Avançar para o conteúdo principal

Estudo volta a confirmar a toxicidade do açúcar

Pixbay


Desde o momento em que os nossos filhos nascem que somos influenciados pelos hábitos socialmente aceites como normais. O açúcar entra nesse "padrão de normalidade" talvez pela fácil aceitação gustativa que o sabor doce tem na criança, como tal nem paramos um pouco para nos apercebermos da quantidade de açúcar que eles consomem, na maioria das vezes, incentivados por nós, pais.

E é óbvio que após instalado este hábito, a criança vai ganhando resistência a sabores mais suaves como o das frutas e legumes.

Como qualquer pai/mãe deparo-me com esta questão do açúcar diariamente. O açúcar está presente em todos os produtos processados, até em algumas embalagens de amendoins...acham normal? Pois eu não acho!
Em qualquer local onde vamos a oferta de alimentos cheios de açúcar é abundante e o interessante é que quando nos recusamos a oferecer determinando "alimento" aos nossos filhos tornamo-nos a personagem principal deste palco chamado sociedade! Ouvem-se reacções do género:

- " Coitadinho do menino que não come um rebuçadinho" (coitadinhos dos meninos que mais tarde na vida desenvolvem síndrome metabólica)
- "então não lhe dá chocolate porquê? só um pouco não faz mal..." (faz pois, além de o açúcar alterar a sensibilidade palativa é extremamente inflamatório)

Entre outras "reacções" que não vou aqui escrutinar, deixo apenas uma questão: Será sensato dar gomas, Musse de chocolate, gelados e produtos semelhantes principalmente quando as crianças estão doentes? o organismo delas já está a ser atacado por microorganismos patogénicos, será que a criança precisa ainda assim de alimentos que vão facilitar o trabalho desses "bichinhos maus"? O açúcar destrói as enzimas digestivas, inibe a absorção de cálcio, magnésio e ferro prejudicando a formação dos ossos, dentes, podendo até mesmo provocar anemia...valerá mesmo a pena?

A Times, citou um estudo recentemente realizado pela equipa do investigador Robert Lustig, do Departamento de Pediatria da Universidade da Califórnia, em São Francisco, em relação ao açúcar em crianças obesas.

A conclusão desta investigação, agora publicada, é que “o açúcar é tóxico independentemente das suas calorias e independentemente do peso do indivíduo”, conforme cita a Times.

Robert Lustig levou a cabo um estudo em torno da obesidade de crianças, seguindo 43 jovens com idades entre os 8 e os 18 anos.

O investigador reuniu informação sobre a quantidade média de calorias que estes consumiam diariamente. Depois elaborou um menu especial para cada um dos participantes, para um período de 9 dias, incluindo o número total de calorias que costumavam consumir habitualmente.

A única diferença da nova dieta é que a maioria do açúcar consumido foi substituído por amido.

“Tudo ficou melhor”, nota Lustig, frisando que algumas crianças passaram de resistentes à insulina, um período pré-diabetes, a sensíveis à insulina.

“Nós tiramos a galinha teriyaki e colocamos cachorros de peru. Substituímos os iogurtes açucarados por batatas fritas. Tiramos os bolos e incluímos os pães. Por isso, não houve mudança no peso e nas calorias”, explica o investigador.


“Nós demos-lhes comida má, comida processada e mesmo assim tiveram melhores resultados”, acrescenta.
Nove dias depois de uma redução de cerca de 9% do açúcar consumido por estas crianças, verificou-se uma queda de 53% nos níveis de açúcar no sangue em jejum. Os níveis de triglicéridos e de colesterol, altamente associados aos Ataques Vasculares Cerebrais, também desceram.

As crianças apresentavam ainda menos gordura no fígado, problema normalmente associado aos alcoólicos, mas que é também característica de obesos e diabéticos.

Dá que pensar certo? Que futuro queremos para os nossos filhos?...

O ideal é evitar receitas muito doces e optar por ingredientes mais simples.
É óbvio que torna-se um desafio viver sem o doce, mas podes optar por consumir e dar a consumir ao teu filho mais frutas frescas e frutos secos; podes também substituir o açúcar pelo consumo razoável de mel ou melhor ainda, optar pelo uso da stevia que é um adoçante natural.



Fonte original: ZAP (http://zap.aeiou.pt/novo-estudo-confirma-que-o-acucar-e-mesmo-toxico-87662)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Receita: Pudim de Pêra com Canela

Quando o meu filho era mais pequeno e estava a atravessar aquela fase em que simplesmente se alimentam do ar (a anorexia dos 2 anos), eu fazia-lhe esta espécie de pudim com sementes de chia que ele comia e lambia os dedos...ou seja, um êxito! Escusado será dizer que é delicioso tanto para os pequenos como para os grandes...ahhh e nutritivo!!
- A tâmara é rica em proteínas, minerais e vitaminas principalmente a vitamina C. A grande vantagem é que além de ser uma verdadeira doçura, ela é rica em fibras, potássio, cálcio e ferro sendo excelente tanto para crianças como adultos.

- As pêras são ricas em fibras, vitamina A e C com importantes ações antioxidantes.
Também é uma excelente fonte de minerais como o fósforo, cálcio e ainda contém algum ferro.

- A canela auxilia no tratamento de diversas doenças. A canela estimula a salivação e os sucos gástricos, facilitando a digestão como tal, ajuda em casos de aerofagia, digestões difíceis a acidez estomacal.


Ingredientes

- 7 colheres de sopa de …

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…