Avançar para o conteúdo principal

Estudo: A alimentação vegetariana melhora a dermatite atópica nos adultos

Fonte: Pixabay
A dieta vegetariana melhora os sintomas da dermatite atópica, através da redução do número de eosinófilos[i] periféricos e da síntese de prostaglandina E2 (PGE2[ii]) por monócitos[iii].


Fonte: J Physiol Anthropol Appl Human Sci. 2001 Nov;20(6):353-61. PMID: 118406881
Autor(s): T Tanaka, K Kouda, M Kotani, A Takeuchi, T Tabei, Y Masamoto, H Nakamura, M Takigawa, M Suemura, H Takeuchi, M Kouda


Resumo: Muitos pacientes com dermatite atópica apresentam insatisfação com os tratamentos convencionais baseados em esteróides tópicos e têm optado por abordagens não convencionais. No entanto, a maioria das terapias não foram avaliadas clinicamente e cientificamente por especialistas.

Este estudo foi desenhado para avaliar se uma dieta vegetariana pode ser eficaz na dermatite atópica e em caso afirmativo, identificar os mecanismos pelo qual actua através da análise de parâmetros imunológicos. Um estudo aberto[iv] foi realizado em 20 pacientes com dermatite atópica. Uma melhoria da dermatite foi avaliada pelo índice SCORAD (Scoring Atopic Dermatitis) e os parâmetros sorológicos e imunológicos foram monitorados.

Depois de um tratamento de dois meses, a severidade da dermatite foi surpreendentemente inibida, conforme avaliado pelo índice SCORAD e os parâmetros serológicos, incluindo a actividade LDH5[v] e vários eosinófilos periféricos. A forte redução dos eosinófilos e neutrófilos foi observada antes da melhoria da inflamação da pele. Além disso, a produção de PGE2 pelas células mononucleares de sangue periférico foi reduzida por acção desta dieta. Em contraste, os níveis séricos de IgE (imunoglobulina E) não se alteraram durante o mesmo período. Embora este estudo seja aberto, sugere que uma alimentação predominantemente vegetariana pode ser útil no tratamento de pacientes adultos com dermatite atópica.


Data da Publicação do Artigo: 01 de Novembro de 2001

Tipo de Estudo: Estudo Humano



[1] www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11840688

[i] Células sanguíneas responsáveis pela imunidade do organismo, juntamente com outros tipos de células.
[ii] Prostaglandina E2 é um Eicosanóide (molécula lipídica) do grupo das prostaglandinas.
[iii] Tipo de leucócito. Os monócitos desenvolvem-se a partir da medula óssea e são responsáveis pela protecção dos tecidos. Mantêm os tecidos livres de corpos estranhos.
[iv] Estudo em que tanto o investigador como o doente sabem qual a medicação que está a ser administrada.
[v] Lactato desidrogenase (LDH) é uma enzima presente numa grande variedade de organismos, incluindo plantas e animais. A LDH-5 diz respeito aos hepatócitos e miócitos esqueléticos.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

Mercúrio presente no marisco e no peixe aumenta risco para Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Um estudo recente em 518 pessoas constatou que elevados níveis de mercúrio no corpo associado ao consumo de peixe e marisco aumenta o risco de desenvolver a doença de Lou Gehrig (ELA), uma doença neurodegenerativa que leva à paralisia e à morte. Entender os factores de risco da esclerose lateral amiotrófica possibilita-nos realizar alterações no nosso estilo de vida, como por exemplo, evitar o consumo de peixes e moluscos, de forma a prevenir esta doença e diminuir a incidência a longo prazo.
Nota de pesquisa: Pesquisas epidemiológicas como essa podem revelar novos factores comportamentais humanos ou exposições ambientais que nos levam à doença. Estudos a nível da população também podem fornecer uma visão ampla de como a doença se desenvolve em seres humanos que não teria sido prontamente descoberto em estudos animais ou celulares.