Avançar para o conteúdo principal

Magnésio na prevenção do AVC

O Estudo discute a correlação entre o aumento da ingestão de magnésio e a redução do AVC
(Estudos relevantes de PubMed e EMBASE (Jan 1966-setembro 2011) e referências nesses artigos).



Principais conclusõesPara cada aumento de 100mg na ingestão de magnésio, o risco de acidente vascular cerebral foi reduzido em 8% (combinado RR: 0,92; 95% CI: 0,88, 0,97).
Estas conclusões referem-se ao AVC isquémico (RR: 0,91, IC 95%: 0,87, 0,96), mas não ao hemorrágico intra-cerebral (RR: 0,96; 95% CI: 0,84, 1,10) ou ao sub-aracnóideo (RR: 1,01; 95% CI: 0,90, 1,14 acidente vascular cerebral).


Implicações práticasOs autores defendem que a redução do risco de AVC deve-se ao efeito do magnésio sobre os vários factores de risco inerentes ao AVC, onde já foi comprovada a sua eficácia, entre eles:

    
Hipertensão (1, 2)
    
A síndrome metabólica (3)
    
Diabetes tipo-2 (2, 4)

Os ensaios clínicos randomizados mostraram que a suplementação de magnésio reduz modestamente a pressão arterial diastólica (5), o peptídeo-C (O peptídeo-C é uma molécula produzida e secretada em conjunto com a insulina pelas células beta do pâncreas) e a concentração de insulina.(6)

Estudos realizados em animais mostraram que a ingestão elevada de magnésio tem efeitos favoráveis ​​sobre a glicémia e nas concentrações sanguíneas de lípidos, (7) e que a deficiência de magnésio aumenta a susceptibilidade de peroxidação das lipoproteínas.(8)

Os níveis de magnésio na dieta têm diminuiu gradualmente nos Estados Unidos, onde no ano de 1900 a sua ingestão era de cerca de 500mg/dia e actualmente é cerca de 175-225mg/dia.(9) A National Academy of Sciences determinou que a maioria dos homens americanos obtêm cerca de 80% da dose diária recomendada (DDR) e as mulheres, uma média de 70%.(10)

Existem mais de 325 enzimas dependentes do magnésio no corpo humano que permitem que o magnésio funcione como um co-factor numa ampla gama de reacções metabólicas.(9)



Dada a prevalência de deficiência de magnésio, não se deve assumir que o seu consumo diário é suficiente, logo, devem ser tomadas medidas dietéticas para assegurar a sua correcta ingestão, através de alimentos como os vegetais de folhas verdes, cereais integrais, nozes e sementes.

Referências

 Larsson SC, Orsini N, Wolk A. ingestão de magnésio da dieta eo risco de AVC: uma meta-análise de estudos prospectivos. Am J Clin Nutr. 2012; 95 (2) :362-366.

1. Ma J, Folsom AR, Melnick SL, et al. Associations of serum and dietary magnesium with cardiovascular disease, hypertension, diabetes, insulin, and carotid arterial wall thickness: the ARIC study. Atherosclerosis Risk in Communities Study. J Clin Epidemiol. 1995;48:927-940.
2. Ohira T, Peacock JM, Iso H, Chambless LE, Rosamond WD, Folsom AR. Serum and dietary magnesium and risk of ischemic stroke: the Atherosclerosis Risk in Communities Study. Am J Epidemiol. 2009;169:1437-1444.
3. Song Y, Manson JE, Cook NR, Albert CM, Buring JE, Liu S. Dietary magnesium intake and risk of cardiovascular disease among women. Am J Cardiol. 2005;96:1135-1141.
4. Larsson SC, Wolk A. Magnesium intake and risk of type 2 diabetes: a meta-analysis. J Intern Med. 2007;262:208-214.
5. Dickinson HO, Nicolson DJ, Campbell F, et al. Magnesium supplementation for the management of essential hypertension in adults. Cochrane Database Syst Rev. 2006;3: CD004640.
6. Chacko SA, Sul J, Song Y, et al. Magnesium supplementation, metabolic and inflammatory markers, and global genomic and proteomic profiling: a randomized, doubleblind, controlled, crossover trial in overweight individuals. Am J Clin Nutr. 2011;93:463-473.
7. Soltani N, Keshavarz M, Dehpour AR. Effect of oral magnesium sulfate administration on blood pressure and lipid profile in streptozocin diabetic rat. Eur J Pharmacol. 2007;560:201-205.
8. Rayssiguier Y, Gueux E, Bussière L, Durlach J, Mazur A. Dietary magnesium affects susceptibility of lipoproteins and tissues to peroxidation in rats. J Am Coll Nutr. 1993;12:133-137.
9. Altura BM. Introduction: importance of Mg in physiology and medicine and the need for ion selective electrodes. Scand J Clin Lab Invest. 1994;54(217[Suppl]):5-9.
10. Institute of Medicine, Dietary Reference Intake for Calcium, Phosphorus, Magnesium, Vitamin D, and Fluoride, National Academy Press, Washington DC, 1997.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical: