Avançar para o conteúdo principal

Fitoterapia em resposta ao stress

O Stress, está sempre presente em todas as circunstâncias da vida e é uma resposta inespecífica do organismo a uma agressão, a um tóxico (ambiental, infecção, metabolismo) ou a um estado emocional.

O stress nem sempre é prejudicial. A reacção ao stress desencadeia-se a partir do sistema límbico que é uma estrutura cerebral que existe no cérebro dos mamíferos e que permite através do sistema nervoso autónomo reagir e ter os comportamentos necessários à sobrevivência, interferindo positiva ou negativamente no funcionamento visceral e na regulação metabólica de todo o organismo. A resposta inadequada ao stress, de forma persistente pode causar doença.

Na revista Integrative Practitioner UpDate, de Março 2012, foi publicado um estudo que revela que 19 milhões de pessoas nos Estados Unidos, sofrem de stress e ansiedade, e 75% a 90% das idas ao médico estão relacionadas com stress.

É importante identificar e tratar a causa do stress, estabelecendo prioridades conforme o quadro clinico:

Fase 1 - aguda, não recorrente, não incapacitante, recente, necessita de suporte psicológico.

Fase 2 - aguda, recorrente e recuperação difícil, afecta o sono, e apresenta ansiedade marcada. Necessita de doseamento do nível de cortisol.

Fase 3 - crónica, sintomas graves e com fraca recuperação, associada a fadiga adrenal, apneia do sono, problemas de memória para factos recentes.

A autora propõe a todos os doentes exercício físico e controle do comportamento alimentar para reduzir o impacto do stress, assim como tratamento fitoterapêutico com Ashwagandha, Rhodiola, Licorice, Passiflora, Hypericum, Ginseng e outros.

A Ashwagandha é útil em todas as fases, pois controla a ansiedade, desordens cognitivas, inflamação e tem interesse na doença de Parkinson. É um adaptogéneo, usado na exaustão nervosa, e é estimulante da imunidade. Tem alguns efeitos secundários e por isso deve ser sempre seguido por um Naturopata.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

Mercúrio presente no marisco e no peixe aumenta risco para Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Um estudo recente em 518 pessoas constatou que elevados níveis de mercúrio no corpo associado ao consumo de peixe e marisco aumenta o risco de desenvolver a doença de Lou Gehrig (ELA), uma doença neurodegenerativa que leva à paralisia e à morte. Entender os factores de risco da esclerose lateral amiotrófica possibilita-nos realizar alterações no nosso estilo de vida, como por exemplo, evitar o consumo de peixes e moluscos, de forma a prevenir esta doença e diminuir a incidência a longo prazo.
Nota de pesquisa: Pesquisas epidemiológicas como essa podem revelar novos factores comportamentais humanos ou exposições ambientais que nos levam à doença. Estudos a nível da população também podem fornecer uma visão ampla de como a doença se desenvolve em seres humanos que não teria sido prontamente descoberto em estudos animais ou celulares.