Avançar para o conteúdo principal

SOJA E TOMATE JUNTOS PODERÃO PREVENIR MELHOR O CANCRO DA PRÓSTATA


Um dos argumentos a favor de obtermos as substâncias com propriedades anticancerígenas através dos alimentos e não dos suplementos passa pelo potencial sinergético entre si. Vários estudos mostram que Aristóteles tinha razão quando dizia que o todo é maior do que a simples soma das suas partes. Várias razões contribuem para a importância do alimento completo para uma dieta quimiopreventiva:
  • A interação entre nutrientes e substâncias: vários estudos mostram como a interação de certas moléculas potencia os seus efeitos. Esta sinergia pode acontecer entre os componentes de um alimento ou entre vários alimentos diferentes.
  • Os vários mecanismos associados ao desenvolvimento do cancro: uma vez que nenhum alimento contém, só por si, todas moléculas que possam agir sobre todos esses processos, será necessário combinar vários alimentos e garantir que várias moléculas diferentes, com um espectro grande de ação sobre os mecanismos do cancro estejam presentes numa refeição. Trata-se de “quanto mais melhor”Existem milhares de fitoquímicos nos alimentos vegetais, sendo uma grande parte deles desconhecidos, os quais podem ter propriedades importantes na quimioprevenção ainda por descobrir.
Já sabemos que a soja parece contribuir para uma diminuição de risco da próstata: de acordo com o relatório da WCRF/AICR, embora as evidências ainda não sejam suficientemente convincentes para uma conclusão definitiva, a maior parte dos 10 estudos analisados pelo painel sugerem que um maior consumo de soja está associado a um menor risco de cancro da próstata. A soja é rica em fitoquímicos, especificamente as isoflavonas, que poderão ter várias propriedades anticancerígenas. Em estudos de laboratório as isoflavonas inibem o crescimento de células de cancro da próstataUm estudo de 6 anos a mais de 12000 homens Adventistas nos EUA, revelou que aqueles que bebiam mais leite de soja apresentavam um risco 70% inferior de cancro da próstata quando comparados com aqueles que nunca bebem. Mais recentemente, um estudo com uma amostra de mais de 43000 homens japoneses mostrou que o consumo de alimentos à base de soja está associado a um menor risco de cancro da próstata localizado em homens com idades superiores a 60 anos. Uma meta-análise feita em 2009, onde são avaliados os resultados de 14 estudos diferentes, conclui que o consumo regular de soja reduz em 26% o risco de cancro da próstata. Além da soja, outras leguminosas parecem ter benefícios na prevenção deste cancro.
Da mesma maneira, o tomate, mais especificamente um dos seus componentes(licopeno), está associado a um menor risco de cancro da próstata: a maior parte dos estudos disponíveis sugerem que um contributo elevado em alimentos ricos em licopeno está associado a um menor risco de cancro da próstata. De acordo com o relatório da WCRF/AICR, uma dieta rica em licopeno poderia prevenir cerca de11% de casos de cancro da próstata nos EUA. Uma meta-análise de 21 estudos conclui que o consumo de licopeno está associado a uma diminuição de risco de cancro da próstata.
O que um novo estudo, desenvolvido na Universidade de Illinois e financiado peloNational Cancer Institute vem dizer é que o potencial quimiopreventivo destes dois alimentos parece ser maior quando conjugados na mesma refeição. “No nosso estudo usámos ratos que foram geneticamente modificados de forma a desenvolverem uma forma agressiva de cancro da próstata. Mesmo assim, metade dos animais que consumiram tomate e soja não apresentaram lesões cancerígenas na próstata no final do estudo. Todos os ratos no grupo de controlo (sem tomate nem soja) desenvolveram a doença”, explica John Erdman, um professor de Nutrição da Universidade de Illinois.
Desde o momento em que os animais tinham de 4 a 18 meses de idade foram alimentados com uma das seguintes quatro dietas:
  1. 10% de tomate em pó inteiro;
  2. 2% de gérmen de soja;
  3. tomate em pó e gérmen de soja;
  4. grupo de controlo que não se alimentou nem de tomate nem de soja.
De acordo com Erdman, “consumir tomate, soja e uma combinação dos dois, todos reduziram significativamente a incidência de cancro da próstata. Mas a combinação foi a que nos deu melhores resultados. Apenas 45% dos ratos alimentados com os dois desenvolveram a doença. Em comparação 61% dos animais do grupo do tomate e 66% dos animais do grupo da soja desenvolveram a doença”. Os níveis de isoflavonas de soja e da próstata nos ratos são semelhantes aos que podemos encontrar nos homens asiáticos que consumam 1 a 2 porções diárias de soja por dia. Erdman lembra que em países onde a soja é consumida regularmente a incidência de cancro da próstata é significativamente inferior. A confirmar estes resultados, um estudo clínico de fase II sugere que o consumo de produtos ricos em licopeno e soja é mais eficaz a diminuir os níveis de PSA do cancro da próstata do que quando consumido individualmente.
