Avançar para o conteúdo principal

Linum usitatissimum L. – Linhaça, uma semente para a vida!

Imagem Pixbay
Acredito profundamente que os alimentos são os nossos melhores medicamentos (já dizia Hipócrates) e a linhaça é um exemplo de “medicamento” excepcional. Elas são ricas em fibras, pobres em calorias e ricas em gorduras de boa qualidade.

Além de nutritivas, as sementes de linhaça ajudam a eliminar o “lixo” do nosso sistema, ou seja, facilitam uma boa mobilidade intestinal que te fará sentir mais leve ao mesmo tempo que auxiliam na eliminação dos resíduos tóxicos presentes nos nossos corpos.

O estrogénio em excesso é um exemplo de “lixo” que é necessário eliminar de forma a evitar problemas de saúde, principalmente aqueles relacionados exclusivamente com a saúde da mulher como a tensão pré-menstrual, endometriose, miomas e nódulos mamários, ajudando neste caso a equilibrar tanto o sistema hormonal como imunitário.

Em Setembro de 2003 foi realizada uma meta-análise* sobre as sementes de linhaça e o cancro da mama publicada no journal Integrative Cancer Therapy**. A revisão obteve as suas conclusões através da análise de 1892 registos de várias bases de dados biomédicos incluindo o MEDLINE, Embase, the Cochrane Library e AMED até Janeiro de 2013, que estivessem de algum modo relacionados com o impacto das sementes de linhaça no cancro da mama.

Ao avaliarem os recentes casos de cancro da mama diagnosticados constataram que a linhaça apresentava os seguintes benefícios:

- Diminuição dos sintomas de afrontamentos
- Aumento da morte celular (apoptose) dentro dos tumores
- Diminuição do receptor HER2 (Human Epidermal growth factor Receptor-type 2, proteína associada à malignidade do cancro da mama)
- Diminuição da proliferação do cancro da mama

Os dados observacionais sugerem que o consumo de sementes de linhaça diminui o risco primário de cancro da mama em 18%, melhora a saúde mental em 76% e diminui a mortalidade entre pacientes com cancro da mama em 32%.

Por fim, os autores concluem:

“As evidências actuais sugerem que as sementes de linhaça podem estar associadas a uma diminuição do risco de cancro da mama. A linhaça apresenta efeitos anti-proliferativos no tecido mamário em mulheres em risco de cancro da mama e pode proteger contra o cancro da mama primário. O risco de mortalidade pode também ser reduzido entre aqueles que vivem com este cancro.” 

Mas as sementes de linhaça têm também outros benefícios, repara:
- Promovem a saúde cardiovascular
- Ajudam a prevenir a diabetes
- Diminuem o colesterol LDL
- Devolve o brilho à tua pele, porque ao promover uma boa mobilidade intestinal retira esse “peso” de eliminação que o nosso maior órgão, a pele, tem de fazer para eliminar os resíduos tóxicos do nosso sistema, reduzindo por sua vez problemas de pele como o acne.

E o melhor de tudo é que as sementes de linhaça são super fáceis de usar. Basta adicionares 2 colheres de sopa de sementes de linhaça trituradas à tua alimentação diariamente.
De acordo com o USDA (United States Department of Agriculture), 14g ou 2 colheres de sopa de sementes de linhaça trituradas têm:

- 75 calorias,
- 5,9g de gordura,
- 3,8g de fibra.

Por isso não há desculpas, podes ingeri-las salpicadas na salada, num batido, numa sopa, em fim, em qualquer coisa que estejas a comer.





*Meta-análise: Revisão sistemática da literatura, com avaliação quantitativa, onde os resultados de todas as pesquisas recuperadas sobre um determinado evento clínico são compilados e estatisticamente quantificados e combinados. A meta-análise permite encontrar significância estatística para o efeito de determinadas intervenções anteriormente consideradas insuficientes devido a amostragens reduzidas. Esse tipo de análise é tido como mais imparcial no que diz respeito a interpretações subjectivas porque os dados são quantitativos.

**Integr Cancer Ther. 2013 Sep 8. Epub 2013 Sep 8. PMID: 24013641

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

Mercúrio presente no marisco e no peixe aumenta risco para Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Um estudo recente em 518 pessoas constatou que elevados níveis de mercúrio no corpo associado ao consumo de peixe e marisco aumenta o risco de desenvolver a doença de Lou Gehrig (ELA), uma doença neurodegenerativa que leva à paralisia e à morte. Entender os factores de risco da esclerose lateral amiotrófica possibilita-nos realizar alterações no nosso estilo de vida, como por exemplo, evitar o consumo de peixes e moluscos, de forma a prevenir esta doença e diminuir a incidência a longo prazo.
Nota de pesquisa: Pesquisas epidemiológicas como essa podem revelar novos factores comportamentais humanos ou exposições ambientais que nos levam à doença. Estudos a nível da população também podem fornecer uma visão ampla de como a doença se desenvolve em seres humanos que não teria sido prontamente descoberto em estudos animais ou celulares.