Avançar para o conteúdo principal

Sabes identificar os sinais que as unhas te dão?

Fonte Pixbay
Cada parte do nosso corpo dá-nos sinais acerca da nossa saúde e as unhas não são excepção.

As unhas são formadas por queratina dura chamada oniquina. A oniquina é uma proteína rica em enxofre, cistina, arginina, com 7% a 16% de água, cálcio e ferro. A sua principal função é a de proteger a zona mais externa do dedo e melhorar a sensação táctil.

Agora, olha com atenção para as tuas unhas e observa o seu aspecto. Elas são fortes e saudáveis ou apresentam-se com elevações e quebradiças? É importante reparares nas alterações que eventualmente ocorrem pois algumas destas condições podem indicar uma doença subjacente ou deficiência de nutrientes que pode ir desde uma anemia a uma doença da tiróide, O.K.? Então vamos analisar...

Unhas quebradiças ou divididas
- Possíveis Causas: falta de humidade ou insuficiência da vitamina biotina;

- Possíveis Soluções: Aumentar o consumo de couve-flor, ervilhas, toranjas, repolho, amêndoas, cerejas, ovos (biológico de galinhas criadas livremente).

Unhas macias/moles que ondulam para cima
- Possíveis Causas: Deficiência de ferro; infecção da tiróide

- Possíveis Soluções: Se os exames confirmarem, suplementa-se com ferro. Os alimentos ricos em ferro que podes aumentar o consumo são as sementes de abóbora, a salsa, amêndoas, ameixas, cajus, passas, castanhas do pará, nozes, tâmaras, leguminosas, ovos (biológico de galinhas criadas livremente).

Sulcos/linhas verticais
- Possíveis Causas: Deficiências vitamínicas ou minerais; desnutrição geral.

- Possíveis Soluções: Utiliza algumas gotas de óleo de amêndoa para polir as unhas e segue uma alimentação mais variada.
Unhas amarelas
- Possíveis Causas: Falta de vitamina E

- Possíveis Soluções: Consumir óleos não refinados de linhaça, oleaginosas como amêndoas, avelãs, amendoins e grande variedade de leguminosas como o feijão e as ervilhas.

Manchas brancas
- Possíveis Causas: lesão na unha ou deficiência de zinco.

- Possíveis Soluções: O zinco está disponível em alimentos como as sementes de sésamo, abóbora, gengibre, nozes, ovos (biológico de galinhas criadas livremente), aveia, arroz integral e ervilhas.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

Mercúrio presente no marisco e no peixe aumenta risco para Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Um estudo recente em 518 pessoas constatou que elevados níveis de mercúrio no corpo associado ao consumo de peixe e marisco aumenta o risco de desenvolver a doença de Lou Gehrig (ELA), uma doença neurodegenerativa que leva à paralisia e à morte. Entender os factores de risco da esclerose lateral amiotrófica possibilita-nos realizar alterações no nosso estilo de vida, como por exemplo, evitar o consumo de peixes e moluscos, de forma a prevenir esta doença e diminuir a incidência a longo prazo.
Nota de pesquisa: Pesquisas epidemiológicas como essa podem revelar novos factores comportamentais humanos ou exposições ambientais que nos levam à doença. Estudos a nível da população também podem fornecer uma visão ampla de como a doença se desenvolve em seres humanos que não teria sido prontamente descoberto em estudos animais ou celulares.