Avançar para o conteúdo principal

Comparação das concentrações de ácido salicílico no soro de vegetarianos e não-vegetarianos

O ácido salicílico é um ácido orgânico, cujo nome vem do latim salix, da árvore do salgueiro, de onde foi isolado pela primeira vez.
Nos vegetais, o ácido salicílico encontra-se sob a forma de éter metílico e actua como retardador do envelhecimento natural das flores (senescência).

Esse ácido possui uma série de funções terapêuticas como antipiréticas, analgésicas, antibacteriano, antifúngico e anti-inflamatório. Embora o ácido salicílico apresente tantas propriedades terapêuticas, quando utilizado isoladamente (sem fazer uso do Totum vegetal da planta) pode lesar as paredes do estômago, é por isso que, na indústria farmacêutica, a molécula do ácido salicílico ganhou um radical acetil, passando a ser um éster de acetato, o que deu origem ao tão conhecido ácido acetil-salicílico.

Daí ter considerado relevante apresentar aqui este estudo. É interessante notar que todas as doenças/síndromes crónicas obtêm melhorias significativas na qualidade de vida quando a pessoa passa para uma dieta de base vegetal...estará aqui um dos segredos desse sucesso?!?


J Clin Pathol. 2001 Jul; 54(7): 553–555.

O ácido salicílico no soro de indivíduos que não tomam aspirina. Comparação das concentrações de ácido salicílico no soro de vegetarianos, não-vegetarianos e dos pacientes que tomam doses baixas de aspirina

C Blacklock, J Lawrence, D Wiles, E Malcolm, I Gibson, C Kelly, and J Paterson


Objectivo - Determinar as concentrações de ácido salicílico no soro de não-vegetarianos e vegetarianos que não tomam medicamentos salicilatos e comparar essas concentrações com as encontradas nos pacientes a tomar 75mg de aspirina por dia.

Metodologia - amostras de soro foram obtidas a partir de vegetarianos (n = 37) e não-vegetarianos (n = 39) que não tomavam salicilatos. Os Não-vegetarianos e vegetarianos foram recrutados na comunidade e num monastério budista, respectivamente, em Dumfries e Galloway, Escócia.
Os pacientes (n = 14) que tomavam aspirina (75mg/ dia) foram recrutados na clínica diabética Dumfries.
As concentrações de ácido salicílico no soro foram determinadas usando um método de cromatografia líquida de alta eficiência com detecção electroquímica.

Conclusões — O ácido salicílico, um fármaco anti-inflamatório não esteróide, está presente nas frutas e vegetais e foi encontrada em concentrações mais elevadas nos vegetarianos do que nos não vegetarianos. Isto sugere que uma dieta rica em frutas e vegetais contribui para a presença de ácido salicílico in vivo (ou seja...menos dores).


Fonte: www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1731460

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical: