Avançar para o conteúdo principal

Estudo volta a confirmar a toxicidade do açúcar

Pixbay


Desde o momento em que os nossos filhos nascem que somos influenciados pelos hábitos socialmente aceites como normais. O açúcar entra nesse "padrão de normalidade" talvez pela fácil aceitação gustativa que o sabor doce tem na criança, como tal nem paramos um pouco para nos apercebermos da quantidade de açúcar que eles consomem, na maioria das vezes, incentivados por nós, pais.

E é óbvio que após instalado este hábito, a criança vai ganhando resistência a sabores mais suaves como o das frutas e legumes.

Como qualquer pai/mãe deparo-me com esta questão do açúcar diariamente. O açúcar está presente em todos os produtos processados, até em algumas embalagens de amendoins...acham normal? Pois eu não acho!
Em qualquer local onde vamos a oferta de alimentos cheios de açúcar é abundante e o interessante é que quando nos recusamos a oferecer determinando "alimento" aos nossos filhos tornamo-nos a personagem principal deste palco chamado sociedade! Ouvem-se reacções do género:

- " Coitadinho do menino que não come um rebuçadinho" (coitadinhos dos meninos que mais tarde na vida desenvolvem síndrome metabólica)
- "então não lhe dá chocolate porquê? só um pouco não faz mal..." (faz pois, além de o açúcar alterar a sensibilidade palativa é extremamente inflamatório)

Entre outras "reacções" que não vou aqui escrutinar, deixo apenas uma questão: Será sensato dar gomas, Musse de chocolate, gelados e produtos semelhantes principalmente quando as crianças estão doentes? o organismo delas já está a ser atacado por microorganismos patogénicos, será que a criança precisa ainda assim de alimentos que vão facilitar o trabalho desses "bichinhos maus"? O açúcar destrói as enzimas digestivas, inibe a absorção de cálcio, magnésio e ferro prejudicando a formação dos ossos, dentes, podendo até mesmo provocar anemia...valerá mesmo a pena?

A Times, citou um estudo recentemente realizado pela equipa do investigador Robert Lustig, do Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, em São Francisco, em relação ao açúcar em crianças obesas.

A conclusão desta investigação, agora publicada, é que “o açúcar é tóxico independentemente das suas calorias e independentemente do peso do indivíduo”, conforme cita a Times.

Robert Lustig levou a cabo um estudo em torno da obesidade de crianças, seguindo 43 jovens com idades entre os 8 e os 18 anos.

O investigador reuniu informação sobre a quantidade média de calorias que estes consumiam diariamente. Depois elaborou um menu especial para cada um dos participantes, para um período de 9 dias, incluindo o número total de calorias que costumavam consumir habitualmente.

A única diferença da nova dieta é que a maioria do açúcar consumido foi substituído por amido.

“Tudo ficou melhor”, nota Lustig, frisando que algumas crianças passaram de resistentes à insulina, um período pré-diabetes, a sensíveis à insulina.

“Nós tiramos a galinha teriyaki e colocamos cachorros de peru. Substituímos os iogurtes açucarados por batatas fritas. Tiramos os bolos e incluímos os pães. Por isso, não houve mudança no peso e nas calorias”, explica o investigador.


“Nós demos-lhes comida má, comida processada e mesmo assim tiveram melhores resultados”, acrescenta.
Nove dias depois de uma redução de cerca de 9% do açúcar consumido por estas crianças, verificou-se uma queda de 53% nos níveis de açúcar no sangue em jejum. Os níveis de triglicéridos e de colesterol, altamente associados aos Ataques Vasculares Cerebrais, também desceram.

As crianças apresentavam ainda menos gordura no fígado, problema normalmente associado aos alcoólicos, mas que é também característica de obesos e diabéticos.

Dá que pensar certo? Que futuro queremos para os nossos filhos?...

O ideal é evitar receitas muito doces e optar por ingredientes mais simples.
É óbvio que torna-se um desafio viver sem o doce, mas podes optar por consumir e dar a consumir ao teu filho mais frutas frescas e frutos secos; podes também substituir o açúcar pelo consumo razoável de mel ou melhor ainda, optar pelo uso da stevia que é um adoçante natural.



Fonte original: ZAP (http://zap.aeiou.pt/novo-estudo-confirma-que-o-acucar-e-mesmo-toxico-87662)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

O Mito da Proteína Combinada

Todos os nutrientes vêm do sol ou do solo. Os minerais provêm da terra e as vitaminas das plantas e dos microrganismos que crescem a partir deles.
Dito isto, volta a eterna questão. Onde posso obter a proteína? A proteína é composta por aminoácidos e entre eles existem 20 aminoácidos essenciais, o que significa que o nosso corpo não os consegue produzir, sendo essencial obtê-los a partir da alimentação. Mas os outros animais também não os produzem.
As proteínas provenientes das plantas (e micróbios) têm todos os aminoácidos essenciais.
O conceito de que a proteína vegetal é inferior à proteína animal surgiu devido a estudos realizados em ratos há mais de um século atrás. Os cientistas descobriram que os ratos bebés não tinha um crescimento adequado quando alimentados à base de plantas. Mas os ratos bebés também não crescem bem se forem alimentados com leite materno humano e porquê? Porque o leite do rato tem 10 vezes mais proteína do que o leite humano e porque os ratos têm um crescim…