Avançar para o conteúdo principal

Gengibre (Zingiber officinale) no tratamento do Cancro

Licença: CC0 Public Domain
O Gengibre é uma planta originária da Ásia.
Tem sido muito utilizada na alimentação e medicina para combater náuseas, principalmente aquelas que surgem nas viagens, na quimioterapia e na gravidez. As suas propriedades terapêuticas têm vindo a ser comprovadas cientificamente o que lhe tem dado um grande destaque.

A nível de constituintes fitoquímicos, o Gengibre em riquíssimo neles, entre vários outros, podemos encontrar o ácido ascórbico, ácido aspártico, ácido glutâmico, ácido piperólico, amido, arginina, asparagina, borneol, canfeno, cineol, citral, farsenol, felandreno, fenilalanina, geraniol, gingediol, gingerol, glicina, linalol, resinas, saponinas, zingerona, zingibereno e zingiberol.

A nível das suas principais propriedades medicinais, dou destaque para a sua utilização no  tratamento e prevenção de enjôos (antiemética) nas grávidas, nas viagens e na quimioterapia. Anti-inflamatório na osteoartrite, Antimicrobiana, Antiulcerogénica como coadjuvante no tratamento das úlceras gastroduodenais, Carminativa, Colagoga, Digestiva, Estimulante, Estomáquica, Expectorante, Hepatoprotetora e Lipolítica diminuindo a agregação plaquetária e a síntese de colesterol.

Vários estudos têm confirmado o seu efeito como quimiopreventivo em vários cancros: intestinos, mama, ovários ou pâncreas (Cancer Epidemiol Biomarkers Prev.2008; Forum Nutr.2009; Cancer Research 2009; The Journal of Nutritional Biochemistry 2007; Biofactors.2010)

O Gengibre tem sido muito utilizado para tratar a inflamação e as náuseas, mas os resultados apresentados numa sessão na American Association for Cancer Research mostraram que a utilização de Gengibre em pó quando utilizado no tratamento das células cancerígenas promove a apoptose (suicídio das células cancerígenas), ou seja, morreram quando expostas ao composto.

Um outro estudo comprovou a sua acção terapêutica quando aplicado no combate ao cancro do ovário: "O Gengibre inibiu o crescimento e modulou a secreção dos factores angiogénicos nas células de cancro do ovário. O uso de alimentos como o Gengibre pode ter potencialidades no tratamento e prevenção do cancro do ovário".

O British Journal of Nutrition publicou também os resultados de um estudo no qual o extracto de Gengibre (Zingiber officinale) matou as células cancerígenas da próstata, enquanto as células saudáveis ​não sofreram qualquer alteração. O extracto de Gengibre (100mg/kg) foi capaz de encolher o tamanho do tumor da próstata em 56%.

"A ingestão diária de 100 mg / kg por peso corporal de extracto de gengibre inibiu o crescimento e a progressão de xenoenxertos PC-3 em cerca de 56% em ratos, como demonstrado por medições do volume do tumor. O tecido tumoral dos ratos tratados com o extracto de Gengibre mostrou redução do índice de proliferação e apoptose generalizada em comparação com os ratos do grupo de controlo, como determinado pela immunoblotting e métodos de imuno-histoquímicos. O extracto de Gengibre também não exerceu qualquer toxicidade detectável em tecidos normais, que se dividem rapidamente tais como o intestino e a medula óssea".

Na Leucemia, o Gengibre também tem apresentado resultados muito favoráveis ao tratamento deste tipo de cancro:

O Shogaol (especificamente o 6-shogaol), é um composto do Gengibre. Foi este mesmo composto que foi objecto de estudo em 2013, in vitro e in vivo. 

Nesse estudo, o Gengibre demonstrou capacidade na inibição do crescimento das células cancerígenas como na sua apoptose, ou seja, morte celular programada.
E ao contrário da quimioterapia é que este composto não prejudica as células saudáveis ​​nem causa efeitos colaterais:

"A potente actividade anti-leucemica do 6-shogaol encontrada tanto in vitro como in vivo no nosso estudo faz deste composto um potencial agente anti-tumoral 
para doenças malignas hematológicas."
Mas as propriedades terapêuticas do Gengibre não se ficam pela oncologia. O Gengibre defende-nos contra várias espécies de bactérias resistentes aos medicamentos (Phytother Res. 2013 Mar).

Em forma de conclusão...O Gengibre não apresenta efeitos colaterais significativos, à excepção de possíveis reacções alérgicas, no entanto, a toma de doses elevadas deve ser sempre acompanhada pela orientação de um profissional de saúde com conhecimento da área, principalmente se estiveres a fazer uso de outros medicamentos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

Mercúrio presente no marisco e no peixe aumenta risco para Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Um estudo recente em 518 pessoas constatou que elevados níveis de mercúrio no corpo associado ao consumo de peixe e marisco aumenta o risco de desenvolver a doença de Lou Gehrig (ELA), uma doença neurodegenerativa que leva à paralisia e à morte. Entender os factores de risco da esclerose lateral amiotrófica possibilita-nos realizar alterações no nosso estilo de vida, como por exemplo, evitar o consumo de peixes e moluscos, de forma a prevenir esta doença e diminuir a incidência a longo prazo.
Nota de pesquisa: Pesquisas epidemiológicas como essa podem revelar novos factores comportamentais humanos ou exposições ambientais que nos levam à doença. Estudos a nível da população também podem fornecer uma visão ampla de como a doença se desenvolve em seres humanos que não teria sido prontamente descoberto em estudos animais ou celulares.