Avançar para o conteúdo principal

OSTEOPOROSE

 1186670450234osteoporose Fantasma predileto de quem defende a adição de hormonas na menopausa,
a osteoporose tem sido enquadrada como doença - mas não é… Faz parte do envelhecimento.

É uma condição, um estado dos ossos, que com a idade avançada podem ir descalcificando e tornar-se porosos, frágeis e quebradiços, especialmente na coluna vertebral, nas costelas e na bacia.

Afecta 25% das mulheres ocidentais com mais de 60 anos e apenas 8% dos homens.

O nosso esqueleto está sempre a ser remodelado pela perda de 300 a 700 mg de cálcio por dia. Repor esse cálcio através da alimentação ou de suplementos é fácil,
fazer os ossos assimilarem é que são elas.

A assimilação depende de vários factores, entre eles sol, vitamina D, exercícios, fósforo, magnésio e estrogénio. Por isso a situação da mulher cuja massa óssea já não é muito densa pode se tornar problemática após a menopausa, já que haverá muito menos estrogénio em circulação.

Mas atribuir a osteoporose exclusivamente à falta de estrogénio é muito simplista.

Um Estudo recente envolvendo uma série de amostras de densidade óssea de mulheres de 20 a 88 anos mostrou que 50% da massa óssea são perdidos antes da menopausa.
E por que se perde cálcio?
Por miríades de razões da vidinha quotidiana: ansiedade, depressão, stress, falta de exercício, diarreia, disfunção na tireóide, excessos de proteína, gordura, sal, açúcar,
fibras suplementares e ácido oxálico na comida, deficiência de ácido hidroclorídrico, ingestão habitual de álcool e cafeína, uso de antiácidos, tetraciclina, heparina, laxativos, diuréticos, anticonvulsivantes, aspirina e cortisona.

O consumo de refrigerantes, carnes conservadas, queijos, molhos industrializados,
pães e massas de farinha branca também atrapalha, já que nos faz absorver muito fósforo, mineral que inibe a absorção do cálcio se estiver em maior proporção.
Na osteoporose, tudo depende de duas coisas: a densidade óssea inicial e a velocidade com que se vai perdendo o cálcio.

Ambas podem ser modificadas pelo estilo de vida. Na verdade, uma mulher com alto risco de osteoporose faria bem em adoptar uma alimentação mais vegetariana:
perderia muito menos cálcio. É o caso das mulheres orientais, cuja taxa de osteoporose é baixíssima apesar do pequeno consumo de cálcio.

Mas quando passam a comer uma dieta americanizada, muito rica em proteína, a sua eliminação de cálcio pela urina aumenta, porque o organismo gasta muito cálcio para processar a proteína e isso não tem nada a ver com redução de estrogénio.


Ébano & marfim

Mulheres negras têm uma densidade óssea inicial 25 a 30% maior que as brancas,
ou seja, não precisam se preocupar tanto.

A candidata mais forte à osteoporose é a mulher branca que tem ossos pequenos,
fuma, bebe álcool ou descende de europeus do norte, especialmente se
alguma mulher da família teve osteoporose.

Se quer saber a quantas andam os seus ossinhos, procure fazer uma densitometria óssea. Isso vê-se através de uma radiografia simples e com dose de radiação
mais baixa que uma radiografia dentária.

Mexa-se
Actividade física é a chave para conservar a densidade óssea. Pessoas de 50, 60 e 70 anos que se exercitam têm 30% mais densidade óssea que as sedentárias. Se não os usa, os ossos atrofiam.

Mas devem ser exercícios que estimulem o alongamento dos músculos, como andar,
correr, dançar, andar de bicicleta.

Apanhe sol para garantir a vitamina D
Ela é sintetizada na pele quando apanhamos sol e possibilita a absorção de cálcio nos intestinos.

Meia hora de exposição por dia, com o mínimo de roupa ou sem ela, é suficiente para as pessoas de pele clarinha; as mais morenas precisam duas ou três vezes mais tempo.

Não fume
Entre as mulheres de condições semelhantes, as que fumam têm menos densidade óssea que as não fumantes. Como a ansiedade está ligada a um gasto maior de cálcio, e também ao hábito de fumar, pode ser que mate três coelhos de uma cajadada só - livrando-se da ansiedade, do cigarro e da osteoporose.

Cuidado com o excesso de proteína
A dieta muito proteica aumenta a perda de cálcio pela urina, especialmente se for proteína animal, que tem maior volume de certos ácidos cujo efeito é retirar cálcio dos ossos.

No interior do Japão, velhinhas que nunca consumiram mais de 300 mg diários de cálcio têm muito menos osteoporose que as norte-americanas, que consomem 800 mg de cálcio por dia.

Mas as japonesas comem apenas 30 g de proteína por dia, enquanto
as americanas comem 80 g ou mais.

Varie as fontes de cálcio
Agrião, folhas de batata-doce, espinafre, folhas de nabo, couve-chinesa,
todos eles são boas fontes de cálcio se comer em porções generosas.


Evite refrigerantes
O nível de fósforo no organismo tem que ser um pouco menor que o de cálcio para haver uma boa absorção. Os refrigerantes usam muito fósforo nas suas fórmulas
- em cada copo de coca-cola há 116 mg - e uma pessoa que bebe refrigerantes regularmente acaba por se expor aos riscos de perda óssea e hiperparatireoidismo. 

Controle sal, açúcar e fibras 
O alto consumo de sal faz perder cálcio na urina, o consumo de açúcar também - só que, no caso do açúcar, a acção é indirecta: ele provoca a eliminação de cobre, que faz falta para a mineralização dos ossos.

Farelo de trigo ou biscoitos de fibras podem impedir a absorção de cálcio,
principalmente se a pessoa consumir basicamente farinhas e grãos refinados,
como farinha de trigo branca, pão branco, macarrão branco, arroz branco.

A pessoa que usa grãos integrais não tem esse problema, a não ser que coma um excesso de fibras adicionais.


Olho nos minerais e na vitamina c
A ingestão adequada de cálcio, fósforo, magnésio, manganês, zinco e cobre pode ser decisiva para a sua saúde óssea; 
O magnésio activa a vitamina D e permite que o cálcio forme cristais nos ossos. Tem sido usado em doses de 500 mg diários. 
O boro reduz a excreção de cálcio e magnésio pela urina e tem uma acção positiva sobre o estradiol-17-beta, que é a forma de estrogénio mais activa no sangue. Para obtê-lo pode aumentar o consumo de alguns alimentos ricos em boro: brotos de alfafa, repolho, alface, ervilhas, maçã, tâmara, ameixa preta, uva-passa, amêndoas, amendoins.
A vitamina C é fundamental para a síntese do colágenio, tecido conjuntivo dos ossos. Tem sido usada a dosagem de 2 g diários.

Capítulo integral do livro Só Para Mulheres, de Sonia Hirsch
http://www.unioeste.br/projetos/unisol/projeto/c_fisioterapia/osteroporose.htm

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical: