Avançar para o conteúdo principal

Ácido Fítico: O vilão que afinal não é assim tão mau.

Vê-se, frequentemente, o assumir que uma substância se comporta de uma única maneira, ou faz bem ou faz mal e esquecemo-nos que o nosso corpo é complexo e que apesar de termos necessidades nutricionais semelhantes, cada um de nós é único, como tal responde de forma diferente àquilo que consumimos e que os alimentos que ingerimos tendem a ter funções diferentes, após ingeridas, por cada um de nós...Como um antigo professor dizia: “Olha para a floresta e não apenas para a árvore”. É exactamente isso que vamos fazer...

O ácido fítico (fitatos) é uma substância que se encontra em muitos alimentos de origem vegetal, como os cereais, as leguminosas, as nozes e as sementes, sendo considerado um anti-nutriente e muitas vezes levado ao extremo do negativismo quando se fala na alimentação vegetariana. Pois bem, o ácido fítico é a forma de armazenamento do fósforo, um mineral utilizado na produção de energia e na formação de elementos estruturais, como as membranas celulares. Este, encontra-se predominantemente na camada externa dos cereais integrais e quase inteiramente no endosperma das leguminosas e sementes.

O dilema é que esses alimentos, considerados saudáveis e nutritivos, têm uma péssima reputação com base no seu teor de ácido fítico. E porquê? Porque o ácido fítico liga-se aos minerais essenciais, como o ferro, o cálcio, o zinco e o magnésio no tracto digestivo, dificultando a sua absorção pelo corpo.
No entanto, a gravidade dos efeitos do ácido fítico na saúde tende a ser um pouco exagerada e apesar de ser repudiado por reduzir a absorção de minerais, o ácido fítico tem também o outro lado da moeda, ora vejam só:

Anti-Cancerígeno: Embora a investigação em seres humanos seja um pouco escassa, tem havido vários estudos que indiciam os potenciais efeitos favoráveis do ácido fítico na luta contra as células cancerígenas. Caso se confirme, este facto ajuda a explicar parcialmente o porquê das dietas ricas em fibras estarem associadas à redução do risco de cancro do cólon.

Antioxidante: O ácido fítico tem propriedades antioxidantes, particularmente no que diz respeito ao ferro. Sabe-se que o ferro pode comportar-se como um radical livre, contribuindo para o stress oxidativo no organismo. Neste contexto, a capacidade do ácido fítico de enclausurar o ferro é positiva, pois neutraliza qualquer radical livre.
É óbvio que a oxidação do organismo é um processo habitual, mas esta oxidação pode ser extrema, especialmente quando o corpo está sob stress.

Colesterol e índice glicémico: O ácido fítico apresenta resultados favoráveis na redução do colesterol e na resposta glicémica a certos alimentos. Este ácido parece ter a capacidade de evitar um potencial pico de açúcar no sangue após a ingestão de hidratos de carbono.

            Como podemos constatar (e este texto é uma pequena amostra do que se tem vindo a descobrir), o ácido fítico não é assim tão vilão quanto isso. Na minha opinião pessoal, uma pessoa que tenha uma alimentação menos cuidada, que esteja exposta frequentemente a metais pesados, uma pessoa que tome muita medicação, ou seja, que o organismo esteja exposto a uma maior carga oxidativa, pode beneficiar de um maior consumo de ácido fítico. Claro está que reduzir a sua quantidade na alimentação, principalmente na alimentação de pessoas que têm como base um regime vegetal é importante e para isso basta incorporar fontes de vitamina C nas refeições e manipular os alimentos através da sua imersão, germinação ou fermentação para que o conteúdo em ácido fítico seja reduzido.

Então? Vamos continuar a olhar apenas para a árvore?


Referencias:
- Schlemmer U, Frølich W, Prieto RM, Grases F. Phytate in foods and significance for humans: Food sources, intake, processing, bioavailability, protective role and analysis. Molecular Nutrition & Food Research. 2009;53(S2):S330–S375.
- Graf E, Empson KL, Eaton JW. Phytic acid. A natural antioxidant. Journal of Biological Chemistry. 1987.
- Hawkins PT, Poyner DR, Jackson TR, et al. Inhibition of iron-catalysed hydroxyl radical formation by inositol polyphosphates: a possible physiological function for myo-inositol hexakisphosphate. Biochemical Journal. 1993.
- Shamsuddin AM, Vucenik I, Cole KE. IP6: a novel anti-cancer agent. Life Sci. 1997;61(4):343–354.
- Lee SH, Park HJ, Chun HK, et al. Dietary phytic acid lowers the blood glucose level in diabetic KK mice. Nutrition research. 2006;26(9):474–479.
- Lee SH, Park HJ, Chun HK, et al. Dietary phytic acid improves serum and hepatic lipid levels in aged ICR mice fed a high-cholesterol diet. Nutrition research. 2007;27(8):505–510.
- Shamsuddin AM. Anti-cancer function of phytic acid. International Journal of Food Science & Technology. 2002.

- Vucenik I, Shamsuddin AM. Cancer inhibition by inositol hexaphosphate (IP6) and inositol: from laboratory to clinic. J. Nutr. 2003;133(11 Suppl 1):3778S–3784S.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…