Avançar para o conteúdo principal

Grávida Vegetariana


A mulher vegetariana que engravida, frequentemente passa por situações de intensa pressão familiar devido à ausência de carne na dieta.
Isto é fruto de preconceito e desconhecimento dos nutrientes presentes na dieta vegetariana.
Sem dúvida alguma que a dieta vegetariana é segura para as grávidas
Com um bom planeamento, a dieta vegetariana (inclusive vegana) é adequada para gestantes, fornece os nutrientes necessários (excepto a vitamina B12) e promove o crescimento e desenvolvimento adequado do feto. Os bebés de mulheres vegetarianas têm o peso semelhante ao das não vegetarianas ao nascimento.
As diferenças nutricionais e médicas quanto às condutas, diferem apenas no cuidado extra com a vitamina B12 na vegetariana. Todos os demais cuidados são idênticos aos das onívoras.

No entanto, e para TODAS as grávidas, há diferenças nas necessidades nutricionais da mulher quando ela engravida. Ela precisará de mais cálcio, ferro e outros nutrientes. O ajuste alimentar é importante para que a dieta fique de acordo com as exigências desse período.
Em relação à vitamina B12, quando esta encontra-se reduzida no organismo, ocorre o aumento de um composto chamado homocisteína, que está correlacionado com maior risco de descolamento de placenta, defeitos na formação fetal, aumento da pressão arterial da mãe e nascimento de bebés prematuros e com baixo peso.
Há um estudo que demonstrou que quando a homocisteína está elevada, há risco 3,26 vezes maior de nascimento de um bebé com menor peso (228 gramas a menos).
A homocisteína elevada parece estar associada ao parto prematuro por estimular contrações uterinas.
A deficiência de B12 (levando ao aumento da homocisteína) não é uma exclusividade das vegetarianas. Um estudo Latino-americano demonstrou que cerca de 40% das mulheres onívoras têm deficiência desta vitamina.
O uso da vitamina B12 deve ser sempre avaliado após dosagem laboratorial, seja na mulher vegetariana ou omnívora  A dose a ser utilizada será diferente se houver ou não deficiência de B12. Por isso, o acompanhamento é fundamental, assim como a eficácia do seu uso.
Ferro
Nos três primeiros meses da gestação ocorre um aumento de 20% na produção de células vermelhas da mulher. Isso demanda uma enorme quantidade de ferro. Nos últimos 3 meses de gestação, a quantidade de ferro que é depositada na placenta e entregue ao bebé é enorme! O ferro proveniente da alimentação comum é insuficiente para fornecer as necessidades básicas de uma gestante, que pode aumentar em até 3 vezes.
De forma ilustrativa, uma mulher com uma ferritina (“depósito de ferro”) de 60 ng/mL (valor dificilmente encontrado numa mulher que menstrua) tem cerca de 500 mg de ferro armazenado.
Na gestação, a necessidade de ferro para suprir a demanda chega a 1400 mg do mineral. Se uma mulher não tem reservas de ferro adequadas antes de engravidar, inevitavelmente ocorrerá carência na gestação.
Há diversos problemas decorrentes da deficiência de ferro na gestação:
-       Anemia durante a gestação com queixas de cansaço;
-       Anemia no pós-parto, devido à perda de sangue durante o parto;
-       Maior risco de depressão pós-parto;
-       Risco 4 vezes superior do bebé nascer com pouco peso;
-       Maior risco de parto prematuro.
Concluindo, vegetarianas e omnívoras têm o mesmo risco de carência de ferro, pois a questão é metabólica, e não alimentar.


Ômega-3
Quando em baixos níveis, pode induzir ao parto prematuro.
De forma prática, pode-se utilizar a semente de linhaça triturada, na quantidade de 3 colheres de sopa por dia.
Utilizando a quantidade recomendada de ômega-3 de origem vegetal (linhaça), ocorre a conversão satisfatória deste nutriente para a sua forma activa (EPA e DHA).
Cálcio
A sua necessidade aumenta na gestação, assim como o quantidade que o organismo da gestante consegue absorver da dieta. É importante que haja uma adequação alimentar pois muitas mulheres (omnívoras e vegetarianas) não conseguem, por falta de planeamento dietético, atingir as necessidades diárias durante a gestação.
Atingir as necessidades diárias, não é difícil, mas depende muito dos hábitos e predileções da gestante. O uso de tofu, bebidas vegetais se sementes de sésamo, de amêndoa e a ingestão de verduras como couve, brócolos, mostarda, escarola, rúcula e agrião devem ser priorizados sendo fundamental comer estes alimentos em quantidade suficiente.

Evite o consumo de espinafre, beterraba (especialmente as folhas), acelga e cacau nas refeições mais ricas em cálcio.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…