Avançar para o conteúdo principal

O Mito da Proteína Combinada

Todos os nutrientes vêm do sol ou do solo. Os minerais provêm da terra e as vitaminas das plantas e dos microrganismos que crescem a partir deles.

Dito isto, volta a eterna questão. Onde posso obter a proteína?
A proteína é composta por aminoácidos e entre eles existem 20 aminoácidos essenciais, o que significa que o nosso corpo não os consegue produzir, sendo essencial obtê-los a partir da alimentação. Mas os outros animais também não os produzem.

As proteínas provenientes das plantas (e micróbios) têm todos os aminoácidos essenciais.

O conceito de que a proteína vegetal é inferior à proteína animal surgiu devido a estudos realizados em ratos há mais de um século atrás. Os cientistas descobriram que os ratos bebés não tinha um crescimento adequado quando alimentados à base de plantas. Mas os ratos bebés também não crescem bem se forem alimentados com leite materno humano e porquê? Porque o leite do rato tem 10 vezes mais proteína do que o leite humano e porque os ratos têm um crescimento cerca de 10 vezes mais rápido do que bebés humanos.

É verdade que algumas proteínas vegetais são relativamente baixas em determinados aminoácidos essenciais e por isso, há cerca de 40 anos atrás, o mito da "proteína combinada" entrou literalmente em voga, na edição de Fevereiro de 1975 da revista Vogue. O conceito era de que precisávamos de  comer "proteínas complementares" em conjunto, por exemplo, arroz com feijão, para compensar possíveis carências. Essa falácia foi refutada décadas atrás.

O mito de que as proteínas vegetais são incompletas, que se tem de combinar proteínas nas refeições foi desmentido pela comunidade de nutrição décadas atrás. Inclusive, a American Heart Association reconheceu em 2001, que "as proteínas vegetais podem fornecer todos os aminoácidos essenciais, não havendo necessidade de optar pela combinação proteica."

            E porque é que não é uma preocupação? Porque o nosso corpo mantém inúmeras reservas de aminoácidos livres que são usados para complementar o que poderá faltar em determinado dia, sem contar com o processo de reciclagem de proteínas que o nosso corpo tem.
Cerca de 90g de proteínas são libertadas diariamente, pelo próprio corpo, no trato digestivo para serem decompostas de forma a que o nosso corpo possa misturar e combinar os aminoácidos de que precisamos.

Assim, é praticamente impossível projectar uma dieta baseada em alimentos vegetais que seja suficiente em calorias, mas deficiente em proteína. Por isso, quem adopta uma alimentação à base de plantas pode ficar tranquilo no que diz respeito aos desequilíbrios de aminoácidos das proteínas vegetais que compõem a dieta habitual.




Traduzido e adaptado do original do Dr. Michael Greger (nutritionfacts.org/video/the-protein-combining-myth) publicado a 25 de Abril de 2016

- T A Davis, H V Nguyen, R Garcia-Bravo, M L Fiorotto, E M Jackson, D S Lewis, D R Lee, R J Reeds. Amino acid composition of human milk is not unique. J Nutr. 1994 Jul;124(7):1126-32.
- T B Osborne, L B Mendel. Amino-acids in nutrition and growth. Abtlerhdden: Zeitschr. f. phvsiol. Chem., Ixxvii, p. 27, 1912.
- P J Moughan, S M Rutherfurd, C A Montoya, L A Dave. Food-derived bioactive peptides--a new paradigm. Nutr Res Rev. 2014 Jun;27(1):16-20.
- P J Moughan, S M Rutherfurd. Gut luminal endogenous protein: implications for the determination of ileal amino acid digestibility in humans. Br J Nutr. 2012 Aug;108 Suppl 2:S258-63.
- P Sengupta. The Laboratory Rat: Relating Its Age With Human's. Int J Prev Med. 2013 Jun;4(6):624-30.
- V R Young, P L Pellett. Plant proteins in relation to human protein and amino acid nutrition. Am J Clin Nutr. 1994 May;59(5 Suppl):1203S-1212S.
- J McDougall. Plant foods have a complete amino acid composition. Circulation. 2002 Jun 25;105(25):e197; author reply e197.
- P B Ramarao, H W Norton, B C Johnson. THE AMINO ACIDS COMPOSITION AND NUTRITIVE VALUE OF PROTEINS. V. AMINO ACID REQUIREMENTS AS A PATTERN FOR PROTEIN EVALUATION. J Nutr. 1964 Jan;82:88-92.
- H N Munro. CHAPTER 34 – Free Amino Acid Pools and Their Role in Regulation. Mammalian Protein Metabolism. 1970. 299–386.

- N Rizzo, K Jaceldo-Siegl, J Sabate, G E Fraser. Nutrient Profiles of Vegetarian and Nonvegetarian Dietary Patterns. Journal of Academy of Nutrition and Dietetics. 2013 Dec;113(12):1610–1619.

Comentários

Anónimo disse…
Excelentes dicas... ótimo blog... parabéns...

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

Mercúrio presente no marisco e no peixe aumenta risco para Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Um estudo recente em 518 pessoas constatou que elevados níveis de mercúrio no corpo associado ao consumo de peixe e marisco aumenta o risco de desenvolver a doença de Lou Gehrig (ELA), uma doença neurodegenerativa que leva à paralisia e à morte. Entender os factores de risco da esclerose lateral amiotrófica possibilita-nos realizar alterações no nosso estilo de vida, como por exemplo, evitar o consumo de peixes e moluscos, de forma a prevenir esta doença e diminuir a incidência a longo prazo.
Nota de pesquisa: Pesquisas epidemiológicas como essa podem revelar novos factores comportamentais humanos ou exposições ambientais que nos levam à doença. Estudos a nível da população também podem fornecer uma visão ampla de como a doença se desenvolve em seres humanos que não teria sido prontamente descoberto em estudos animais ou celulares.