Avançar para o conteúdo principal

Suplementação nas dislipidemias

A dislipidémia corresponde a uma alteração das gorduras do organismo, podendo-se referir aos diversos tipos de colesterol, triglicerídeos e lipoproteínas.

As dislipidemias são responsáveis por doenças cardiovasculares (aterosclerose, AVC, doença coronária,…) e estas são as principais causas de morte em Portugal.

No European Heart Journal de 2011 vêm descritas directrizes para o tratamento das dislipidemias, onde reforçam as alterações ao estilo de vida como a abolição do tabagismo, prática de exercício físico diário, exclusão do consumo de açúcar, eliminação de gordura hidrogenada (trans) e perda de peso. 

Nas mesmas directrizes é referido que “Os Nutracêuticos podem ser utilizados como alternativa aos fármacos antidislipidémicos”. Os nutracêuticos são substâncias naturais que apresentam valor terapêutico e que podem beneficiar a saúde. Sendo que os que melhores resultados apresentam são:

Arroz Vermelho Fermentado – é um pigmento fermentado muito usado nos países orientais como corante, intensificador de sabor e também como medicamento. A chamada levedura vermelha do arroz é uma substância extraída de arroz que é fermentado com uma levedura (Monascus purpureus). O seu mecanismo é semelhante às Estatinas (família de medicamentos para baixar o colesterol). Estudos já demonstraram diminuição do colesterol total e do colesterol LDL com esta suplementação.

Policosanol – é uma mistura de álcoois alifáticos de cadeia longa, extraídos da cana do açúcar. A sua suplementação diminui o colesterol total e LDL, aumentando o colesterol HDL, diminui a oxidação do colesterol LDL e a agregação plaquetária. O efeito ocorre no fígado e directamente no metabolismo dos lípidos. Os estudos mais recentes referem também um papel anti-inflamatório do policosanol.

Extracto de Gugull – é um extracto da planta Commiphora wightii. É a partir da resina desta planta que se extrai a goma Gugull. Esta planta é usada há séculos pela medicina Ayurveda e é originária da Índia. Muito usada para casos de colesterol elevado e aterosclerose. As gugulesteronas são os compostos activos.

Niacina - ou Vitamina B3 actua essencialmente no aumento do colesterol HDL (bom colesterol) mas também na diminuição dos triglicerídeos.

1. Direcção geral de saúde [homepage]. Disponível em: http://www.dgs.pt/ 
2. European Heart Journal (2011) 32, 1769–1818. 
3. Liu S, Tan MY, Zhao SP, Rong H. Effects of policosanol on serum lipids and heme oxygenase-1 in patients with hyperlipidemia. Zhonghua Xin Xue Guan Bing Za Zhi. 2012 Oct;40(10):840-3.
4. Banerjee S, Ghoshal S, Porter TD. Activation of AMP-kinase by policosanol requires peroxisomal metabolism. Lipids. 2011 Apr;46(4):311-21. 
5. Marinangeli CP, Jones PJ, Kassis AN, Eskin MN. Policosanols as nutraceuticals: fact or fiction. Crit Rev Food Sci Nutr. 2010 Mar;50(3):259-67. 
6. Affuso F, Ruvolo A, Micillo F, Saccà L, Fazio S. Effects of a nutraceutical combination (berberine, red yeast rice and policosanols) on lipid levels and endothelial function randomized, double-blind, placebo-controlled study. Nutr Metab Cardiovasc Dis. 2010 Nov;20(9):656-61.
7. Lu Z, Kou W, Du B, Wu Y, Zhao S, Brusco OA, Morgan JM, Capuzzi DM, Li S; Chinese Coronary Secondary Prevention Study Group. Effect of Xuezhikang, an extract from red yeast Chinese rice, on coronary events in a Chinese population with previous myocardial infarction. Am J Cardiol 2008;101:1689–1693. 
8. Urizar NL, Moore DD. GUGULIPID: a natural cholesterol-lowering agent. Annu Rev Nutr. 2003;23:303-13. 
9. Yang D, Yang J, Shi D, Xiao D, Chen YT, Black C, Deng R, Yan B. Hypolipidemic agent Z-guggulsterone: metabolism interplays with induction of carboxylesterase and bile salt export pump. J Lipid Res. 2012 Mar;53(3):529-39. 
10. AIM-HIGH Investigators, Boden WE, Probstfield JL, Anderson T, Chaitman BR, Desvignes-Nickens P, Koprowicz K, McBride R, Teo K, Weintraub W. Niacin in patients with low HDL cholesterol levels receiving intensive statin therapy. N Engl J Med. 2011 Dec 15;365(24):2255-67. 
11. Lim S, Park YM, Sakuma I, Koh KK. How to control residual cardiovascular risk despite statin treatment: Focusing on HDL-cholesterol. Int J Cardiol. 2012 Apr 12. 
12. Michos ED, Sibley CT, Baer JT, Blaha MJ, Blumenthal RS. Niacin and Statin Combination Therapy for Atherosclerosis Regression and Prevention of Cardiovascular Disease Events: Reconciling the AIM-HIGH (Atherothrombosis Intervention in Metabolic Syndrome With Low HDL/High Triglycerides: Impact on Global Health Outcomes) Trial With Previous Surrogate Endpoint Trials. J Am Coll Cardiol. 2012 Apr 4. 
13. Pirillo A, Norata GD, Catapano AL. Treating High Density Lipoprotein Cholesterol (HDL-C): Quantity Versus Quality. Curr Pharm Des. 2012 Dec 26.14. Lavigne PM, Karas RH. The Current State of Niacin in Cardiovascular Disease Prevention: A Systematic Review and Meta-Regression. J Am Coll Cardiol. 2012 Dec 13. pii: S0735-1097(12)05523-4.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

Mercúrio presente no marisco e no peixe aumenta risco para Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Um estudo recente em 518 pessoas constatou que elevados níveis de mercúrio no corpo associado ao consumo de peixe e marisco aumenta o risco de desenvolver a doença de Lou Gehrig (ELA), uma doença neurodegenerativa que leva à paralisia e à morte. Entender os factores de risco da esclerose lateral amiotrófica possibilita-nos realizar alterações no nosso estilo de vida, como por exemplo, evitar o consumo de peixes e moluscos, de forma a prevenir esta doença e diminuir a incidência a longo prazo.
Nota de pesquisa: Pesquisas epidemiológicas como essa podem revelar novos factores comportamentais humanos ou exposições ambientais que nos levam à doença. Estudos a nível da população também podem fornecer uma visão ampla de como a doença se desenvolve em seres humanos que não teria sido prontamente descoberto em estudos animais ou celulares.