Qual a quantidade de soja que seria necessário consumir para se obterem os mesmos efeitos observados neste estudo?
Um dos co-autores responde que “os resultados deste estudo sugerem que cerca de 3 a 4 porções de tomate por semana e 1 a 2 porções de soja por dia poderiam ser suficientes para diminuir o risco de cancro da próstata. Os investigadores alertam para a importância de se consumirem uma grande variedade de vegetais e frutos inteiros: “é melhor consumir um tomate inteiro do que tomar um suplemento de licopeno. É melhor beber leite de soja do que tomar isoflavonas de soja. Quando consumimos alimentos completos, expomo-nos a uma vasta gama de componentes bioativos e anticancerígenos presentes nesses alimentos”, sublinha Erdman.
isoflav
A recomendação de se consumir o alimento completo é reforçada pela forma como atuou o gérmen de soja neste estudo. Erdman notou que o gérmen da soja tem um perfil de isoflavonas muito diferente do resto do feijão de soja, sendo muito rico em daidzeínagliciteína e pobre em genisteína. Embora esta última seja geralmente mais valorizada pelas suas propriedades, estes investigadores observaram que embora o produto de soja que utilizaram seja pobre em genisteína, ainda assim foi muito eficaz a reduzir a incidência de cancro da próstata.
Se ao tomate e à soja acrescentarmos brócolos, talvez possamos aumentar ainda mais as propriedades anticancerígenas destes alimentos. Um estudo sugere que quando consumidos em simultâneo,tomates e brócolos são mais eficazes a inibir o crescimento do cancro da próstata. Além disso, os tomates quando cozinhados com um pouco de azeite possibilitam uma maior absorção dos seus fitoquímicos.
Carotenóides. O que são?
Os carotenóides são os pigmentos amarelos, laranja e vermelhos naturalmente presentes nos frutos e vegetais. Existem mais de 600 carotenóides; os mais consumidos e estudados incluem o beta-caroteno, alfa-caroteno, beta-criptoxantina, licopeno, luteína e a zeaxantina. O alfa-caroteno, beta-caroteno e a beta-criptoxantina são provitaminas A, o que significa que podem ser convertidos pelo organismo em retinol. Os carotenóides podem ser genericamente classificados em duas classes: os carotenos (alfa e beta-caroteno e licopeno) e xantofilas (beta-criptoxantina, luteína e zeaxantina).
Metabolismo e biodisponibilidade
A assimilação dos carotenóides requer a presença de gordura numa refeição. Cerca de 3 a 5 gr. de gordura parecem ser suficientes para garantir a sua absorção. Nos intestinos e no fígado, os carotenóides provitamina A podem ser quebrados de forma a produzir retinol, uma forma de vitamina A. A eficácia desta conversão é determinada pelos níveis de vitamina A de cada um.
Licopeno: esta substância apresenta várias propriedades anticancerígenas sendo um poderoso antiangiogénico (inibição da vascularização do tumor) através da inibição do fator de crescimento PDGF (responsável por ativar a geração de novos vasos sanguíneos). Em estudos animais, o licopeno inibe o desenvolvimento dos cancros da mama, fígado, colon, próstata, além de suprimir as metástases. O Estudo em Profissionais de Saúde (Health Professionals Follow-Up Study), desenvolvido pela Harvard Medical School, no qual foram seguidos 51000 homens, mostrou que a população que consumiu mais licopeno apresentou uma redução de 15% no risco de desenvolver cancro da próstata quando comparada com homens com um menor consumo. Esta molécula torna-se mais biodisponível quando cozinhada, utilizando um pouco de gordura. Nesse mesmo estudo, aqueles homens que consumiram mais do que duas porções semanais de pasta de tomate apresentaram 23% menor risco de cancro da próstata quando comparados com aqueles que consumiam menos de uma porção por mês. O licopeno é melhor absorvido a partir de frutos e vegetais que o contêm depois de cozinhados e reduzidos a puré. Quebrar as células do alimento rico em licopeno pelo calor permite uma melhor extração da molécula bom como mudanças na sua estrutura que a tornam mais biodisponível. As gorduras aumentam igualmente a biodisponibilidade do licopeno, pelo que é recomendável cozinhar vegetais como os tomates num pouco de azeite até fazer uma pasta, de forma a melhor aproveitar as suas propriedades.
O licopeno pode ser encontrado nos tomates, melancia ou pimentos vermelhos.

