Avançar para o conteúdo principal

Crú vs Cozinhado

Existem muitos benefícios em consumir grandes quantidades de frutas e vegetais crús. Estes alimentos fornecem-nos elevados níveis de nutrientes, energia e geralmente são baixos em calorias.
Ingerir grandes quantidades de alimentos crús é a chave para a longevidade e contra o cancro.

Mas haverá vantagens numa dieta apenas de alimentos crus? 

Consumir uma dieta exclusivamente em alimentos crus é uma desvantagem  Excluir todos os vegetais cozidos a vapor e as sopas de legumes da dieta diminui a diversidade nutricional com tendência a reduzir a percentagem de calorias dos vegetais em favor das nozes e das frutas que tem uma menor quantidade de nutrientes por caloria.



No entanto, alguns estudos suspeitos a favor do crudivorismo, concluem de forma equivocada que como a maioria dos alimentos cozinhados não são saudáveis logo todos nos fazem mal, mas isso é generalizar, algo que não deve ser feito sem uma observação cuidada.

A ideia que mais entusiasma na dieta crudívora é o facto da cozedura destruir cerca de 50% dos nutrientes nos alimentos e que destrói todas ou a maioria das enzimas. É verdade que quando os alimentos são cozinhados a elevadas temperaturas, especialmente quando são fritos ou grelhados, formam-se compostos tóxicos e a maioria dos nutrientes se perde.
Também muitas vitaminas, sendo hidrossoluveis, podem-se perder com a cozedura, especialmente com o excesso de cozedura. 

No entanto, apenas pequenas quantidades de nutrientes são perdidos com os processos tradicionais de cozedura como a sopa, fazendo com que muitos mais nutrientes se tornem mais fáceis de assimilar. Estes nutrientes ter-se-iam perdido se esses vegetais tivessem sido consumidos crus. Quando aquecemos ou salteamos os vegetais e as leguminosas aumentamos dramaticamente o seu potencial de digestibilidade e absorção de muitos compostos nutritivos e benéficos.

Em muitos casos, cozinhar realmente destrói alguns dos anti-nutrientes prejudiciais que se ligam aos minerais nos intestinos e interferem com a utilização dos nutrientes. A destruição desses anti-nutrientes aumenta a sua absorção. Cozinhar os vegetais a vapor e fazer sopas de legumes destrói/parte da celulose e altera a estrutura celular das células sendo poucas das nossas enzimas requisitadas para a sua digestão. 



Quando os alimentos são cozidos a vapor ou transformados em sopa, a temperatura fixa-se nos 100ºC, que é a temperatura em que a água entra em ebulição. Esta alquimia alimentar evita que os alimentos formem compostos tóxicos.
A Acrilamida, a toxina mais reconhecida gerada pelo calor, não se forma na preparação de alimentos cozidos em caldo (sopa) ou a vapor, apenas se forma quando os alimentos são cozinhados a seco.
A maioria dos nutrientes essenciais dos vegetais tornam-se mais absorvíveis após cozinhados numa sopa, sendo que os nutrientes hidrossoluveis não se perdem porque consumimos também o seu caldo.

Estudos recentes confirmam que o corpo absorve muito mais os compostos anti-cancerígenos benéficos (carotenóides e fitoquímicos — especialmente a luteína e o licopeno) da cozedura dos vegetais quando comparado com os crus.
Os cientistas especulam que o aumento da absorção dos antioxidantes após a cozedura se deve à destruição da matriz da célula (bandas conectivas) onde os compostos se unem.

Comer alimentos crus é essencial para uma boa saúde e deve ser a principal forma de alimentação diária. Mas isso não significa que todos os alimentos ingeridos devam ser crus para que se possa obter uma saúde excelente, mas é sim necessária e importante para expandir a densidade nutricional, a absorção da proteína vegetal e a diversidade nutricional com a inclusão de alguns alimentos cozinhados de forma tradicional como é o caso das sopas.

Referências:
- Link LB ; Potter JD. Raw versus cooked vegetables and cancer risk. Cancer Epidemiol Biomarkers Prev. 2004; 13(9):1422-35.
- Ismail A ; Lee WY. Influence of cooking practice on antioxidant properties and phenolic content of selected vegetables. Asia Pac J Clin Nutr. 2004; 13(Suppl):S162.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Mercúrio presente no marisco e no peixe aumenta risco para Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Um estudo recente em 518 pessoas constatou que elevados níveis de mercúrio no corpo associado ao consumo de peixe e marisco aumenta o risco de desenvolver a doença de Lou Gehrig (ELA), uma doença neurodegenerativa que leva à paralisia e à morte. Entender os factores de risco da esclerose lateral amiotrófica possibilita-nos realizar alterações no nosso estilo de vida, como por exemplo, evitar o consumo de peixes e moluscos, de forma a prevenir esta doença e diminuir a incidência a longo prazo.
Nota de pesquisa: Pesquisas epidemiológicas como essa podem revelar novos factores comportamentais humanos ou exposições ambientais que nos levam à doença. Estudos a nível da população também podem fornecer uma visão ampla de como a doença se desenvolve em seres humanos que não teria sido prontamente descoberto em estudos animais ou celulares.

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

Dores Musculares x Ventosaterapia

Utilizada desde o antigo Egipto, a Ventosaterapia é também mencionada nos escritos de Hipócrates e praticada pelo povo Grego no século IV A.C. , constituindo assim, um dos métodos terapêuticos mais antigos utilizados na Naturopatia, que tem como procedimento básico, a aplicação em áreas específicas do corpo, de copos redondos, que após se retirar o ar criam vácuo permitindo manipular os tecidos de forma mais intensa.
O seu principal efeito terapêutico é na estimulação da circulação sanguínea pois tem como base a troca gasosa, eliminando os gases e toxinas estagnados no corpo pela pressão negativa produzida pelo vácuo. Esta técnica também é conhecida como o método do "Tratamento Negativo”, porque atraí as células doentes do interior para a superfície.                 
A aplicação da ventosaterapia traz extraordinários benefícios, principalmente ao proporcionar uma melhoria significativa nas tensões musculares quando aplicada ao longo da coluna lombar, sendo bastante eficaz em cas…