Avançar para o conteúdo principal

Omeprazol (Fármaco)

O Omeprazol é um medicamento que diminui a acidez no estômago.

É utilizado no tratamento de úlceras gástricas, gastrites, refluxo gastroesofágico e esofagites.

O Omeprazol pertence a uma categoria de fármacos denominada inibidores da bomba de protões a que pertencem também o Lanzoprazol, Esomeprazol, Pantoprazol, Rabeprazol, Timoprazol e Picoprazol.

A sua ação terapêutica exerce-se sobre a mucosa gástrica diminuindo consideravelmente a normal produção de acido clorídrico por esta mucosa.

A presença de ácido no estômago é indispensável para o correto processo de digestão dos alimentos, nomeadamente das proteínas.
A diminuição da acidez no estômago vai condicionar a capacidade de digestão dos alimentos, diminuir a absorção de alguns nutrientes levando a défices nutricionais importantes.

A toma prolongada de Omeprazol está associada à deficiência de vitamina B121 que pode ter repercussões clínicas mais graves nas pessoas idosas2, sendo recomendada a avaliação laboratorial dos níveis de vitamina B12 nos casos de toma prolongada destes fármacos.
A deficiência de vitamina B12 pode favorecer a elevação dos níveis de homocisteína, o que é mais um fator adverso para a prevenção das doenças cardiovasculares e neurológicas.

A toma prolongada de inibidores da bomba de protões pode ainda provocar ou agravar deficiência em magnésio3 um dos mais importantes minerais do nosso organismo.

Além disso, a acidez do meio gástrico contribui de forma muito importante para matar os microrganismos, bactérias e fungos, ingeridos juntamente com os alimentos, que não estão adaptados a sobreviverem em meio ácido, impedindo a sua progressão para o intestino. Se este tipo de bactérias e fungos invadem e proliferam no intestino delgado podem dar origem a alterações da flora intestinal4,  permitindo o desenvolvimento de germes oportunistas5 e podendo estar na origem de colites6 por vezes dificilmente diagnosticadas.

Se está a tomar Omeprazol, ou outro fármaco desta classe terapêutica, deve prevenir o défice nutricional de vitamina B12 e de magnésio tomando, de forma regular, um suplemento nutricional de vitaminas B e magnésio.

Se foi medicado com Omeprazol, ou outro fármaco desta classe terapêutica, deve cumprir o tempo de medicação indicado pelo seu médico e não o prolongar sem vigilância médica. Se sentir algum mal-estar digestivo ou queixas intestinais deve informar o seu médico.


1-      Omeprazole and Vitamin B12 Deficiency, Ann Pharmacother May 1999 33: 641-643
2-      Cobalamin: a critical vitamin in the elderly; Preventive Medicine, Volume 39, Issue 6, December 2004, Pages 1256–1266
3-      Proton-Pump Inhibitors and Hypomagnesemic Hypoparathyroidism; N Engl J Med 2006; 355:1834-1836October 26, 2006DOI: 10.1056/NEJMc066308
4-      Review article: proton pump inhibitors and bacterial overgrowth. Aliment Pharmacol Ther. 2006 Jan 1;23(1):3-10.
5-      Risk of Clostridium difficile diarrhea among hospital inpatients prescribed proton pump inhibitors: cohort and case–control studies”, CMAJ July 6, 2004 vol. 171 no. 1 doi: 10.1503/cmaj.1040876
6-      Proton pump inhibitor use is associated with an increased risk for microscopic colitis: a case-control study.” Aliment Pharmacol Ther. 2010 Nov;32(9):1124-8. doi: 10.1111/j.1365-2036.2010.04453.x. Epub 2010 Sep 13.


Fonte Original do Artigo AQUÍ 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

Mercúrio presente no marisco e no peixe aumenta risco para Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Um estudo recente em 518 pessoas constatou que elevados níveis de mercúrio no corpo associado ao consumo de peixe e marisco aumenta o risco de desenvolver a doença de Lou Gehrig (ELA), uma doença neurodegenerativa que leva à paralisia e à morte. Entender os factores de risco da esclerose lateral amiotrófica possibilita-nos realizar alterações no nosso estilo de vida, como por exemplo, evitar o consumo de peixes e moluscos, de forma a prevenir esta doença e diminuir a incidência a longo prazo.
Nota de pesquisa: Pesquisas epidemiológicas como essa podem revelar novos factores comportamentais humanos ou exposições ambientais que nos levam à doença. Estudos a nível da população também podem fornecer uma visão ampla de como a doença se desenvolve em seres humanos que não teria sido prontamente descoberto em estudos animais ou celulares.