Referências:
Fonte: http://blog.projetosafira.org/2013/05/14/soja-e-tomate-juntos-poderao-prevenir-melhor-o-cancro-da-prostata/

Comentários

Mensagens populares deste blogue

As tâmaras e o trabalho de parto

Desde os tempos bíblicos, as tâmaras eram consideradas possuidoras de propriedades curativas profundas, mas só agora a ciência vem confirmar o que os nossos antepassados já sabiam.
Um estudo publicado no Journal of Obstetrics and Gynecology em 2011 e intitulado "O efeito do consumo das tâmaras no final da gravidez[i]", apresentou a investigação do efeito do consumo das tâmaras nos parâmetros do trabalho de parto e nos seus resultados. Ao longo de 11 meses na Jordan University of Science and Technology, dois grupos de mulheres foram incluídas num estudo prospectivo onde 69 mulheres consumiram seis tâmaras por dia durante 4 semanas antes da data prevista para o parto, contra 45 mulheres que não consumiram nenhuma. Estas mulheres tinham parâmetros semelhantes por isso não houve diferença significativa na idade gestacional, idade e paridade (o número de vezes que a mulher engravidou) entre os dois grupos.
Os resultados do estudo foram os seguintes:
• Melhoria da dilatação cervical:

Receita: Pudim de Pêra com Canela

Quando o meu filho era mais pequeno e estava a atravessar aquela fase em que simplesmente se alimentam do ar (a anorexia dos 2 anos), eu fazia-lhe esta espécie de pudim com sementes de chia que ele comia e lambia os dedos...ou seja, um êxito! Escusado será dizer que é delicioso tanto para os pequenos como para os grandes...ahhh e nutritivo!!
- A tâmara é rica em proteínas, minerais e vitaminas principalmente a vitamina C. A grande vantagem é que além de ser uma verdadeira doçura, ela é rica em fibras, potássio, cálcio e ferro sendo excelente tanto para crianças como adultos.

- As pêras são ricas em fibras, vitamina A e C com importantes ações antioxidantes.
Também é uma excelente fonte de minerais como o fósforo, cálcio e ainda contém algum ferro.

- A canela auxilia no tratamento de diversas doenças. A canela estimula a salivação e os sucos gástricos, facilitando a digestão como tal, ajuda em casos de aerofagia, digestões difíceis a acidez estomacal.


Ingredientes

- 7 colheres de sopa de …

O que deves saber para agilizar as constipações e a tosse nos bebés.

A cada ano, centenas de bebés e crianças sofrem de constipações e tosse, principalmente devido ao seu sistema imunitário ainda imaturo.

É muito fácil identificarmos os sintomas de constipação e tosse nas nossas crianças. Começam logo a ficar com o nariz congestionado, com muita ranhoca (corrimento nasal), febre baixa, tosse, perda de apetite, irritabilidade e dificuldade em dormir. Qual a mãe, pai ou outro educador que não reconhece o desafio que é cuidar de uma criança doente? A natureza delas é de felicidade, alegria e brincadeira...de repente sentem-se mal apresentando alguma dificuldade em compreender claramente aquilo que estão a sentir, como tal, o nosso papel é orientá-las e ajuda-las a sentirem-se o melhor possível no menor espaço de tempo.

Como sou a favor da posição da American Academy of Pediatrics a qual desaconselha dar medicamentos para a tosse e constipações a crianças menores de 6 anos devido aos potenciais efeitos colaterais desses medicamentos, opto, sempre que poss…