Avançar para o conteúdo principal

O papel da Naturopatia na Fibromialgia

Recentemente fiz uma pesquisa acerca do potencial terapeutico que a naturopatia pode desempenhar na síndrome da fibromialgia. Essa pequena investigação foi feita com o intuito de a apresentar no 1º Congresso de Medicina Natural do Algarve que aconteceu em Lagos (6 e 7 de Fevereiro).

Assim, partilho um pouco daquilo que apresentei, desde a alimentação aos suplementos nutricionais e plantas medicinais.

Apenas quero referir que cientificamente ainda existe uma grande lacuna no conhecimento acerca da eficácia e tolerância da medicina tradicional aplicada à Fibromialgia. Os ensaios clínicos que existem são escassos e a sua qualidade é frequentemente criticada devido ao número de participantes nos estudos, à falta de intervenções de controlo adequadas, níveis baixos de adesão ou devido à sua curta duração, no entanto, com a utilização generalizada e crescente da naturopatia, especialmente por parte de pessoas com doenças crónicas, é essencial avaliar e registar a sua eficácia assim como os possíveis efeitos adversos que as abordagens não convencionais podem surtir no paciente e quem sabe, lançar a semente para que mais investigações sejam feitas nesta área.


A Fibromialgia (FM) é uma síndrome clínica caracterizada por dor músculo-esquelética difusa, não inflamatória, de etiologia indefinida, associada à fadiga crónica, a distúrbios do sono e alterações de humor.
Ser diagnosticado com fibromialgia pode ser um verdadeiro desafio, uma vez que não há um teste de laboratório definitivo, dependendo muitas vezes do feedback que se recebe do paciente.

De forma geral, os pacientes apresentam dores musculares generalizadas que duram há pelo menos três meses e é realizado um exame físico "a pontos sensíveis" pressionando 18 pontos específicos para medir a dor e a sensibilidade. Os pontos incluem pescoço, peito, braços, pernas, perto do joelho, na cintura e logo abaixo das nádegas.

Embora não haja uma causa definitiva nem singular para a fibromialgia, esta tem sido associada a diversos factores como:

• Genética
• Alergias a produtos químicos
• Sensibilidades ou alergias alimentares
• Vírus
• Desequilíbrios hormonais
• Má digestão e SIBO
• Crescimento de Cândida
• Desalinhamento vertebral
• Stresse
• Deficiências nos Neurotransmissores

Os factores de risco para a fibromialgia incluem a genética, ser do sexo feminino e sofrer de artrite reumatóide ou lúpus. Para alguns indivíduos, os sintomas começam após um evento de grande stress psicológico, infecção, cirurgia ou outro trauma físico. Outros podem não apresentar nenhuma evidência de um evento gatilho mas os sintomas terem-se acumulado ao longo do tempo.

Tratamento sintomático da fibromialgia

O tratamento tradicional para a fibromialgia inclui medicamentos anti-inflamatórios não esteróides (AINEs), medicamentos anti-convulsivos, analgésicos e anti-depressivos. Estes medicamentos commumente prescritos podem causar efeitos secundários potencialmente graves.
Os AINEs podem causar úlceras, hemorragia estomacais ou intestinais, problemas digestivos, pressão arterial elevada, ataque cardíaco, acidente vascular cerebral, reacções cutâneas e alérgicas. (1)
Os efeitos colaterais dos medicamentos anti-convulsivos incluem insuficiência hepática, pedras nos rins, cistos nos ovários, juntamente com descida na contagem das células brancas do sangue e do número de plaquetas, anemia aplástica e problemas na função cognitiva. (2)
Já a ingestão de anti-depressivos pode causar aumento de peso, perda do desejo sexual, fadiga, insónia, visão turva, agitação, irritabilidade e ansiedade. (3) Vários destes efeitos secundários potenciais são semelhantes aos sintomas encontrados na fibromialgia...

Reduzir os sintomas da fibromialgia exige, naturalmente, diversas mudanças incluindo alimentares e estilo de vida. Embora não haja um tratamento, existem diversas abordagens naturopáticas que podem ajudar a aliviar os sintomas e aumentar a qualidade de vida de quem sofre de fibromialgia. São essas as abordagens que apresento de seguida.


Mudanças de estilo de vida para fibromialgia

- Exercício regular moderado: Para muitas pessoas no meio de uma crise sintomática, a última coisa que querem fazer é exercício, mas o exercício regular como caminhadas, natação, ioga (14) e pilates pode ajudar a aliviar o stress e a dor.
Um estudo publicado nos Arquivos de Medicina Física e Reabilitação encontrou uma forte relação entre aptidão física e a fibromialgia, ou seja, quando melhor a aptidão física menor o impacto que os sintomas têm sobre a pessoa. (13)

- Massagem Terapêutica: massagens regulares reduzem a dor, melhoram a amplitude de movimento e diminuem a ansiedade e depressão.

- Calor Húmido: o calor húmido estimula o fluxo sanguíneo para áreas do corpo dolorosas, proporcionando alívio. Banhos quentes e almofadas de aquecimento húmido podem ajudar em momentos de dor.


Dietoterapia para a Fibromialgia

Vários estudos clínicos mostram que o tratamento sintomático da fibromialgia requer uma abordagem multifacetada que inclui mudanças na alimentação. Um estudo realizado na Itália constatou que os pacientes com fibromialgia beneficiam significativamente ao aderirem a um plano alimentar mais limpo, equilibrado e com base numa dieta vegetariana(4). Este estudo também concluiu que a eliminação de glúten melhora os sintomas da fibromialgia.
Num outro estudo publicado no Arthritis Research & Therapy, os pesquisadores estudaram o efeito de uma dieta livre de glúten durante um ano em pacientes com o Síndrome do Intestino Irritável em conjunto com a fibromialgia. (5) No fim, um dos subgrupos do estudo apresentou uma melhoria significativa em todos os sintomas e na qualidade de vida.

