Avançar para o conteúdo principal

Sabes o que o Gengibre pode fazer às tuas dores musculares?

Quando me encontrava ainda no primeiro ano de Naturopatia foi-me apresentado os maravilhosos efeitos medicinais do gengibre...a capacidade dos seus princípios activos auxiliarem no tratamento de tantas e tão diversas patologias deixou-me de boca aberta. Lembro-me de na altura (já após a recuperação da doença) ter pensado: Porque raio os médicos não me disseram nada?!? Hoje já sei a resposta...porque não sabiam!! O que é certo é que nunca é tarde para aprender e só é ignorante quem não procura soluções...A raiz do gengibre tem sido utilizada empiricamente há imenso tempo (e agora também com base em evidências científicas) para tratar diversos problemas de saúde, incluindo doenças gástricas e artrites. Tais são os seus benefícios que cada vez mais a ciência se dedica a estudar os seus princípios activos.

O Gengibre, além de muitos outros benefícios, exerce um efeito calmante sobre os músculos doridos e dores nas costas. (já experimentaram as famosas comprensas de gengibre? qualquer dia falo-vos nisso...)

Um estudo de 2010 publicado no The Journal of Pain, constatou que doses diárias de gengibre são eficazes para aliviar a dor muscular após o exercício.

Os investigadores seguiram 74 estudantes que realizaram 18 exercícios diários durante 11 dias consecutivos que foram previamente estipulados, enquanto ingeriam o gengibre. Os alunos foram divididos em três grupos. Cada grupo recebeu ou gengibre cru, gengibre fervido ou placebo.

Ambos os grupos a ingerir gengibre, independentemente da forma como o fizeram, apresentaram benefícios semelhantes na redução do nível da dor muscular de 23 a 25 por cento.

Os autores observaram que, embora o seu efeito analgésico não tenha ainda sido amplamente estudado, o gengibre apresenta ter propriedades anti-inflamatórias semelhantes às drogas anti-inflamatórias não esteroides, sem efeitos colaterais...As maravilhas da natureza!!


Referências:

- http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16117603
- http://www.jpain.org/article/S1526-5900%2809%2900915-8/abstract

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

Mercúrio presente no marisco e no peixe aumenta risco para Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Um estudo recente em 518 pessoas constatou que elevados níveis de mercúrio no corpo associado ao consumo de peixe e marisco aumenta o risco de desenvolver a doença de Lou Gehrig (ELA), uma doença neurodegenerativa que leva à paralisia e à morte. Entender os factores de risco da esclerose lateral amiotrófica possibilita-nos realizar alterações no nosso estilo de vida, como por exemplo, evitar o consumo de peixes e moluscos, de forma a prevenir esta doença e diminuir a incidência a longo prazo.
Nota de pesquisa: Pesquisas epidemiológicas como essa podem revelar novos factores comportamentais humanos ou exposições ambientais que nos levam à doença. Estudos a nível da população também podem fornecer uma visão ampla de como a doença se desenvolve em seres humanos que não teria sido prontamente descoberto em estudos animais ou celulares.