Avançar para o conteúdo principal

Bebés e Crianças Vegetarianas: Será mesmo saudável?

A ciência mostra conclusivamente que uma dieta vegetariana ajuda a evitar a obesidade, as doenças cardíacas, o cancro e outras condições. Mas uma nova lei proposta na Itália argumenta que, sem produtos de origem animal, as crianças não podem crescer de forma saudável. Esta iniciativa não é nova mas desta vez ganhou mais voz nos quatro cantos do mundo (curiosamente em Itália parecem nem sequer fazer caso disso) quando uma deputada italiana achou que devia impedir os pais de fornecer uma dieta vegetariana aos filhos.

"esta lei, se aprovada, fará com que os pais que alimentem os seus filhos até aos 16 anos com uma dieta considerada "inadequada" (leia-se: vegetariana) sejam punidos com uma pena de prisão que pode ir de um a seis anos".


Será mesmo verdade? A ciência diz o contrário.

Uma dieta vegetariana bem planeada e suplementada com vitamina B12 oferece todos os nutrientes necessários em todas as fases da infância, desde o nascimento até à adolescência. As crianças que consomem dietas vegetarianas nutritivas não só crescem fortes e saudáveis, como também vêem diminuído o risco de desenvolver obesidade, colesterol elevado, hipertensão, doenças cardíacas e diabetes tipo 2.


Factos que provam que as dietas à base de plantas apoiam o crescimento saudável das crianças:

1. Os peritos confirmam que as dietas vegetarianas são seguras em todas as fases da vida: A American Dietetic Association afirma[1] que as dietas vegetarianas bem planeadas e suplementadas com vitamina B12 "são apropriadas para todas as fases do ciclo de vida, incluindo a infância e adolescência." O grupo cita evidências mostrando que as pessoas que seguem dietas vegetarianas têm menores níveis de colesterol, pressão arterial e taxas mais baixas de doença cardíaca e diabetes tipo 2 do que os não vegetarianos.

www.andjrnl.org/article/S0002-8223(09)00700-7/abstract

A Academy of Pediatrics concorda[2]: "Bem planeada, os padrões alimentares vegetarianos e veganos são saudáveis para crianças e bebés."

2. A maioria das dietas das crianças são severamente deficientes em fruta e vegetais: Não são os produtos de origem animal que estão em falta nas dietas da maioria das crianças. São as frutas, os legumes, os cereais integrais e outros alimentos que têm efeitos protectores contra os maiores assassinos do mundo, incluindo as doenças cardíacas (1ª causa de morte em Portugal).
A maioria das crianças consome em excesso gordura saturada que entope as artérias e que é encontrado principalmente nos produtos lácteos e na carne[3].

3. Muitas crianças já têm factores de risco para doenças cardíacas: Um estudo[i] recente descobriu que 40% das crianças, com idades entre 6 e os 11 anos, já têm níveis elevados de colesterol e as taxas de hipertensão arterial[ii] também são cada vez mais comuns nas crianças. Mais ainda, 1 em cada 3 crianças americanas[iii] e italianas[iv], têm excesso de peso ou são obesos, fazendo os riscos aumentarem. Cerca de 70% das crianças obesas têm um ou mais factores de risco para doença cardiovascular.
A doença cardiovascular é a principal causa de morte nos Estados Unidos e em Itália[v] (E em Portugal também), onde as doenças do coração são responsáveis ​​por 30% de todas as mortes.

No entanto, a alimentação vegetariana é praticamente isenta de colesterol e pobre em gordura saturada (quando bem estruturada). Os estudos têm demonstrado que a alimentação vegetariana pode ajudar a prevenir, reverter e travar[vi] as doenças cardíacas nos adultos. Um estudo da Cleveland Clinic lançado no ano passado mostrou que as dietas vegetarianas têm efeitos semelhantes[vii] nas crianças com excesso de peso. As crianças no grupo vegetariano reduziram os níveis de pressão arterial e colesterol, diminuíram de peso e baixaram a sensibilidade a dois biomarcadores para a doença cardiovascular.

4. Os índices de diabetes Tipo 2 estão a aumentar em todo o mundo: Entre 2000 e 2009, a prevalência de diabetes tipo 2 disparou[viii] em mais de 30% nas crianças americanas. Crianças com diabetes tipo 2 enfrentam um maior risco de complicações graves, como insuficiência renal, ataque cardíaco e acidente vascular cerebral. Se nada mudar, as projecções mostram que 1 em cada 3 crianças irá desenvolver diabetes tipo 2 em algum momento das suas vidas. A nível global, a história é semelhante. As taxas de diabetes em todo o mundo têm disparado[ix] de 108 milhões em 1980 para 422 milhões em 2014.

Mas os estudos mostram que as pessoas que consomem dietas à base de plantas têm um menor risco de desenvolver diabetes tipo 2.

Por tanto, voltando ao inicio do artigo, para se considerar crime um pai alimentar uma criança com base numa dieta vegetariana equilibrada, também se terá de penalizar todos os outros pais que têm filhos obesos, com síndrome metabólico desde tenra idade e que lhes oferecem diariamente alimentos comprovadamente nocivos para a saúde. E vou mais além...se é para penalizar os pais de crianças vegetarianas e obesas também temos que penalizar o estado por oferecer às crianças alimentos prejudicais e inibidores de muitos nutrientes nas escolas, incluindo batatas frita, doces, bolos, gelados, gelatinas, leite, bolachas e por aí fora!! Acho muito bem que penalizem os tutores das crianças quando estes não lhes oferecem as condições para que estas cresçam com saúde, tanto física como psicológica, mas que seja uma medida transversal a todos os sectores e tipos de alimentação porque sim, da mesma maneira que há crianças que consomem animais que sofrem de deficiências nutricionais também os há nos vegetarianos claro...mas o problema não passa pelo tipo de alimentação que a criança recebe e sim pelo equilibro nutricional que pode estar tanto presente como ausente em QUALQUER regime alimentar.


Artigo original: www.pcrm.org/nbBlog/four-ways-vegan-diets-can-benefit-kids


[i] http://health.usnews.com/health-news/articles/2015/03/17/kids-bad-diets-may-mean-worse-health-as-adults
[ii] http://newsroom.heart.org/news/elevated-blood-pressure-increasing-among-children-adolescents
[iii]www.heart.org/HEARTORG/HealthyLiving/HealthyKids/ChildhoodObesity/Overweight-in-Children_UCM_304054_Article.jsp#.V636YpMrLEZ
[iv] www.oecd.org/els/health-systems/obesityandtheeconomicsofpreventionfitnotfat-italykeyfacts.htm
[v] www.istat.it/en/archive/140877
[vi] www.pcrm.org/health/heart
[vii] www.pcrm.org/health/medNews/plant-based-diets-lower-risk-of-heart-disease-in
[viii] www.usatoday.com/story/news/nation/2014/05/03/diabetes-rises-in-kids/8604213
[ix] www.who.int/mediacentre/factsheets/fs312/en


[3] www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/top-food-sources-of-saturated-fat-in-the-us


[1] www.andjrnl.org/article/S0002-8223(09)00700-7/abstract
[2] www.eatright.org/resource/food/nutrition/vegetarian-and-special-diets/feeding-vegetarian-and-vegan-infants-and-toddlers

Comentários

Mel disse…
O mais irónico de tudo (para além de falta de informação) é que esse projecto "preocupa-se" tanto que um determinado tipo de alimentação faça mal às crianças mas, ao mesmo tempo, penaliza os pais com uma pena de prisão, o que os separará, obviamente, dos filhos menores. Nutrir os filhos sem crueldade animal não pode, mas deixá-los sem pais está na boa :)

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…