De todos os alimentos a evitar, o glúten é, obviamente, fundamental.

Além de eliminar o glúten, é essencial limitar a ingestão de adoçantes artificiais, glutamato monossódico, marisco, alimentos processados, lacticínios e cafeína, uma vez que contribuem para as crises sintomáticas.

Por outro lado deve-se consumir alimentos ricos em proteínas vegetais, alimentos crus, fermentados, frutas e legumes em abundância. Há que ter atenção porque muitos dos pacientes com fibromialgia têm deficiências nutricionais subjacentes e podem apresentar deficiências em nutrientes essenciais, incluindo vitaminas B12, C e D, bem como ácido fólico e o magnésio, como tal, aumentar o consumo de alimentos ricos nestes nutrientes torna-se crucial.

Alimentos ricos em triptofano: O triptofano é necessário para o corpo produzir serotonina, que está associada a um sono reparador. Alimentos saudáveis com níveis elevados de triptofano incluem nozes, bananas, grãos germinados e sementes de sésamo.

Alimentos ricos em Magnésio: Incluir muitos vegetais de folhas verdes, sementes de abóbora, amêndoas e abacates na dieta para aumentar os níveis de magnésio. Tenha como objectivo um mínimo de três porções por dia destes alimentos para ajudar a aliviar a dor e o desconforto associado à fibromialgia. (6)

Alimentos ricos em Melatonina: Como os distúrbios do sono são comuns é recomendado ingerir alimentos que estimulem a melatonina como as nozes, as sementes de mostarda, o arroz, o gengibre, a cevada, os espargos, os tomates, a hortelã, as bananas e o vinho tinto.
Estudos mostram que as deficiências de zinco, magnésio e ácido fólico estão relacionados com níveis mais baixos de melatonina (7).

Óleo de coco: Substitua todas as gorduras más por óleo de coco, incorporando três a quatro colheres de sopa por dia na dieta para ajudar a reduzir a dor articular, equilibrar as hormonas e melhorar a memória(8).

Gengibre: Num estudo duplo-cego, randomizado, controlado por placebo, os pesquisadores descobriram que os participantes do estudo que ingeriram gengibre obtiveram uma maior redução na dor no joelho do que aqueles que tomaram o paracetamol. (9)


Abordagem Naturopática para a Fibromialgia

Como não há nenhum tratamento específico para a fibromialgia, torna-se relevante uma abordagem multidisciplinar e equilibrada, incluindo na equação alterações alimentares, mudanças no estilo de vida e suplementos nutricionais com o objectivo de amenizar os sintomas de quem sofre com esta síndrome.
Aqui estão alguns dos suplementos com potencial terapeutico que se encontram a ser investigados para a fibromialgia:

- Acetil L-carnitina: Um pequeno estudo randomizado comparou a acetil L-carnitina e o medicamento duloxetina (Cymbalta) em 65 mulheres com fibromialgia. Embora ambos os grupos tenham apresentado melhoras clínicas, o estudo constatou que a acetil-L-carnitina pode melhorar a depressão, a dor e a qualidade geral de vida em pacientes com fibromialgia. (10)

- Magnésio: A deficiência de magnésio é frequentemente associada à fibromialgia. O aumento de magnésio pode ajudar a reduzir a dor. Além disso, ajuda a aumentar a energia e reduzir a ansiedade e a depressão.

- Curcuma e Pimenta Preta: Um estudo publicado no Clinical Nutrition descobriu que os suplementos que continham curcuminóides e piperina melhoravam significativamente o estado de inflamação e oxidação. (11)

- A vitamina D: A deficiência de vitamina D está associada à dor crónica em alguns indivíduos. Um pequeno estudo constatou que o grupo de controle que recebeu a suplementação de vitamina D obteve uma acentuada redução na dor. (12) É importante despender de, no mínimo, 10 a 20 minutos por dia ao sol para aumentar os níveis de vitamina D. Esta exposição deve ser feita sem PROTETOR SOLAR, pois este inibe a acção da luz pela pele.

- 5-hidroxitriptofano: o 5-HTP pode ajudar a melhorar a qualidade do sono, aliviando ao mesmo tempo a dor. De acordo com um pequeno estudo controlado por placebo, os sintomas de fibromialgia podem ser melhorados com suplementos de 5-HTP.



O grande desafio da fibromialgia é lidar com a dor e o abatimento constante e por isso, consistentemente, os profissionais de saúde recomendam tratamentos complementares que incluem a alimentação, as mudanças de estilo de vida e os suplementos naturais, como tal, a chave é encontrar a combinação certa destes elementos que trabalham sinergicamente para ajudar a aliviar os sintomas da fibromialgia.





Referências:
1- Medication Guide for Non-Steroidal Anti-Inflammatory Drugs (NSAIDs) www.fda.gov/downloads/Drugs/DrugSafety/ucm089162.pdf
2- www.epilepsy.com/learn/treating-seizures-and-epilepsy/seizure-and-epilepsy-medicines/side-effects
3- www.webmd.com/depression/features/coping-with-side-effects-of-depression-treatment
4- www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25786053 / 
www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11093597 (Scand J Rheumatol. 2000;29(5):308-13.Vegan diet alleviates fibromyalgia symptoms.)
5- www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25160886
6- www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/7786692
7- www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3402070
8- www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3437664
9- www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11710709
10- www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25786048
11- www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25618800
12- www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24438771
13- www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/25839088
14- www.dovepress.com/an-eight-week-yoga-intervention-is-associated-with-improvements-in-pai-peer-reviewed-article-JPR

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…