de compostos antioxidantes.

O Cacau também contém outros micronutrientes importantes:

Manganês: o Manganês ajuda o ferro na oxigenação do sangue e na formação da hemoglobina.

Zinco: o zinco desempenha um papel crítico no sistema imunitário, fígado, pâncreas e na pele. Adicionalmente, o zinco está envolvido em milhares de reacções enzimáticas em todo o organismo.

Cobre: o cobre é encontrado naturalmente em plantas, associado à vitamina C.

Vitamina C: Apenas contém vitamina C no seu estado cru.

Ácido Gordo omega 6: o cacau cru contém omega 6 que após cozinhado e processado contém omega 6 oxidado (gordura trans) estando na origem de diversas reacções inflamatórias.

Feniletilamina (PEA): é encontrado em abundância no cacau cru. É sensível ao calor, por isso se perde a Feniletilamina no cozimento e processamento industrial do chocolate. PEA é a substância que produzimos quando nos apaixonamos. A PEA também desempenha um papel importante no aumento da capacidade de atenção e concentração.

Serotonina: é o principal neurotransmissor do corpo humano. A Serotonina é similar na sua formula química ao triptofano e melatonina, sendo considerada a hormona da felicidade.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

Mercúrio presente no marisco e no peixe aumenta risco para Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Um estudo recente em 518 pessoas constatou que elevados níveis de mercúrio no corpo associado ao consumo de peixe e marisco aumenta o risco de desenvolver a doença de Lou Gehrig (ELA), uma doença neurodegenerativa que leva à paralisia e à morte. Entender os factores de risco da esclerose lateral amiotrófica possibilita-nos realizar alterações no nosso estilo de vida, como por exemplo, evitar o consumo de peixes e moluscos, de forma a prevenir esta doença e diminuir a incidência a longo prazo.
Nota de pesquisa: Pesquisas epidemiológicas como essa podem revelar novos factores comportamentais humanos ou exposições ambientais que nos levam à doença. Estudos a nível da população também podem fornecer uma visão ampla de como a doença se desenvolve em seres humanos que não teria sido prontamente descoberto em estudos animais ou celulares.