Avançar para o conteúdo principal

Gengibre (Zingiber officinale) no tratamento do Cancro

Licença: CC0 Public Domain
O Gengibre é uma planta originária da Ásia.
Tem sido muito utilizada na alimentação e medicina para combater náuseas, principalmente aquelas que surgem nas viagens, na quimioterapia e na gravidez. As suas propriedades terapêuticas têm vindo a ser comprovadas cientificamente o que lhe tem dado um grande destaque.

A nível de constituintes fitoquímicos, o Gengibre em riquíssimo neles, entre vários outros, podemos encontrar o ácido ascórbico, ácido aspártico, ácido glutâmico, ácido piperólico, amido, arginina, asparagina, borneol, canfeno, cineol, citral, farsenol, felandreno, fenilalanina, geraniol, gingediol, gingerol, glicina, linalol, resinas, saponinas, zingerona, zingibereno e zingiberol.

A nível das suas principais propriedades medicinais, dou destaque para a sua utilização no  tratamento e prevenção de enjôos (antiemética) nas grávidas, nas viagens e na quimioterapia. Anti-inflamatório na osteoartrite, Antimicrobiana, Antiulcerogénica como coadjuvante no tratamento das úlceras gastroduodenais, Carminativa, Colagoga, Digestiva, Estimulante, Estomáquica, Expectorante, Hepatoprotetora e Lipolítica diminuindo a agregação plaquetária e a síntese de colesterol.

Vários estudos têm confirmado o seu efeito como quimiopreventivo em vários cancros: intestinos, mama, ovários ou pâncreas (Cancer Epidemiol Biomarkers Prev.2008; Forum Nutr.2009; Cancer Research 2009; The Journal of Nutritional Biochemistry 2007; Biofactors.2010)

O Gengibre tem sido muito utilizado para tratar a inflamação e as náuseas, mas os resultados apresentados numa sessão na American Association for Cancer Research mostraram que a utilização de Gengibre em pó quando utilizado no tratamento das células cancerígenas promove a apoptose (suicídio das células cancerígenas), ou seja, morreram quando expostas ao composto.

Um outro estudo comprovou a sua acção terapêutica quando aplicado no combate ao cancro do ovário: "O Gengibre inibiu o crescimento e modulou a secreção dos factores angiogénicos nas células de cancro do ovário. O uso de alimentos como o Gengibre pode ter potencialidades no tratamento e prevenção do cancro do ovário".

O British Journal of Nutrition publicou também os resultados de um estudo no qual o extracto de Gengibre (Zingiber officinale) matou as células cancerígenas da próstata, enquanto as células saudáveis ​não sofreram qualquer alteração. O extracto de Gengibre (100mg/kg) foi capaz de encolher o tamanho do tumor da próstata em 56%.

"A ingestão diária de 100 mg / kg por peso corporal de extracto de gengibre inibiu o crescimento e a progressão de xenoenxertos PC-3 em cerca de 56% em ratos, como demonstrado por medições do volume do tumor. O tecido tumoral dos ratos tratados com o extracto de Gengibre mostrou redução do índice de proliferação e apoptose generalizada em comparação com os ratos do grupo de controlo, como determinado pela immunoblotting e métodos de imuno-histoquímicos. O extracto de Gengibre também não exerceu qualquer toxicidade detectável em tecidos normais, que se dividem rapidamente tais como o intestino e a medula óssea".

Na Leucemia, o Gengibre também tem apresentado resultados muito favoráveis ao tratamento deste tipo de cancro:

O Shogaol (especificamente o 6-shogaol), é um composto do Gengibre. Foi este mesmo composto que foi objecto de estudo em 2013, in vitro e in vivo. 

Nesse estudo, o Gengibre demonstrou capacidade na inibição do crescimento das células cancerígenas como na sua apoptose, ou seja, morte celular programada.
E ao contrário da quimioterapia é que este composto não prejudica as células saudáveis ​​nem causa efeitos colaterais:

"A potente actividade anti-leucemica do 6-shogaol encontrada tanto in vitro como in vivo no nosso estudo faz deste composto um potencial agente anti-tumoral 
para doenças malignas hematológicas."
Mas as propriedades terapêuticas do Gengibre não se ficam pela oncologia. O Gengibre defende-nos contra várias espécies de bactérias resistentes aos medicamentos (Phytother Res. 2013 Mar).

Em forma de conclusão...O Gengibre não apresenta efeitos colaterais significativos, à excepção de possíveis reacções alérgicas, no entanto, a toma de doses elevadas deve ser sempre acompanhada pela orientação de um profissional de saúde com conhecimento da área, principalmente se estiveres a fazer uso de outros medicamentos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Bolo de Cenoura [sem açúcar e sem glúten]

Andava com vontade de comer um bolo de nozes, mas não encontrava nenhuma receita que me desse água na boca, então fui para a cozinha fazer experiências com base numa diversidade imensa de receitas que fui vendo...adaptei, adaptei...e adaptei e saiu tudo menos um bolo de nozes (rsrsrsss)...mas ficou delicioso na mesma (vá lá...uffa!!)
Ora aqui vai a receita para quem quiser aventurar-se:
Vais precisar de:
- 2 chávenas de farinha de trigo sarraceno - 3 colheres de chá de fermento - 5 colheres de chá de canela em pó - 5 cenouras raladas - 1/2 chávena de coco ralado - 1/2 chávena de nozes raladas - 300g de tâmaras trituradas - 1/2 chávena de bebida vegetal (usei de arroz e soja do aldi) - 2 colheres café de baunilha

Pré-aquece o forno a 180ºC

Mistura todos os secos/sólidos e depois vai adicionando o liquido.
Bate tudo muito bem e leva ao forno cerca de 50minutos (depende de cada forno).

Eu costumo usar formas de silicone para não ter de adicionar gordura, fica a dica.

Bom apetite!!


Questionas-te se a Vitamina D é prejudicial sem a vitamina K?

Nos últimos tempos muito se tem falado sobre o possível prejuízo que a ingestão de vitamina D pode ter na ausência da vitamina K, mas as alegações científicas ainda não são muito consistentes. Como as pessoas que recorrem à minha consulta de naturopatia sabem, eu não sou muito apologista da suplementação nutricional. Existem casos em que ela é realmente necessária, existem outros casos em que recorrer a suplementação nutricional numa fase inicial pode ajudar o paciente a recuperar mais rápido, mas na maioria dos casos, recorrendo aos alimentos, ou seja, aos nossos suplementos “in vivo” é mais do que suficiente para se obter bons resultados terapêuticos. Dito isto, já podem antever que a minha opinião acerca do consumo de vitamina K sob a forma de suplemento não é muito abonatória, mas lá está...cada caso é um caso e há que se analisar individualmente a condição clinica da pessoa que procura ajuda.
Como todos sabemos, as vitaminas D e K são vitaminas lipossolúveis, ou seja, solúveis e…

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical: